Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
quinta, 4 de junho de 2020
SADER_FULL
Busca
ÁGUAS DE BONITO
Brasil

‘Deus não é homem, nem mulher’, diz Bento XVI

13 Abr 2007 - 17h22

"Deus não é mãe, na Bíblia mãe é uma imagem, mas não um título de Deus", afirma o Papa Bento XVI em seu livro "Jesus de Nazaré", apresentado nesta sexta-feira (13) no Vaticano e com o qual convida o leitor a descobrir o chamado Jesus real, que ele diz não ser um mito.


Bento XVI faz essa afirmação em um dos capítulos de seu primeiro livro como Papa, no qual assinala que a comparação do amor de Deus com o amor de uma mãe existe, mas adverte que nem no Antigo nem no Novo Testamento Deus "jamais é invocado ou qualificado como mãe".

 

"Mãe na Bíblia é uma imagem, mas não um título de Deus", especifica o Pontífice, acrescentando que "Deus não é nem homem, nem mulher, é Deus, criador do homem e da mulher.


O Papa teólogo acrescenta que os cristãos rezam como Jesus ensinou, tendo como base a Sagrada Escritura (o Pai Nosso).


Com esta apreciação, o Sumo Pontífice corrige seu antecessor João Paulo I, que em 10 de setembro de 1978 durante a oração do Angelus disse que Deus era "pai e mãe".


"Deus é pai, mais ainda, é mãe. Os filhos se por acaso estão doentes têm uma condição a mais para serem amados pela mãe e se nós estamos doentes de maldade, fora do caminho, temos um motivo a mais para sermos amados pelo Senhor", disse naquela ocasião Albino Luciani, verdadeiro nome de João Paulo I.


O livro foi apresentado pelo cardeal arcebispo de Viena, Christoph Schönborn - ressaltando que Ratzinger não fala nele como Papa, mas como um simples cristão, e que o texto não é um escrito contra a exegese moderna -; pelo teólogo (protestante) Daniele Garrone e o filósofo progressista e prefeito de Veneza (Itália), Massimo Cacciari.


Garrone disse que Ratzinger quis fazer com o livro uma apologia da fé cristã, mas que existem dificuldades para "reconstruir o Jesus histórico", afirmando que elas surgem porque a vida de Jesus foi a de um homem "à margem" de seu tempo e que chegou até nós através do "fraco" testemunho de homens e mulheres daqueles anos.


O filósofo Cacciari disse que o livro ressalta o radicalismo da mensagem cristã e ressaltou que o Papa cita a frase de Nietzsche - também citado em sua encíclica Deus é amor - na qual o filósofo falava de Jesus "como o melhor homem que jamais existiu".


O livro - no qual Joseph Ratzinger afirma que Cristo é uma realidade, que não é um mito, mas um homem de carne e osso que morreu e ressuscitou - será lançado no próximo dia 16 com uma primeira tiragem na Itália de 350 mil exemplares.


Na Alemanha serão 250 mil, segundo informou a editora Rizzoli, encarregada pela Biblioteca do Vaticano da venda dos direitos autorais no mundo todo.
A obra será lançada em italiano, alemão e polonês, e mais tarde em outros 22 idiomas, entre eles português e espanhol.

 

G1

Deixe seu Comentário

Leia Também

VÍDEO - CAPIVARA BOA DE MERGULHO
Capivara boa de mergulho é flagrada em rio de MS, assista
CASO DE POLÍCIA
Patroa é presa sob suspeita de homicídio culposo após filho de empregada cair do 9º andar
LUTA PELA VIDA
Cantora gospel que morreu por coronavírus, fez vaquinha para pagar tratamento
ELEIÇÕES 2020
Vai ter eleição, TSE autoriza convenções partidárias virtuais para eleição deste ano
BOA NOTICIA
Auxílio emergencial deve ser estendido em mais duas parcelas de R$ 300
TRAGEDIA
Empregada vai passear com cachorro, deixa filho com patroa e menino morre ao cair de prédio
FUTEBOL
Clubes de futebol brasileiros se unem contra homofobia
ASSUSTADOR E REAL NO BRASIL
Com uma morte por minuto, Brasil registra 1.349 mortes por coronavírus nas últimas 24h, novo recorde
JULGAMENTO
TSE julga se cassa Bolsonaro e vice a partir de terça
AUXILIO DOENÇA
Como pedir concessão e prorrogação do auxílio-doença durante pandemia