Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
terça, 26 de outubro de 2021
Busca
Brasil

Dados de Lula e Alckmin não batem com a realidade

10 Out 2006 - 08h30
Os dois candidatos à Presidência da República escorregaram nos números e falsearam algumas comparações no primeiro debate do segundo turno, realizado domingo pela Rede Bandeirantes. Em boa parte das vezes, a omissão é o subterfúgio usado para ressaltar o que favorece o candidato e esconder o que lhe prejudica.

O petista Luiz Inácio Lula da Silva chegou a desafiar o tucano Geraldo Alckmin a comparar os investimentos em saneamento realizados nos oito anos do governo FHC (1995-2002) com os quase quatro anos de administração petista. "Nenhum governo investiu tanto em saneamento básico como o nosso. Foram R$ 10 bilhões nesses quatro anos. São 14 vezes mais dinheiro disponibilizado”, disse Lula.

Na realidade, o governo anterior destinou - pelo mesmo critério - R$ 13,5 bilhões para a área de saneamento, de acordo com estudo oficial divulgado pelo próprio Ministério das Cidades e pela Secretaria do Tesouro Nacional, em dezembro de 2004, já na gestão petista.

Além disso, tanto os R$ 10 bilhões do governo Lula quanto os R$ 13,5 bilhões de FHC não correspondem ao efetivo desembolso de recursos para as obras de saneamento. Representam o valor inicialmente disponibilizado, entre recursos do Orçamento e empréstimos do FGTS e do BNDES.

Mesmo contando esses financiamentos, de acordo com o Ministério das Cidades, o governo do PT aplicou efetivamente apenas R$ 3,4 bilhões até março deste ano - um terço do valor que aparece na propaganda oficial. Em apenas dois anos, entre 2001 e 2002, o governo FHC gastou igual quantia, quase integralmente por meio de recursos orçamentários.

Ao citar o Bolsa-Família, o presidente Lula acertou no número oficial - 11,1 milhões de famílias atendidas hoje -, mas omitiu que seu governo não partiu do zero nessa área. O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso terminou seu segundo mandato com os programas que deram origem à iniciativa petista atendendo pouco menos de 6 milhões de famílias - mais precisamente 5.010.331 famílias no Bolsa-Escola e 966.553 no Bolsa-Alimentação.

Ao mostrar números sobre energia, Lula também derrapou. Desde o início do seu governo, foram acrescentados ao sistema elétrico nacional 12.509 megawatts, número inferior aos 13 mil MW que o presidente mencionou no debate. É um arredondamento nada insignificante. A diferença entre o número real, calculado pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), e o dado citado por Lula, 500 MW, equivale a uma usina hidrelétrica de médio porte, como a de Cana Brava, no Rio Tocantins, que tem 456 MW de potência.

Outra obra na área de infra-estrutura citada por Lula no debate, a ferrovia Transnordestina, teve suas obras só iniciadas em junho deste ano. A previsão do governo é de que todas as obras estarão prontas em cerca de quatro anos. A ferrovia, de 1.800 quilômetros, ligará Eliseu Martins, no Piauí, aos portos de Pecém (CE) e Suape (PE).

Os candidatos também se equivocaram ao irem para o ataque. O tucano Alckmin, por sua vez, exagerou ao dizer que seu oponente tinha gasto mais em publicidade do que em saneamento. Restringindo-se às verbas orçamentárias, Lula já gastou R$ 413,5 milhões em publicidade e R$ 2,23 bilhões em saneamento.

O candidato do PSDB também errou ao dizer que Lula gastava R$ 8 bilhões por ano com o pagamento de 20 mil cargos de confiança. As gratificações pagas aos 19.925 cargos de Direção e Assessoramento Superior (DAS) da administração federal custaram, no ano passado, R$ 685,4 milhões, de acordo com o Boletim Estatístico de Pessoal do Ministério do Planejamento. O ex-governador paulista também atacou o adversário por gastar R$ 700 milhões por ano com viagens e diárias, mas omitiu o fato de que o governo FHC gastava valor parecido. Foram R$ 2,35 bilhões de gastos no triênio 2003-2005, contra R$ 2,53 bilhões de 2000 a 2002.

Alckmin também disse que economizou R$ 4 bilhões em três anos, mas os dados de execução orçamentária do Estado de São Paulo mostram que as despesas de custeio aumentaram de R$ 10,6 bilhões em 2002 para R$ 13,7 bilhões em 2005, já descontado o efeito da inflação.

O tucano reprovou a atitude de Lula de comprar um avião no exterior e “de luxo” para seus deslocamentos. Ele anunciou que pretende vender o Aerolula, se for eleito, como fez no governo do Estado. Segundo Alckmin, ele repassou os dois helicópteros que o governador tinha para a Polícia Militar - o que a Secretaria da Segurança Pública confirma.

Alckmin omitiu, no entanto, que os helicópteros são usados nos deslocamentos do governador sempre que necessário - ocasiões em que deixam de ser usado no combate ao crime.

 

 

Estadão

Leia Também

LIÇÕES DA BÍBLIA
Amem o estrangeiro
LIÇÕES DA BÍBLIA
Circuncidem seu coração
OLIMPÍADA 2024
Atletas de MS terão bolsas de até R$ 7 mil para competir nos jogos olímpicos
LIÇÕES DA BÍBLIA
Estudo adicional
VOLTOU A SUBIR
Covid-19: Brasil registra 15.609 casos e 373 mortes em 24 horas
ESTAVA DESAPARECIDO
Corpo de pescador é encontrado dentro de jacaré
LIÇÕES DA BÍBLIA
O principal mandamento
BAIXARAM A GUARDA
Covid-19: Brasil registra 390 mortes e 12,9 mil casos em 24 horas
LIÇÕES DA BÍBLIA
Se me amam, guardarão os Meus mandamentos
OPORTUNIDADE DE EMPREGO
Funtrab está com 655 vagas para indígenas interessados em trabalhar em lavouras de maçã em SC e RS