Menu
SADER_FULL
quinta, 9 de julho de 2020
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
ÁGUAS DE BONITO
Brasil

CPI da Pirataria devassa esquema de empresário de Ponta Porã

23 Ago 2004 - 10h23
 

Um verdadeiro esquema criminoso em torno do empresário ponta-poranense Jamil Fouad é o que acusa o relatório da CPI da Pirataria, do Congresso Nacional. Em diligências por diversos Estados, a comissão, presidida pelo deputado federal Medeiros (PL/SP), coloca o Mato Grosso do Sul como a principal rota para a entrada de produtos contrabandeados e falsificados provenientes do Paraguai, principalmente cigarros, e observa ainda indícios de favorecimento ao crime por parte das autoridades, num escuso jogo de influências.

O documento conta que Jamil Fouad também é conhecido pelo nome de Fahd Yamil Georges e já é investigado por suspeita de envolvimento com o crime organizado na região de Ponta Porã. Ele exerce forte influência em Salto del Guayra e Pedro Juan Caballero, importantes pontos de contrabando no Paraguai, das mais variadas mercadorias.

Além de Fouad, os congressistas nomeiam outros que teriam ligação com ele e suas possíveis atividades criminosas. Pablo Prieto é um deles, que, embora seja originário de Pedro Juan Caballero, tornou-se um importante distribuidor em Ciudad del Este, na fronteira com o Paraná, realizando operações semelhantes a Diego Nara, o mais importante do ramo naquela região. Pablo é sobrinho de “Tulu” Georges e Ramon Marecos, outros envolvidos com crimes de contrabando em outras regiões.

Diego Nara, segundo a CPI, vende a maioria das marcas ilegais e atende a clientes de pequeno e médio porte de São Paulo e é ligado ao esquema de Jamil Fouad, em Pedro Juan Caballero e Ponta Porã. Diego age em sociedade com seu irmão Bonifacio Nara. O esquema de Fouad estaria no centro da principal rota de produtos falsificados para o Brasil, conforme o apurado pela comissão.

E aponta ainda que “as exportações de fronteira não sofrem fiscalização”. O mapa esboçado através de dados da ABCF (Associação Brasileira de Combate à Falsificação) desenha rotas aproveitando os 600 quilômetros de fronteira seca partindo de Ponta Porã e Pedro Juan Caballero partindo rumo a Campo Grande especialmente e interligando-se com outros descaminhos rumo a Mundo Novo, ainda em Mato Grosso do Sul, e se estendendo para Foz do Iguaçu e Guaíra no Paraná, além de outras cidades paraguaias.

Por estes pontos passam as mais diversas modalidades de contrabando e descaminho por meio de ônibus de turismo que fazem o transporte das mercadorias em caixas e em veículos sem bancos. Vem especialmente daí o abastecimento de mercadorias ilegais como armas, drogas e cigarros porque, além do sucateamento dos postos da Receita e da Polícia Federal, há a corrupção das áreas de fronteira, denuncia o relatório dos congressistas. E pedem ainda uma investigação mais aprofundada por parte do MPF (Ministério Público Federal).

 

 

 

 

Mídia Max

Deixe seu Comentário

Leia Também

SUSPEITOS COVID-19
Veja autoridades que se reuniram com Bolsonaro nos últimos dias, de acordo com a agenda oficial
ABSURDO
Indígena com Covid-19 sofre aborto espontâneo e recebe feto em garrafa de soro
VITIMA DA COVID 19
Após ficar 3 dias a espera de UTI Cacique xavante líder das causas indígenas morre com Covid-19
AUXILIO EMERGENCIAL
Caixa libera saques e transferências dos aprovados no terceiro lote nascidos em fevereiro
URGENTE - PRESIDENTE COM COVID-19
URGENTE: Bolsonaro testa positivo para coronavírus
PRESIDENTE NA LINHA
Bolsonaro está com sintomas de covid-19 e aguarda resultado de exame
CICLONE BOMBA
Efeitos do Ciclone: mais de 12 mil residências ainda estão sem energia elétrica
LIVE
Mulher de Porchat não foi a única: veja outros casos de nudez em lives
ECONOMIA
Nova gasolina a partir de agosto; combustível será mais caro, mas deixará veículos mais econômicos
SOS EDUCAÇÃO
Sem computador e sem dinheiro, alunos de baixa renda desistem do Enem