Menu
SADER_FULL
quarta, 12 de maio de 2021
Busca
Brasil

CPI da Pirataria devassa esquema de empresário de Ponta Porã

23 Ago 2004 - 10h23
 

Um verdadeiro esquema criminoso em torno do empresário ponta-poranense Jamil Fouad é o que acusa o relatório da CPI da Pirataria, do Congresso Nacional. Em diligências por diversos Estados, a comissão, presidida pelo deputado federal Medeiros (PL/SP), coloca o Mato Grosso do Sul como a principal rota para a entrada de produtos contrabandeados e falsificados provenientes do Paraguai, principalmente cigarros, e observa ainda indícios de favorecimento ao crime por parte das autoridades, num escuso jogo de influências.

O documento conta que Jamil Fouad também é conhecido pelo nome de Fahd Yamil Georges e já é investigado por suspeita de envolvimento com o crime organizado na região de Ponta Porã. Ele exerce forte influência em Salto del Guayra e Pedro Juan Caballero, importantes pontos de contrabando no Paraguai, das mais variadas mercadorias.

Além de Fouad, os congressistas nomeiam outros que teriam ligação com ele e suas possíveis atividades criminosas. Pablo Prieto é um deles, que, embora seja originário de Pedro Juan Caballero, tornou-se um importante distribuidor em Ciudad del Este, na fronteira com o Paraná, realizando operações semelhantes a Diego Nara, o mais importante do ramo naquela região. Pablo é sobrinho de “Tulu” Georges e Ramon Marecos, outros envolvidos com crimes de contrabando em outras regiões.

Diego Nara, segundo a CPI, vende a maioria das marcas ilegais e atende a clientes de pequeno e médio porte de São Paulo e é ligado ao esquema de Jamil Fouad, em Pedro Juan Caballero e Ponta Porã. Diego age em sociedade com seu irmão Bonifacio Nara. O esquema de Fouad estaria no centro da principal rota de produtos falsificados para o Brasil, conforme o apurado pela comissão.

E aponta ainda que “as exportações de fronteira não sofrem fiscalização”. O mapa esboçado através de dados da ABCF (Associação Brasileira de Combate à Falsificação) desenha rotas aproveitando os 600 quilômetros de fronteira seca partindo de Ponta Porã e Pedro Juan Caballero partindo rumo a Campo Grande especialmente e interligando-se com outros descaminhos rumo a Mundo Novo, ainda em Mato Grosso do Sul, e se estendendo para Foz do Iguaçu e Guaíra no Paraná, além de outras cidades paraguaias.

Por estes pontos passam as mais diversas modalidades de contrabando e descaminho por meio de ônibus de turismo que fazem o transporte das mercadorias em caixas e em veículos sem bancos. Vem especialmente daí o abastecimento de mercadorias ilegais como armas, drogas e cigarros porque, além do sucateamento dos postos da Receita e da Polícia Federal, há a corrupção das áreas de fronteira, denuncia o relatório dos congressistas. E pedem ainda uma investigação mais aprofundada por parte do MPF (Ministério Público Federal).

 

 

 

 

Mídia Max

Deixe seu Comentário

Leia Também

TRISTEZA NA FAMILIA
Seis pessoas da mesma familia morrem vítimas da Covid-19
NOVAS REGRAS
WhatsApp: o que acontece se você não aceitar novas regras do aplicativo até 15 de maio
FAMOSIDADES
Pai da campeã do 'BBB 21' Juliette vive em casinha de barro na Paraíba
CACHAÇA
Jovem enfia garrafa no ânus durante bebedeira e vai parar no hospital
ESCALADA DA VIOLÊNCIA
Operação mais letal da história deixa 25 mortos no Jacarezinho
VITIMA DO MASSACRE
'Fiquei vendo costurarem os ferimentos. Chorava, orava e agradecia por ele estar vivo, diz mãe
FRIO - FÁTIMA DO SUL NOVA ONDA DE FRIO
Frio de origem polar começa a ser sentido novamente e terá geada
TERROR NA CRECHE
Sob forte emoção moradores de Saudades realizam velório coletivo das vítimas do ataque à creche
CHEGANDO FORTE
Frio chega com força e provoca geada no Sul
TERROR EM CRECHE
Jovem invade escola e mata três crianças e duas funcionárias