Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
quinta, 21 de janeiro de 2021
Busca
Brasil

Depois de 2 meses em queda, produção industrial cresce 0,2%

3 Mar 2011 - 06h36Por Reuters

A produção industrial brasileira cresceu 0,2% em janeiro ante dezembro, segundo dados divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta quarta-feira. Nos dois meses anteriores, a indústria havia tido queda na produção, de 0,8% em dezembro e de 0,1% em novembro. Em relação a janeiro de 2010, a produção aumentou 2,5%, na 15ª alta consecutiva.




"Mesmo com o crescimento em janeiro, as perdas acumuladas não foram devolvidas e a leitura que se dá é que a indústria se encontra num ritmo moderado nos últimos meses", disse a jornalistas, o economista do IBGE, André Macedo. "A moderação da indústria é por conta das importações numa magnitude importante que acabam afetando o setor industrial."




Economistas esperavam queda de 0,4% no mês e alta de 1,5% ante 2010, segundo a mediana das projeções, com as previsões variando de queda de 1,5% a alta de 0,2% na comparação mensal e de queda de 0,1% a alta de 3% na anual.




O dado de dezembro ante novembro foi revisado de queda de 0,7% para declínio de 0,8%. Apesar do resultado superior ao esperado, a pesquisa continuou mostrando um desaquecimento gradual da produção, de acordo com o IBGE.




"O índice acumulado nos últimos doze meses prosseguiu apontando expansão, mas com clara redução no ritmo de crescimento nos últimos meses: 9,4% em janeiro, contra 10,4% em dezembro, 11,7% em novembro e 11,8% em outubro", afirmou o instituto em nota.




Para Newton Rosa, economista-chefe da SulAmerica Investimentos, "o dado não muda o quadro de economia crescendo em ritmo menor".



Bens duráveis crescem no mês
Entre os 27 setores, 15 tiveram expansão de dezembro a janeiro e 12 tiveram queda. Os setores que mais cresceram foram Material eletrônico e equipamentos de comunicações (+35,5 %), Metalurgia básica (+5,3 %) e Farmacêutica (+5,4%). Entre as quedas, os destaques foram Veículos automotores (-3,2%), Refino de petróleo e produção de álcool (-2,3%), Minerais não metálicos (-2,8%) e Bebidas (-2,4%).




Três das quatro categorias de uso avançaram na comparação mensal: Bens de consumo duráveis (+6,0%), Bens de capital (+1,8%) e Bens de consumo semi e não duráveis (+0,3%). Já a produção de Bens intermediários caiu 0,4%.




"Os bens de capital são uma sinalização importante para a expansão dos investimentos e da capacidade produtiva do país", disse Macedo.




Na comparação com janeiro do ano passado, 19 das 27 atividades tiveram crescimento, com maior contribuição do setor de Veicúlos automotores (+8,2%). A maior queda partiu do ramo Têxtil (-11,6%). Todas as categorias de uso subiram na comparação anual, com expansão mais elevada no segmento de Bens de capital (9,1%) e menos intensa entre Bens de consumo semi e não duráveis (0,8%).
 

Deixe seu Comentário

Leia Também

GANGUE DO TIJOLO
Menores entre 13 e 17 anos formam bando e fazem 'arrastão'; veja vídeo
LUZ DO DIA
Empresário é executado com três tiros dentro de carro
SELFIE DA MORTE
Professora tenta tirar selfie e morre afogada ao cair no mar
tratamento precoce prefeito curitiba 100 TRATAMENTO
"Estão no Cemitério", diz prefeito de Curitiba sobre pessoas que usaram tratamento precoce Covid-19
A CASA CAIU
Mulher invade casa e flagra namorado fazendo sexo com outra; veja vídeo
LINHA DE FRENTE
'Ele lutou até o final', diz irmã de médico de 28 anos, após quase um mês morreu de Covid-19
SEU BOLSO
Litro da gasolina sobe R$ 0,15 nas refinarias da Petrobras
ESTUPRO DE VULNERÁVEL
Na calada da noite, namorado da avó estupra criança de 12 anos e é espancado por vizinhos
CONCURSO PÚBLICO
Concurso da Aeronáutica somam com as 21 mil vagas em outros concursos que a semana oferece
DEU RUIM
Jovem é atingido por raio enquanto usava celular no banheiro