Menu
SADER_FULL
sexta, 18 de junho de 2021
Busca
Brasil

Copa na África do Sul é oportunidade para combater o racismo

22 Mar 2010 - 17h35Por Agência Brasil

A Copa do Mundo que será realizada na África do Sul, em junho, é a oportunidade para que os países se unam no combate à discriminação racial, tendo como palco o local onde havia um regime de segregação, diz a alta comissária dos Direitos Humanos da Organização das Nações Unidas, Navi Pillay. Para Pillay, é fundamental que os dirigentes esportivos aproveitem a realização dos jogos para defender o fim das diferenças raciais e das agressões.

Segundo a alta comissária, o papel do esporte é essencial no que ela chama de “luta” contra o racismo. “O papel do desporto na mudança de atitudes em relação ao racismo é potencialmente imenso especialmente em esportes como o futebol, que atraem grande e apaixonado público”, disse Pillay, nas comemorações do Dia Internacional de Eliminação da Discriminação Racial, realizadas ontem (21).

De acordo com a alta comissária, o fato de a Copa ser realizada na África do Sul deve servir como exemplo pela história do país que viveu o regime de apartheid, que durou 42 anos, instituindo direitos e obrigações distintos para brancos e negros. “O simbolismo da Copa do Mundo de 2010 que se realiza pela primeira vez em um estado africano e especialmente em um país que foi durante muitos anos sinônimo de racismo institucionalizado é importante”, disse Pillay.

Em seguida, Pillay acrescentou que o “racismo no esporte continua a ser um problema em muitos países e muitas modalidades [esportivas]. Eu apelo aos administradores esportivos em todos os lugares a seguir o exemplo de duas das autoridades do mundo de futebol, como a Fifa [Federação Internacional de Futebol] na elaboração de campanhas sérias para erradicar o racismo”.

A alta comissária da ONU lamentou que, apesar dos esforços, nos últimos anos, há registros de vários episódios de discriminação racial em estádios de futebol. “Nos últimos anos tem ocorrido uma série de incidentes vergonhosos nos estádios de futebol, quando os fãs de uma equipe de futebol agridem adversários utilizando o racismo”, disse ela.

Porém, Pillay ressaltou que é necessário observar que o futebol tem promovido também a integração entre povos e o fim da discriminação. “Apesar dos problemas que ainda existem. É  preciso reconhecer que o esporte tem, em vários países, atuado na luta contra o racismo e produzido resultados significativos com o apoio de organização não governamentais e participação ativa de um número de jogadores influentes”, afirmou.

Deixe seu Comentário

Leia Também

LUTO NA MÚSICA
Cantora gospel que defendia tratamento precoce morre de Covid-19 após ter os pulmões comprometidos
VIDEO
Cliente carrega mangueira sem perceber e bomba pega fogo em posto de combustível de Foz do Iguaçu
AÇÕES DO GOVERNO MS
Reinaldo Azambuja propõe projeto com Itaipu para combater assoreamento nos rios Iguatemi e Amambai
COPA X VIRUS
'Desse jeito, o vírus vai levantar a taça', diz deputado após 52 infectados na Copa América
FAMOSIDADES
Apresentador mostra fotos de viagens românticas com filha de Faustão e se declara
SEIS DIAS DE TERROR
Homem mata uma família e aterroriza moradores em seis dias de fuga deixando rastros de crimes
TRISTEZA E COMOÇÃO
Jovem engenheiro morre em acidente com moto e comove cidade
MUI AMIGO
Homem obriga mulher de amigo a fazer sexo oral e leva surra em delegacia
DOENÇA DO SÉCULO
Homem de 33 anos deixa carta de despedida e tenta pular de ponte
ABSURDO
Família registra boletim de ocorrência após vitima de covid ser sepultado em cemitério errado