Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
domingo, 7 de março de 2021
SADER_FULL
Busca
Brasil

Dia 25 de Abril, a Revolução dos Cravos, por José Tibiriçá

25 Abr 2011 - 11h00Por

DIA 25 DE ABRIL, A REVOLUÇÃO DOS CRAVOS

Muitos acontecimentos são festejados no Brasil no mês de abril, como o dia do Indio e dia do Exército Brasileiro em 19 de abril, dia 21 de abril, o dia da execução de Tiradentes, Joaquim José da Silva Xavier, Mártir da  Inconfidência Mineira e o descobrimento do Brasil pelos portugueses em 22 de de Abril de  1.500.

Em Portugal hoje é feriado, comemora-se o trigésimo sétimo aniversário da Revolução dos Cravos, simbolizando a queda da Ditadura, marcando o início da Terceira República. Em 5 de outubro de 1910 foi instaurada a primeira ditadura portuguesa, decretando-se o fim da Monarquia, comemora-se no Brasil o dia 05 de outubro, data da promulgação da nossa Constituição em 1988.

Desde o início da República em Portugal, devido a fatores econômicos, sociais  e uma situação econômica periclitante, aconteceu a queda de sucessivos governos, agravando-se com sua participação na segunda guerra mundial. Devido à instabilidade que tomou conta do país, propiciou a derrubada do regime democrático-parlamentar e a instauração de uma ditadura militar com o golpe de 28 de maio de 1926, chefiado por Gomes da Costa.  Portugal viveu sob um regime ditatorial até 25 de Abril de 1974, após sucessivos governos, iniciando-se no ano de 1931, com Antonio de Oliveira Salazar, nomeado Presidente do Conselho de Ministros (chefe de Governo).

Com uma política de austeridade, Salazar conseguiu equilibrar a balança econômico-financeira do país e construir uma imagem de homem de estado forte. Essa imagem e a sua influência teve um peso para a aprovação da nova Constituição, que instauraria o regime do Estado Novo. Parece até que o Presidente Getúlio Vargas fez dela um modelo para sua implantação também no Brasil.

A Constituição de 1933, que instaura o Estado Novo, deu força a um regime autoritário que proibiu os partidos políticos, as greves, estabeleceu a censura e criou a polícia política, um tipo de SNI como o Brasil na época ditatorial. O regime teve seus opositores que viveram na clandestinidade e Salazar criou um estado repressivo, autoritário que dominava pelo medo e pela ignorância. Para esta situação também ajudavam as más condições de vida de grande parte da população e as elevadas taxas de analfabetismo. Era mais fácil para Salazar dominar uma sociedade pobre e sem cultura, igual a política adotada no nordeste brasileiro, onde existem ainda os coronéis da seca, cujo presidente do senado, Sarney é o exemplo, entre tantos discípulos, espalhados por vários estados.

 A oposição começou logo após a implantação da Ditadura Portuguesa em 1926, foi-se fortificando e crescendo à medida que o regime autoritário (1926-1974) perdurava. Ela sempre lutou, perturbou e se opôs às idéias da Ditadura Militar (1926-1933) e do Estado Novo (1933-1974).
Muitos intelectuais e pessoas importantes, como Humberto Delgado, Álvaro Cunhal, Mário Soares e Norton de Matos participaram na oposição, contribuindo para o enfraquecimento do regime. Tratava-se de uma oposição corajosa e sofredora, pois os seus elementos eram vítimas de perseguições e da repressão da polícia - PIDE. Mário Soares também foi vítima,  está com 86 anos, é do PS,  ainda participa da política nacional e está à frente de sua Fundação.

Muitos opositores na época da ditadura foram forçados a exilar-se no estrangeiro, alguns foram assassinados pela PIDE, como sucedeu com o General Humberto Delgado, entre muitos outros.

No início da ditadura, a oposição era desorganizada,  dominada por concepções anarquistas que privilegiavam a ação violenta, radical e armada. Depois os republicanos democráticos organizaram e comandaram várias revoltas como as de 1927, 1928 e 1931 que tiveram lugar na cidade do Porto, Lisboa, Setúbal, Açores, Madeira e Guiné, mas todas elas fracassaram.

A revolta de 1934, organizada pelos comunistas e operários, tentando opor-se à corporativização dos sindicatos, teve lugar na Marinha Grande, mas esta revolta, como as outras, também fracassou. Em 1936 foi criada a Legião Portuguesa com o objetivo de “defender o Património Espiritual” e “combater a ameaça ao comunismo e o anarquismo”. A partir da década de 50 a sua ação caracterizou-se pela colaboração com a PIDE na repressão às forças da oposição, para a qual contribuiu o seu serviço de informação e a vasta rede de informadores. Em 1937, um grupo de anarcossindicalistas tentou assassinar Salazar quando ele se dirigia para a missa, mas o chefe do Governo conseguiu escapar ileso. Em 1943, nasceu o Movimento de Unidade Nacional Anti-Fascista (MUNAF), sendo uma organização política clandestina, pretendia agrupar e reorganizar a oposição (desorganizada naquele tempo). Conseguiu agrupar muitos opositores democráticos, como Mário Soares.

 Em 1945, com a derrota das grandes ditaduras (alinhadas no Eixo), Salazar foi forçado a fazer algumas mudanças "democráticas", nomeadamente a instituição de eleições, para dar uma boa imagem às democracias capitalistas ocidentais. Para preparar a oposição para as eleições (tanto presidenciais como legislativas), o MUNAF foi substituído pelo Movimento de Unidade Democrática (MUD), movimento autorizado por Salazar. Contudo, a oposição não conseguia ganhar as eleições porque estas eram manipuladas secretamente pelo Governo. Este movimento democrático rapidamente recebeu grande apoio popular e conseguiu agrupar muitos opositores ao Estado Novo, principalmente intelectuais e profissionais liberais, por isso o MUD foi dissolvido pelo regime em Janeiro de 1948. Muitos dos antigos membros da MUD continuaram, contudo, a opor-se ao regime e integraram-se na comissão de apoio à candidatura do general Norton de Matos à Presidência da República, em Abril de 1948.

Os opositores participaram das eleições presidenciais de 1949 com Norton de Matos, de 1951 com Quintão Meireles e em 1958 com Humberto Delgado, defendendo a democratização. As eleições de 1958 conseguiram abalar o poder do Estado Novo, deram força e esperança à oposição, mesmo que o candidato opositor Humberto Delgado perdesse. O General Delgado conseguiu reunir em torno dele toda a oposição democrática e teve grande apoio popular. 
Após esta eleição e para não haver mais surpresas, o Governo de Salazar mudou o modelo eleitoral. Em vez de eleger o Presidente da República por sufrágio direto, o Governo criou um colégio eleitoral, composto pelos partidários da União Nacional para elegê-lo, assim não houve mais eleições presidenciais.

Em Março de 1959, várias figuras militares e civis planejaram um golpe de Estado em Lisboa, conhecido como "Golpe da Sé", com objetivo de derrubar Salazar e dizem que esta intenção de golpe foi de inspiração sobretudo católica, mas não conseguiu nenhum êxito.

Com o início da década de 60, a oposição radicaliza-se e torna-se forte, através de atos terroristas, radicais e mais violentos. O regime sofre, também, muitas dificuldades econômico-financeiras, pressão internacional e a classe universitária começou a opor-se também ao regime.Entre 1961 e 1974, Portugal protagonizou uma guerra colonial, motivada pelo combate aos movimentos de independência/libertação que surgiram nas colônias de Angola, Moçambique e Guiné. As colônias portuguesas, designadas por "Províncias Ultramarinas" desde 1951, tinham assistido, há muito tempo a abolição da escravatura, no entanto, a situação sócio-econômica que ali reinava era ambígua, uma vez que existia o trabalho contratual obrigatório. 

Os protestos dos trabalhadores das colônias, numa grande parte “semi-escravos”, eram reprimidos de forma violenta, surgindo movimentos de independência, apoiados pelos trabalhadores oprimidos. O Estado Novo recusou-se a discutir e alterar o essencial da política colonial, tendo fechado todas as portas a uma resolução e um entendimento com os colonos. 
Portugal sob o comando de Zalazar não queria perder o seu império colonial e por isso foram abertas várias frentes de guerra,

Deixe seu Comentário

Leia Também

100 UTI = OBITO
Ministério da Saúde prevê 3 mil mortes por dia por covid-19 nas próximas duas semanas
TRISTEZA NA FAMILIA
'Não tem UTI,amo vcs':a história por trás do tuíte viral que revela mensagens de mãe morta por covid
DISPARO ACIDENTAL
Assessor em fazenda do cantor Leonardo morre vitima de tiro acidental
VIOLENCIA DOMESTICA
Vítima de violência doméstica escreve bilhete com pedido SOS em agência bancária: 'Ele tá ai fora'
ALERTA AO CPF
Confira se o seu CPF foi usado de maneira IRREGULAR por desconhecidos
VAMOS PREVENIR
Igreja Adventista vota documento com orientações sobre cultos e reuniões
ALERTA AOS JOVENS
O que está por trás da alta das internações de jovens com covid
BRASIL EM PÂNICO
Brasil tem novo recorde de mortes por covid em 24 horas: 1.910
100 TRÉGUA
Brasil registra 1.726 mortes em 24 horas e bate novo recorde na pandemia; total chega a 257,5 mil
EXECUÇÃO NA MADRUGADA
Dona de bar é degolada e corpo encontrado nos fundos do estabelecimento