Menu
SADER_FULL
domingo, 9 de maio de 2021
Busca
Brasil

Crianças brasileiras consomem pouca vitamina A, segundo estudos

15 Set 2010 - 08h04Por Saúde em Movimento/Notisa

A pré-escolaridade é uma fase de várias mudanças no padrão alimentar das crianças. Por passarem grande parte de seus dias em creches, elas ficam expostas a uma ampla variedade de alimentos.

É o que explica Alessandra da Silva Pereira em sua dissertação de mestrado "Efeitos de ações em nutrição em uma creche pública sobre o estado nutricional de pré-escolares", defendida em dezembro de 2009 no Instituto de Nutrição da Universidade do Estado do Rio de Janeiro.

"Hábitos alimentares errôneos nessa faixa etária podem conduzir a problemas nutricionais em curto prazo, tais como comprometimento do crescimento e do desenvolvimento na infância, bem como facilitar o aparecimento de doenças não transmissíveis na fase adulta, tais como: hipertensão arterial sistêmica, diabetes mellitus tipo II, câncer, entre outras", explica a autora.

Em sua pesquisa, Alessandra diz que apesar do esforço do Ministério da Saúde em estabelecer programas para a erradicação de deficiências nutricionais, como, por exemplo, o programa de combate à deficiência de vitamina A e ferro em crianças menores de cinco anos, o Brasil ainda vive situação de risco quanto à deficiência dessa vitamina, principalmente no Nordeste e em bolsões de pobreza na região Sudeste.

Ela também diz que a prevalência de anemia ferropriva nessa faixa etária ainda é muito grande.

"A má nutrição é resultante do déficit ou excesso de energia e nutrientes. Por déficit alimentar manisfestam-se a desnutrição energético-protéica e as carências vitamínicas e minerais - especialmente hipovitaminose A, o bócio endêmico e a anemia ferropriva.

Por excesso alimentar, as dislipidemias, a obesidade e o diabetes mellitus tipo II", explica.

No estudo, a autora analisou os hábitos alimentares de 51 crianças (de 2 a 4 anos) e constatou que elas ingeriam pouca energia, carboidratos, proteínas, vitaminas C e A, além de ferro. E que havia um alto consumo de cálcio - através do consumo de leite várias vezes ao dia.

Para superar esses problemas, Alessandra defende na pesquisa o monitoramento da alimentação das crianças no ambiente educacional.

Atitude que deve ser tomada em conjunto com um programa de educação nutricional que, segundo ela, deve contar com a participação tanto de profissionais de educação, quanto de profissionais de saúde.

Deixe seu Comentário

Leia Também

ESCALADA DA VIOLÊNCIA
Operação mais letal da história deixa 25 mortos no Jacarezinho
VITIMA DO MASSACRE
'Fiquei vendo costurarem os ferimentos. Chorava, orava e agradecia por ele estar vivo, diz mãe
FRIO - FÁTIMA DO SUL NOVA ONDA DE FRIO
Frio de origem polar começa a ser sentido novamente e terá geada
TERROR NA CRECHE
Sob forte emoção moradores de Saudades realizam velório coletivo das vítimas do ataque à creche
CHEGANDO FORTE
Frio chega com força e provoca geada no Sul
TERROR EM CRECHE
Jovem invade escola e mata três crianças e duas funcionárias
PÉSSIMA PROJEÇÃO
Covid-19: Brasil deve alcançar 575 mil mortes em 1º de agosto, diz instituto
SONHO INTERROMPIDO
Jovem perde noivo para a Covid-19 no dia do casamento: 'Nossos sonhos ficaram para trás'
PANDEMIA CORONAVIRUS
Triste número: Brasil ultrapassa 400 mil mortes por Covid-19
REVOLTA
Pastor zomba da fé dos indígenas Trukás que revoltados quebram templo em construção; veja o vídeo