Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
domingo, 7 de março de 2021
SADER_FULL
Busca
Brasil

CUT, Fetagri e MST se unem para indicar nome do novo superintendente do INCRA/MS

21 Fev 2011 - 13h50

A CUT, Fetagri e o MST resolveram somar forças para tentar influenciar nos destinos do INCRA em Mato Grosso do Sul e indicar o nome de Celso Cestari, funcionário de carreira do órgão, para ocupar a superintendência do instituto. Cestari já ocupou essa função há alguns anos e sua gestão teria sido marcada pela seriedade e competência para dirigir o órgão.

As três entidades de classe elaboraram uma “Carta dos Movimentos Sociais do Estado de Mato Grosso do Sul – MST, CUT e Fetagri/MS”, onde manifestam preocupação com os destinos políticos do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária no Estado. Nesse documento, que será encaminhado nesta segunda-feira (21) à presidente Dilma Roussef e aos senadores e deputados federais da bancada de Mato Grosso do Sul. Nesse documento, as três entidades relatam ainda que Cestari reúne todos os requisitos necessários para administrar o órgão federal no Estado.

O documento é assinado por Geraldo Teixeira de Almeida, presidente da Fetagri/MS; Francisco Militão, vice-presidente da Central Única dos Trabalhadores – CUT e Jonas Carlos da Conceição, coordenador estadual do MST/MS.

Eles firmam na carta que em outra oportunidade, os movimentos sociais se mainfestaram para a não retirada do então superintendente do INCRA/MS, Luiz Carlos Bonelli, chegando até a falar com o então presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, que disse em reunião, que o PT de MS não priorizou o Instituto e sim o DNIT. “Nós estávamos certos, porque o instituto no Estado não correspondeu às ansiedades dos assentados, acampados e dos trabalhadores rurais”, afirmam as entidades no documento.

“Com as denúncias de corrupção dentro do instituto, os maiores prejudicados são as famílias de trabalhadores rurais acampados e assentados”, afirma Geraldo Teixeira de Almeida, presidente da Fetagri/MS.

COMPROMISSO – Geraldo Teixeira informou que na correspondência às autoridades, as entidades do movimento social pedem que o novo superintendente do INCRA em Mato Grosso do Sul assuma os seguintes compromissos com as famílias de assentados e acampados do Estado:

- Moralização do INCRA no combate à corrupção;

- Dar prosseguimento e celeridade aos processos de reforma agrária;

- Liberar créditos, vistoriar as áreas, agilizar os processos de habitação rural, recuperar estradas internas dos assentamentos, agilizar os processos de Luz para Todos , implantar rede de abastecimento de água e melhorar as existentes, atender a demnda nos assentamentos no tocante a assistência técnica, efetuar pagamentos das áreas, cujos processos de aquisição/ desapropriação já estão em Brasília.

- Trabalhar em parceria com os movimentos sociais;

- Reestruturação das unidades avançadas do quadro funcional e da Procuradoria do INCRA/MS. 

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

100 UTI = OBITO
Ministério da Saúde prevê 3 mil mortes por dia por covid-19 nas próximas duas semanas
TRISTEZA NA FAMILIA
'Não tem UTI,amo vcs':a história por trás do tuíte viral que revela mensagens de mãe morta por covid
DISPARO ACIDENTAL
Assessor em fazenda do cantor Leonardo morre vitima de tiro acidental
VIOLENCIA DOMESTICA
Vítima de violência doméstica escreve bilhete com pedido SOS em agência bancária: 'Ele tá ai fora'
ALERTA AO CPF
Confira se o seu CPF foi usado de maneira IRREGULAR por desconhecidos
VAMOS PREVENIR
Igreja Adventista vota documento com orientações sobre cultos e reuniões
ALERTA AOS JOVENS
O que está por trás da alta das internações de jovens com covid
BRASIL EM PÂNICO
Brasil tem novo recorde de mortes por covid em 24 horas: 1.910
100 TRÉGUA
Brasil registra 1.726 mortes em 24 horas e bate novo recorde na pandemia; total chega a 257,5 mil
EXECUÇÃO NA MADRUGADA
Dona de bar é degolada e corpo encontrado nos fundos do estabelecimento