Menu
SADER_FULL
sábado, 13 de agosto de 2022
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
Brasil

Colômbia diz que membros das Farc estão na Venezuela

27 Nov 2009 - 17h45Por Terra
Um dirigente das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) e três do Exército de Libertação Nacional (ELN) estão refugiados na Venezuela, disse na sexta-feira o ministro colombiano da Defesa Gabriel Silva.

De acordo com Silva, um dos guerrilheiros refugiados na Venezuela é Iván Márquez, um dos sete integrantes do secretariado (direção político-militar) das Farc. Outros líderes de frentes militares guerrilheiras colombianas também estariam no país vizinho.

Márquez apareceu há mais de dois anos em Caracas com o presidente Hugo Chávez e a senadora colombiana Piedad Córdoba, antes que as Farc libertassem alguns de seus reféns sequestradas por motivos políticos.

O ministro acrescentou que "três dos cinco principais líderes do ELN (...) recentemente foragidos estão escondidos na Venezuela". "Não é novidade (...) que a linha de fronteira com a Venezuela se tornou um muro infranqueável à Justiça", declarou o ministro à rádio Caracol.

Em fevereiro, o presidente colombiano Álvaro Uribe disse que comandantes de grupos guerrilheiros colombianos se refugiavam em países vizinhos, mas não citou nomes.

Em março de 2008, o dirigente das Farc Raúl Reyes morreu num bombardeio colombiano em uma região do Equador, no que gerou uma prolongada crise diplomática entre esses dois países.

O atual atrito entre Colômbia e Venezuela deriva das queixas de Caracas contra um acordo que autoriza o uso de bases militares colombianas por forças dos Estados Unidos. Por causa disso, Chávez chegou a pedir aos seus soldados que se preparem para uma guerra.

Silva disse, no entanto, que Bogotá não contempla uma agressão militar ao país vizinho.

"Jamais temos de usar a palavra guerra, incidente, conflito, confronto com o povo da Venezuela nem com nenhum povo da região, isso está proscrito da nossa linguagem e sobretudo do nosso ânimo, da nossa alma", afirmou em uma entrevista coletiva.

"Por isso a obrigação número 1 do ministro da Defesa é fazer de tudo (...) para evitar um conflito ou guerra, naturalmente a segunda obrigação de um ministro da Defesa é preparar-se para ela".

 

Leia Também

ACIDENTE FATAL
Motociclista de 27 anos bate na traseira de trator e morre em vicinal
TRAGEDIA NA RODOVIA
Sete pessoas morrem e três ficam feridas em acidente entre caminhão e van
AUXILIO POPULAÇÃO
Governo libera empréstimo consignado para beneficiários do Auxílio Brasil
TRAGÉDIA
Carro explode durante abastecimento e amputa pernas de frentista
NOITE DE TERROR
Moradores relatam medo vivido em confronto com oito mortos
ACIDENTE DE TRABALHO FATAL
Trabalhador morre soterrado ao fazer limpeza em silo de grãos
AGRESSÃO NA ESCOLA
Mulher invade escola e espanca aluna a pauladas
COVID NO BRASIL
Covid-19: Brasil ultrapassa o número de 680 mil mortos pela doença
AUXÍLIO BRASIL AUXILIO POPULAÇÃO
Auxílio Brasil de R$ 600 e vale-gás saem hoje para mais um grupo
BRASIL + POBRE
Estudo mostra alta da pobreza em regiões metropolitanas