Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
sábado, 18 de setembro de 2021
Busca
Brasil

Com arbitragem polêmica, São Paulo bate Santos nos pênaltis e é tri

26 Jan 2010 - 05h45Por Globo Esporte

Diante de mais de 23 mil torcedores presentes no Pacaembu, e com direito a muita reclamação da arbitragem, o São Paulo sagrou-se campeão invicto da Copa São Paulo de Futebol Júnior pela terceira vez ao derrotar o Santos na decisão por pênaltis por 3 a 0, após empate por 1 a 1 no tempo normal, na manhã desta segunda-feira, no aniversário da capital paulista. O Tricolor já havia levantado o caneco em 1993 e 2000.

 

A polêmica da arbitragem de Thiago Duarte Peixoto passou pelo herói do jogo, o goleiro são-paulino Richard, que defendeu três cobranças santistas. Mas antes, na etapa final dos 90 minutos regulamentares, ele deveria ter sido expulso ao ter saído da área e feito falta dura em Renan Mota, que abrira o placar no primeiro tempo, e aparecia livre no ataque para marcar o segundo gol do Peixe. Nos minutos finais, Roniele fez o gol de empate e levou a decisão para as penalidades. Jeferson, Dener e Marcelinho converteram as cobranças. Alan Patrick, Alemão e o próprio Renan Mota pararam nas mãos do goleiro Richard.

 

Antes das cobranças de pênaltis, o técnico do Santos, o ex-zagueiro Narciso, foi reclamar com Thiago Duarte Peixoto no centro do campo e acabou sendo duramente empurrado com um escudo por um policial. Irritado, o treinador reagiu com devolvendo o empurrão e acabou expulso.


Além do heroico título, o Tricolor paulista encerrou sua participação na 41ª edição da Copinha como o time de melhor campanha - seis vitórias e um empate -, e o dono do melhor ataque (29 gols) e também da melhor defesa (dois gols sofridos). O são-paulino Lucas Gaúcho, que não teve boa atuação na decisão, foi o artilheiro da competição, com nove gols marcados.

 

Veja a galeria de fotos da decisão da Copinha

 

 
Goleiro Richard é carregado pelos jogadores são-paulinos
Peixinho larga na frente

O jogo começou equilibrado, mas o primeiro lance de perigo veio dos pés dos meninos santistas. Logo aos cinco minutos, Wesley cruzou para a área, e Renan Mota cabeceou por cima do gol de Richard. Mas o São Paulo não demorou a assustar a defesa adversária, com um chute de fora da área do artilheiro Lucas Gaúcho, quatro minutos depois.

As duas equipes chegavam com facilidade ao gol, mas o time do Peixe era mais objetivo. Tanto que, aos 15 minutos, Alan Patrick puxou contra-ataque, gingou na frente do marcador e chutou colocado para defesa de Richard. Apenas três minutos depois, a pequena superioridade santista resultou em gol, um golaço. Renan Mota partiu para cima dos marcadores, tirou um zagueiro da jogada e tocou por entre as pernas do camisa 1 tricolor, abrindo o placar do Pacaembu. Foi o quinto gol do jogador de 18 anos na Copinha.

O troco são-paulino quase veio aos 28 minutos. Marcelinho tentou jogada individual e rolou para trás, mas Roniele pegou de primeira e chutou para fora. Aos 40 minutos, a rede santista chegou a ser balançada, mas não valeu. O bandeirinha marcou corretamente o impedimento de Roniele, mas o árbitro demorou a apitar o lance, permitindo o chute do atacante do São Paulo.

Tricolor parte para cima e garante o empate

Logo no início da etapa final, aos seis minutos, o goleiro Richard deu dura entrada em Renan Mota para conter o avanço do atacante santista e recebeu apenas o cartão amarelo, para revolta dos torcedores do time da Vila Belmiro. Na sequência, o São Paulo tentou pressionar, e, aos 16 minutos, Roniele quase igualou o placar com o forte chute que passou rente à trave do goleiro Rafael.

O Tricolor paulista seguiu dominando o jogo, mas pecava nas finalizações. Aos 30 minutos, Dener recebeu dentro da área e soltou uma bomba. A bola passou rente à trave e animou a torcida são-paulina. Aos 34, Casemiro cabeceou uma bola no travessão. O Santos se segurava como podia.

 

De tanto tentar, o São Paulo, enfim, chegou ao gol de empate, aos 40 minutos, com Roniele. Após cruzamento para a área, a zaga rebateu, o atacante girou e, de primeira, chutou no alto, acertando o ângulo do goleiro Rafael. Foi um golaço do garoto tricolor, o quinto dele na competição.

 

O resultado levou a decisão para os pênaltis. O técnico Narciso invadiu o campo para cobrar explicações do árbitro à não-expulsão do goleiro Richard após entrada em Renan Mota e acabou expulso e agredido por um policial.

 

- Você pipocou - disse Narciso ao árbitro.

 

Nos pênaltis, melhor para os são-paulinos

 

Na cobrança de pênaltis, Jeferson abriu a série para o São Paulo. Na cobrança do craque santista Alan Patrick, melhor para o goleiro Richard, que fez a defesa. Em seguida, Dener também fez o seu, e o camisa 1 são-paulino voltou a se destacar ao defender cobrança de Alemão. Marcelinho fez o terceiro gol tricolor e o título veio pelas mãos de Richard, que, novamente, fechou o gol, desta vez, em chute de Renan Mota.

Deixe seu Comentário

Leia Também

TRIBUNAL DO CRIME
Traficantes enterram mulher viva para vingar denúncia
TEMPESTADE
Temporal derruba árvore sobre carros e deixa bairros no escuro
VOLTOU A SUBIR
Covid-19: ministério registra 34,4 mil casos e 643 mortes em 24 horas
COMOÇÃO E REVOLTA
Menina de 5 anos é morta com tiro na cabeça enquanto caminhava para comprar lanche
CEF de Fátima do Sul OPORTUNIDADE
Caixa abre concurso com salários de mais de R$ 3 mil; confira
QUASE 600 MIL MORTES
Covid-19: mortes sobem para 588,5 mil e casos, para 21,03 milhões
LIÇÕES DA BÍBLIA
Uma rua de mão dupla
LATROCINIO
Dupla invade casa, tranca mulher e crianças em quarto e mata homem degolado
SAQUE EMERGENCIAL
Caixa cria calendário para liberar nova rodada de dinheiro do FGTS
TRAGEDIA AÉREA
Acidente aéreo mata sócio da Raizen e outras seis pessoas