Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
quarta, 27 de janeiro de 2021
Busca
Brasil

Contaminação atinge 70% do leite produzido em três cidades de São Paulo

3 Mar 2011 - 17h15Por R7

Pesquisadores da USP (Universidade de São Paulo) de Piracicaba avaliaram a qualidade do leite cru produzido por três laticínios dos municípios de Brotas, Pirassununga e Piracicaba, no interior do Estado, e descobriram que 70% do leite estava com elevada contaminação por coliformes fecais e totais. As informações são da Agência USP de Notícias.

Os índices de coliformes fecais funcionam como indicadores da contaminação por fezes de animais ou do homem, de acordo com o orientador do estudo, o professor Ernani Porto, da Esalq (Escola de Agricultura Luiz de Queiroz).

- Os coliformes significam uma poluição fecal, com potencial risco de doenças que atacam o sistema digestivo do consumidor.

Segundo o estudo, o primeiro laticínio apresentava 86% de sua produção com uma quantidade de coliformes acima do aceitável. A segunda tinha 75% e a terceira contava com 72% acima.

Além da análise do leite cru, também foram avaliadas as condições de higiene de 75 fazendas que abastecem os três laticínios. Os resultados mostraram que 77,3% das propriedades apresentavam condições insatisfatórias de produção de leite, higienização de equipamentos e infraestrutura.

Ambiente de ordenha

De acordo com normas do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, o leite deve ser refrigerado a 4°C com o objetivo de impedir o desenvolvimento de microorganismos. Mas isso deve estar acompanhado pela higiene na ordenha, limpeza adequada dos equipamentos e mão de obra qualificada.

Para Tarsila Mendes de Camargo, pesquisadora que coordenou o estudo, muitos fazendeiros conhecem as regulamentações do Ministério da Agricultura, porém não são cuidadosos na sua aplicação.

- Muitos fazendeiros lavam o úbere [que secreta o leite] da vaca, mas, ou eles não secam ou fazem isso com panos sujos, ao invés de toalhas descartáveis. Muitos utilizam a ordenha mecânica e, depois, não a higienizam corretamente. Com isso, a higiene do local e do produto fica comprometida.

Segundo a pesquisadora, “é no estábulo de ordenha que o leite recebe as maiores contaminações”.

O estudo também indicou que algumas fazendas seguem as práticas do ministério e produzem um leite cru de alta qualidade. No entanto, embora o leite individual de alguns produtores tivesse contaminação muito baixa, o resultado final do conjunto de produtores é um leite insatisfatório. O mau produtor anula o trabalho do bom, segundo o coordenador do estudo.

- Quando esse leite de alta qualidade chega nas usinas dos grandes laticínios, ele é misturado com o leite de outras fazendas que possuem um leite de baixa qualidade ou contaminado.

O estudo também procurou identificar a bactéria Listeria monocytogenes, responsável por causar infecção severa no organismo e outras doenças, como meningite e encefalite. A análise do leite das 75 fazendas, no entanto, não identificou a presença desta bactéria.

Deixe seu Comentário

Leia Também

TURISMO 2021
Turismo 2021: O que esperar do Turismo Brasileiro no próximo ano?
SUA SAÚDE
Carnes de bichos selvagens podem transmitir parasitas, vírus e até matar
SEU BOLSO
Petrobras reajusta gasolina e diesel em 5% a partir desta quarta-feira
SONHOS INTERROMPIDOS
Pais perdem filho de 7 anos em tragédia na BR-376: "Passaram o dia montando a casa para receber ele"
AUXILIO POPULAÇÃO
Governo federal aprova auxílio emergencial para 196 mil pessoas
UTI LOTADAS
13 crianças com covid estão em estado grave em Cuiabá
ESTUPRO DE VULNERÁVEL
Mãe descobre estupro ao desconfiar que filha de 12 anos tinha ciúmes do padrasto
VIRUS A SOLTA
Caixão com corpo que tinha identificação de risco biológico por Covid é achado em estrada
TRAGEDIA NA RODOVIA
Jovem fez vídeo antes de morrer em acidente no Paraná: 'Devagar, motora'
FATALIDADE
Padre cai de pedra em cachoeira e corpo é encontrado em poço