Menu
SADER_FULL
sexta, 14 de maio de 2021
Busca
Brasil

Congresso realiza esforço concentrado em agosto e setembro

17 Jul 2004 - 08h45
O Congresso Nacional só voltará a funcionar em ritmo normal a partir de outubro próximo. Até lá, deputados e senadores estarão envolvidos nas campanhas municipais. São 89 deputados e quatro senadores candidatos a prefeito ou vice-prefeito, aproximadamente um sexto dos parlamentares. É tradição no Legislativo, em anos eleitorais, um recesso branco, com votações somente em esforços concentrados, que ocorrem normalmente em uma semana de agosto e outra em setembro.

Desta vez, ainda não está decidido se serão uma ou duas semanas em agosto e uma em setembro dedicadas às votações. O presidente da Câmara, deputado João Paulo (PT-SP), anunciou que “mesmo em ano eleitoral, a Casa não ficará parada após o recesso parlamentar”. Ele lembrou que tramitam na Câmara matérias importantes para o País e garantiu que elas serão votadas, independentemente das eleições.

Entre as matérias que deverão ser incluídas na pauta do esforço concentrado de agosto na Câmara estão: 13 destaques que visam modificar a chamada PEC paralela da Previdência, aprovada no inicio de julho; três que pretendem alterar o texto do projeto que cria a Hemobrás – Empresa Brasileira de Hemoderivados; a PEC do Trabalho Escravo; a Lei de Falências, que foi alterada na votação do Senado; o projeto que trata das Agências Reguladoras, entre outras. “Temos várias matérias que precisam ser votadas, independentemente das eleições”, disse João Paulo.

A pauta do esforço concentrado no Senado, já começou a ser discutida. O ministro Aldo Rebelo (Articulação política) reuniu-se, na quarta-feira, com o presidente da Casa, senador José Sarney(PMDB-AP), para tratar das votações. Segundo o ministro, “o presidente Sarney disse que a idéia é fazer o esforço na segunda semana de agosto, mas que não tem nada definido”.

Os senadores devem ter na pauta de votações do esforço concentrado de agosto, os destaques que visam modificar a reforma do Judiciário, aprovada em primeiro turno; os projetos que tratam da Inovação Tecnológica; o que cria a Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI); o que trata da Lei de Biossegurança e o que cria as Parcerias Público-Privadas (PPP), que ainda depende de aprovação na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE).

Além dessas matérias, Câmara e Senado terão que votar as Medidas Proviórias que tramitam e aquelas que forem editadas pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva no período pré-eleitoral. Desde de janeiro, os parlamentares votaram 48 MPs e há 17 outras na lista de espera para votações.

Pela Constituição, após 45 dias de editadas, as MPs passam a trancar a pauta de votações nas duas Casas legislativas e, com isso, nenhuma outra matéria poderá ser votada antes das MPS que estiverem trancando a pauta.
 
Dourados Agora

Deixe seu Comentário

Leia Também

SONHO INTERROMPIDO
Agente educacional morta em ataque a creche em Saudades queria fazer intercâmbio no Canadá
PESQUISA PRESIDENCIAL
Datafolha mostra Lula disparado na corrida eleitoral
NOVA INFECÇÃO
Covid-19: após 3 semanas de queda, casos de coronavírus avançam no Brasil puxados por 9 Estados
TRISTEZA NA FAMILIA
Seis pessoas da mesma familia morrem vítimas da Covid-19
NOVAS REGRAS
WhatsApp: o que acontece se você não aceitar novas regras do aplicativo até 15 de maio
FAMOSIDADES
Pai da campeã do 'BBB 21' Juliette vive em casinha de barro na Paraíba
CACHAÇA
Jovem enfia garrafa no ânus durante bebedeira e vai parar no hospital
ESCALADA DA VIOLÊNCIA
Operação mais letal da história deixa 25 mortos no Jacarezinho
VITIMA DO MASSACRE
'Fiquei vendo costurarem os ferimentos. Chorava, orava e agradecia por ele estar vivo, diz mãe
FRIO - FÁTIMA DO SUL NOVA ONDA DE FRIO
Frio de origem polar começa a ser sentido novamente e terá geada