Menu
SADER_FULL
terça, 18 de maio de 2021
Busca
FRENTE A FRENTE

Debate é encerrado com desvios do FAT e pedidos de voto

29 Set 2010 - 06h45Por Campo Grande News

O quarto e último bloco do debate entre os candidatos ao governo do Estado, exibido pela TV Morena, foi permeado por assuntos como o escândalo do FAT (Fundo de Amparo ao Trabalhador), ocorrido na gestão de Zeca do PT, e proposta para a municipalização das ações.

Também foi neste bloco que Zeca, André Puccinelli (PMDB) e Nei Braga (PSOL) fizeram suas considerações finais e pediram votos aos telespectadores.

André abriu o bloco questionando Zeca sobre o suposto desvio milionário de recursos do FAT, por meio de notas frias, para financiamento de campanhas do partido.

O petista se justificou afirmando que não interferiu no andamento dos processos e que não se “escudou” em seu mandato e nem se escondeu atrás da Assembleia Legislativa.

“Não estou arrolado em nenhum processo e se algum funcionário do meu governo fez algo errado, terá de pagar”, garantiu o ex-governador petista, que esteve à frente da administração de Mato Grosso do Sul por oito anos consecutivos.

No fim de sua justificativa, Zeca desviou o assunto e sugeriu a André Puccinelli que autorize a Assembleia Legislativa a dar prosseguimento em processo para investigar suposto enriquecimento ilícito.

Na réplica, o governador disse que Zeca é quem deveria provar que não enriqueceu ilicitamente, já que seu patrimônio cresceu 16 vezes desde que assumiu o governo do Estado em 1998.

Também questionou seu adversário sobre a falta de informação a respeito do que seus assessores diretos e secretários faziam com as verbas do FAT. “Como ele não sabia se isso foi um escândalo nacional? Então ele não cuidava de seu governo? Com isso, o Estado perdeu R$ 30 milhões para a requalificação profissional”, disparou Puccinelli.

Zeca afirmou que a maioria dos processos relacionados a esta questão está sendo arquivada por falta de provas.
O petista prosseguiu com o debate questionando o candidato do PSOL, Nei Braga, sobre suas propostas para a municipalização do governo.

“É fazer o que fizemos ou contratar ex-prefeitos a R$ 10 mil por mês para a Casa Civil”, questionou.

Nei Braga disse que, apesar de não tem formado um conceito sobre o municipalismo, sabe que qualquer ação só faz sentido se for revertida em benefícios para o cidadão.

Em resposta, Zeca afirmou que pretende investir na interiorização dos investimentos caso seja eleito, fazendo parceria com os prefeitos e convênios nas áreas de saúde, cultura, educação e segurança pública.

Nei Braga prosseguiu repudiando a “relação promíscua” de dependência das cidades em relação ao governo do Estado. “O que não pode é essa chantagem política para liberação de verbas”, criticou.

O debate prosseguiu com Nei Braga, do PSOL, retomando o assunto dos vídeos divulgados no Youtube e a revelação de indícios de corrupção. Ele perguntou se será solicitada também a quebra do sigilo bancário e fiscal de assessores diretos do governador.

Puccinelli respondeu que toda a sua família já teve contas vasculhadas, assim como alguns secretários e assessores, e que já foi provada sua idoneidade em 39 das 40 ações judiciais propostas contra ele pelo PT.

Nei Braga disse que é o único candidato sem processos na Justiça. Puccinelli continuou sua justificativa afirmando que mora há 17 anos no mesmo apartamento, dirige seus próprios carros e que está à disposição dos órgãos competentes para qualquer tipo de averiguação.

Considerações finais - Cada candidato teve três minutos para suas considerações finais. Nei Braga disse que não vai usar recursos do Estado para enriquecimento próprio caso seja eleito. Também enfatizou que seu partido, o PSOL, simboliza a renovação, “uma proposta de governo sério e de respeito”.

André Puccinelli disse que procurou fazer uma campanha propositiva, e citou alguns itens de seu plano de governo, como a criação do curso de medicina em um campus da UEMS em Campo Grande, integração das polícias, e construção de 50 mil novas residências populares.

Zeca do PT finalizou o debate afirmando que realizou uma campanha “olho no olho”, andando por vilas e assentamentos e apresentando propostas para a saúde, educação e crescimento econômico e social. Também aconselhou a população a não vender seu voto e nem ceder a chantagens eleitoreiras.

Deixe seu Comentário

Leia Também

TRAGÉDIA NO HARAS
Vaqueiro morre ao ser arrastado por boi durante vaquejada, em Paranatama; veja vídeo
Foto: Divulgação/Instagram LUTO NA MÚSICA
MC Kevin morre aos 23 anos no Rio de Janeiro
SONHO INTERROMPIDO
Agente educacional morta em ataque a creche em Saudades queria fazer intercâmbio no Canadá
PESQUISA PRESIDENCIAL
Datafolha mostra Lula disparado na corrida eleitoral
NOVA INFECÇÃO
Covid-19: após 3 semanas de queda, casos de coronavírus avançam no Brasil puxados por 9 Estados
TRISTEZA NA FAMILIA
Seis pessoas da mesma familia morrem vítimas da Covid-19
NOVAS REGRAS
WhatsApp: o que acontece se você não aceitar novas regras do aplicativo até 15 de maio
FAMOSIDADES
Pai da campeã do 'BBB 21' Juliette vive em casinha de barro na Paraíba
CACHAÇA
Jovem enfia garrafa no ânus durante bebedeira e vai parar no hospital
ESCALADA DA VIOLÊNCIA
Operação mais letal da história deixa 25 mortos no Jacarezinho