Menu
SADER_FULL
terça, 13 de abril de 2021
BANNER EMAGRECEDOR VICENTINA
Busca
Brasil

Comissão defende votação imediata do Trabalho Escravo

29 Jul 2004 - 15h06
O presidente da Comissão de Trabalho, de Administração e Serviço Público (CTASP), deputado Tarcísio Zimmermann (PT-RS), defendeu a aprovação imediata da Proposta de Emenda à Constituição 438/01, que expropria as propriedades urbanas e rurais onde for constatada a existência de trabalho escravo. O parlamentar acredita na votação da PEC, já aprovada na Comissão Especial que analisa o assunto, durante o esforço concentrado do Plenário da Câmara, agora no mês de agosto. “Vou trabalhar no sentido de que, na semana do esforço concentrado, nós possamos retomar esse tema e colocá-lo em pauta", afirmou Zimmermann.
O deputado elogiou o esforço conjunto de fiscais do Ministério do Trabalho, agentes da Polícia Federal e procuradores do Ministério Público do Trabalho e da União que resultou na descoberta de mais 49 casos de exploração de mão-de-obra escrava, sendo 41 fazendeiros e oito empresas.

Inclusive crianças
Nessa segunda lista de infratores, divulgada pelo Ministério do Trabalho, 17 foram autuados no Pará, 16 no Mato Grosso, 10 no Maranhão, 3 em Rondônia, 2 em Tocantins e um em Minas Gerais. A primeira lista, anunciada em 2003, tinha 52 nomes de empregadores e proprietários rurais, que exploravam mais de cinco mil trabalhadores, inclusive crianças.
"Diante dessa nova lista e da prisão dos envolvidos no assassinato dos servidores do Ministério do Trabalho em Unaí, creio que aumenta a exigência da sociedade para que essa PEC seja finalmente aprovada”, ressalta o parlamentar.

Mais de mil libertados
No primeiro semestre de 2004, essas operações de fiscalização libertaram 1051 pessoas. Nas ações, os fiscais constataram que os trabalhadores eram mantidos em situação semelhante a de trabalho escravo, em condições precárias de higiene, com alimentação inadequada, sem pagamento e com os documentos retidos.
Além de indiciados pelo Ministério Público, os integrantes da chamada "lista suja" do Ministério do Trabalho não terão acesso a financiamentos públicos de instituições financeiras estatais, como Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal e Banco do Nordeste. Eles perdem também direito a benefícios fiscais e outros subsídios. Para sair da lista, os fazendeiros e empregadores precisam solicitar outra visita dos fiscais do Ministério do Trabalho para provar que não continuam mantendo trabalhadores escravos.
 
Agência Câmara

Deixe seu Comentário

Leia Também

EXEMPLAR
Cidade modelo que vacinou 64% da população vê casos de covid-19 caírem 78%.
NOVO CÓDIGO DE TRANSITO
Novo Código de Trânsito entra em vigor na segunda-feira; veja mudanças
LOCKDOWN É A SOLUÇÃO?
Araraquara X Bauru: dois retratos do Brasil com e sem lockdown contra a covid-19
AGRICULTURA SUSTENTAVEL NO MUNDO
II Congresso Mundial de Integração Lavoura-Pecuária-Floresta deve receber 1 mil inscrições
MORTANDADE
Brasil bate marca de 4 mil mortes por Covid registradas em um dia pela 1ª vez
COPA LIBERTADORES
Santos vence o San Lorenzo na Argentina e abre vantagem por vaga nos grupos da Libertadores
FATALIDADE
Técnico de informática morre após levar choque a partir de fone de ouvido
CANALHA
Pai comete estupro e diz que filha precisa saber "como é ter um homem"
SOB INVESTIGAÇÃO
Cantor gospel e pastor é encontrado morto e amarrado em árvore
CONTAMINAÇÃO
Igrejas superam mercado e consultório médico em risco de transmissão de Covid-19, aponta estudo