Menu
SADER_FULL
sexta, 23 de outubro de 2020
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
ZANZI
Brasil

Delegados de São Paulo “caçam” o servidor público “Betão”

8 Out 2004 - 14h39
 

Os policiais civis paulistas que estão em Campo Grande investigando os assassinatos de um empresário e de um geólogo cometidos, respectivamente, em Guarujá e em São Paulo, não têm previsão de retorno, segundo informou o delegado seccional de Santos, João Jorge Guerra Cortez, que comanda a equipe. De acordo com Guerra, os policiais estão ‘‘caçando’’ o servidor público Alberto Aparecido Rodrigues Nogueira, o “Betão”, que está com prisão decretada pela Justiça devido às suspeitas de envolvimento nos dois homicídios do empresário Antônio Ribeiro Filho e do geólogo húngaro Nicolau Ladislau Haraly.

Na Região Centro-Oeste, os policiais paulistas ainda tentam localizar e prender uma mulher, que também teria participado dos assassinatos. A suspeita reside na Capital sul-mato-grossense e esteve em Guarujá e em São Paulo por ocasião dos homicídios. Guerra não divulgou o seu nome. Mais três homens acusados de envolvimento nos crimes já estão presos. O agente policial da ativa Eduardo Minare Higa e o agente aposentado Ezaquiel Leite Furtado, ambos da Polícia Civil de Mato Grosso do Sul, foram capturados no Aeroporto de Congonhas, em 5 de agosto, horas após o empresário ser morto.

Os agentes estão recolhidos no Presídio da Polícia Civil de São Paulo, na Capital. O terceiro capturado é o policial militar Nélson Barbosa de Oliveira. Detido em 10 de setembro em Ponta Porã, ele foi encaminhado ao Comando Geral da PM daquele estado. O policial militar foi reconhecido por meio de foto como o autor dos tiros de pistola calibre 380 que mataram o geólogo. Os projéteis que atingiram essa vítima e o empresário foram disparados pela arma, segundo apurou o confronto balístico. Oliveira estava hospedado em Guarujá, quando Ribeiro foi morto.

Além de Guerra, estão em Campo Grande os delegados Rui Augusto Silva, de Guarujá, e Flávio Afonso da Costa, do DHPP (Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa), dois investigadores da Baixada Santista e vários do DHPP. Numerosa, a quadrilha envolvida nos homicídios está dividida em dois grupos. Um deles, praticamente desmantelado, é formado pelos executores. O outro, integrado pelos autores intelectuais e mandantes, só poderá ser atingido quando houver indícios suficientes que o vinculem à parte operária do bando. As informações são do jornal A Tribuna / Mídia Max.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Invasão em residência acaba morador morto por tiro acidental TRAGÉDIA NA FAMILIA
Homem mata o próprio irmão ao atirar em invasor de residência
GUERRA DA VACINA
Bolsonaro diz que não comprará vacina chinesa, mesmo se aprovada pela Anvisa
Motorista da carreta diz que ainda tentou desviar, mas não conseguiu DOENÇA DO SÉCULO
Menor pega carro escondido, joga contra carreta e morre na hora
BRASIL - 155.403 MORTES
Covid-19: Brasil tem 24.818 novos casos em 24 horas
AJUDA
Caixa Econômica paga auxílio emergencial para 5,2 milhões de beneficiários
CORONAVIRUS
Morre voluntário brasileiro que participava de testes da vacina de Oxford
MORTE SUBITA
Idoso morre em voo de Cuiabá para SP; avião faz pouso de emergência
BRASIL - 154.176 MORTES
Covid-19: Brasil tem mais 271 óbitos e 15.383 novos casos em 24h
TRAGÉDIA NA CIDADE
Acidente entre trem e e micro-ônibus deixa uma mulher morta e feridos
VEJA VIDEO
Índio precisa buscar socorro a cavalo após ataque de onça