Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
sábado, 11 de julho de 2020
SADER_FULL
Busca
ÁGUAS DE BONITO
Brasil

Congresso realiza esforço concentrado em agosto e setembro

17 Jul 2004 - 08h45
O Congresso Nacional só voltará a funcionar em ritmo normal a partir de outubro próximo. Até lá, deputados e senadores estarão envolvidos nas campanhas municipais. São 89 deputados e quatro senadores candidatos a prefeito ou vice-prefeito, aproximadamente um sexto dos parlamentares. É tradição no Legislativo, em anos eleitorais, um recesso branco, com votações somente em esforços concentrados, que ocorrem normalmente em uma semana de agosto e outra em setembro.

Desta vez, ainda não está decidido se serão uma ou duas semanas em agosto e uma em setembro dedicadas às votações. O presidente da Câmara, deputado João Paulo (PT-SP), anunciou que “mesmo em ano eleitoral, a Casa não ficará parada após o recesso parlamentar”. Ele lembrou que tramitam na Câmara matérias importantes para o País e garantiu que elas serão votadas, independentemente das eleições.

Entre as matérias que deverão ser incluídas na pauta do esforço concentrado de agosto na Câmara estão: 13 destaques que visam modificar a chamada PEC paralela da Previdência, aprovada no inicio de julho; três que pretendem alterar o texto do projeto que cria a Hemobrás – Empresa Brasileira de Hemoderivados; a PEC do Trabalho Escravo; a Lei de Falências, que foi alterada na votação do Senado; o projeto que trata das Agências Reguladoras, entre outras. “Temos várias matérias que precisam ser votadas, independentemente das eleições”, disse João Paulo.

A pauta do esforço concentrado no Senado, já começou a ser discutida. O ministro Aldo Rebelo (Articulação política) reuniu-se, na quarta-feira, com o presidente da Casa, senador José Sarney(PMDB-AP), para tratar das votações. Segundo o ministro, “o presidente Sarney disse que a idéia é fazer o esforço na segunda semana de agosto, mas que não tem nada definido”.

Os senadores devem ter na pauta de votações do esforço concentrado de agosto, os destaques que visam modificar a reforma do Judiciário, aprovada em primeiro turno; os projetos que tratam da Inovação Tecnológica; o que cria a Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI); o que trata da Lei de Biossegurança e o que cria as Parcerias Público-Privadas (PPP), que ainda depende de aprovação na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE).

Além dessas matérias, Câmara e Senado terão que votar as Medidas Proviórias que tramitam e aquelas que forem editadas pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva no período pré-eleitoral. Desde de janeiro, os parlamentares votaram 48 MPs e há 17 outras na lista de espera para votações.

Pela Constituição, após 45 dias de editadas, as MPs passam a trancar a pauta de votações nas duas Casas legislativas e, com isso, nenhuma outra matéria poderá ser votada antes das MPS que estiverem trancando a pauta.
 
Dourados Agora

Deixe seu Comentário

Leia Também

VÍTIMAS DE COVID-19
Mãe de médico morre horas após o filho e dois dias após o pai, vítimas da covid
VÍTIMA DE COVID-19
Covid tira de cena um dos últimos montadores do carro brasileiro
CD TRIBUTO AO PADRE ZEZINHO
No ano em Padre Zezinho faz 79 anos, Manoel Caires lança seu primeiro CD 'Tributo ao Padre Zezinho'
PAGAMENTO DO AUXILIO
Confira o calendário para saque em dinheiro do auxílio emergencial
AUXILIO EMERGENCIAL
Governo vai liberar mais 1,5 milhão de auxílios. Saiba como reclamar se o seu for negado
NÚMEROS DA ÚLTIMAS 24H
Os números da covid-19 no Brasil, atualizados diariamente
RECUPERAÇÃO
Dinho Ouro Preto revela sequelas após covid-19, ele já teve gripe suína e dengue
SOS SAUDE
Em 24 horas, nove pessoas morrem em casa pela covid-19 sem atendimento médico
BORA PRA BONITO - MS???
Bonito (MS) irá operar com tarifa de baixa temporada até 18 de dezembro e descontos de até 60%
BONITO - MS - REABERTURA COM SEGURANÇA
Hotel Águas de Bonito te espera com toda segurança e responsabilidade, bora pra Bonito (MS)?