Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
quinta, 24 de setembro de 2020
SADER_FULL
Busca
ZANZI
Brasil

CNJ e TJMS desenvolverão projeto-piloto em MS

13 Ago 2010 - 15h31Por TJ MS

Dois juízes auxiliares da presidência do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), Daniel  Issler e Sidmar Martins, estiveram em Campo Grande ontem (12) para as primeiras articulações de um projeto que será realizado pelo CNJ nos dias 23 e 24 de outubro: Cidadania, Direito de Todos.
 
Em um dia de trabalho considerado produtivo, os juízes reuniram-se com o Des. Josué de Oliveira, Corregedor-Geral de Justiça, com os juízes auxiliares da Corregedoria, Fábio Possik Salamene e Ruy Celso Barbosa Florence; com os juízes auxiliares da presidência do TJMS, Vitor Guibo e Marcelo Rasslan, e o juiz auxiliar da vice-presidência, Marcos Brito.
 
Também estiveram com os representantes do CNJ José Carlos Tinarelli, superintendente do MTE/MS; Paulo Pedra, presidente da  Anoreg; Edson Fagundes, coordenador regional da Funai; Mirian Noronha, procuradora-chefe do INSS, e à tarde, com Wantuir Jacini, secretário de Estado de Justiça e Segurança Pública (Sejusp).
 
De todas as tratativas, Issler considera as parcerias o mais importante – para ele, todo o resto é questão de logística. “Avançamos muito, pois essa ação vem com força para levar a cidadania aos povos indígenas, por meio dos documentos. Campo Grande será um piloto, por ser a primeira localidade em que essas ações serão efetivadas, mas já temos informações que Dourados também tem um grande números de indígenas e não descartamos a possibilidade de atuarmos lá  nesta forma de trabalho”, disse ele.
 
O projeto Cidadania, Direito de Todos visa levar a cidadania, como o próprio nome diz, às comunidades indígenas com a disponibilização de certidões de nascimento, carteira de identidade e carteira de trabalho. Em Campo Grande existem cinco aldeias urbanas: Água Bonita, Darci Ribeiro, Marçal de Souza, Tarsila do Amaral e Indubrasil. Nestas aldeias vivem entre oito e dez mil indígenas e estima-se que um números entre 1.500 e 3.000 não tenham os documentos.
 
Issler fez questão de ressaltar que as ações não devem afetar a identidade cultural indígena e que estas não poderiam ser desenvolvidas se não houver parceria com os povos indígenas. “Tanto no RG quanto na certidão constará a informação de qual aldeia e a qual etnia a pessoa pertence. E ações dessa natureza só podem ser desenvolvidas se houver vontade da parte dessas pessoas, porque algumas aldeias preferem manter-se isoladas e temos que respeitar suas peculiaridades”, completou.
 
Para o juiz Ruy Celso Barbosa Florence, a medida é um avanço por permitir que qualquer indígena seja reconhecido e registrado como um cidadão brasileiro. “Além disso, o fato de a etnia constar na certidão permite que usufruam dos direitos e garantias que a cidadania brasileira confere, sem perder suas raízes culturais”, aponta.
 
O juiz Fábio Possik Salamene explicou que nos dias 23 e 24, as ações serão desenvolvidas em dois pontos próximos das aldeias e que haverá juízes a postos para dirimir quaisquer questões relacionadas com os registro. “Estaremos estendendo à população indígena, que vive próxima dos centros urbanos, os  direitos inerentes à cidadania e isso é fundamental”, conclui.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Motorista registrou a travessia de uma jiboia na avenida Ayrton Senna, na Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro. FORA DO HABITAT
VÍDEO: motorista flagra jiboia cruzando pista de avenida no RJ: 'olha isso'
Só queria que me entendessem sem preconceito! PRECONCEITO
Jovem é expulso de casa ao assumir namoro com mulher trans
Yan e um comparsa renderam mãe e filha na rua CRIMINOSO
Bandido morto pela PM arrancou família de carro e agrediu mulher uma semana antes
O diesel não sofreu reajuste. + ALTA
Gasolina sobe 4% nas refinarias, anuncia Petrobras
O total de mortes causadas por covid-19 chega a 138.108, um acréscimo de 0,6% sobre a soma de segunda Saúde
Covid-19: Brasil tem 33,5 mil novos casos e 836 mortes em 24 horas
HERANÇA PORTUGUESA
A herança portuguesa na vida cotidiana do Brasil
Os beneficiários nascidos em janeiro  3,9 milhões de pessoas  poderão sacar AJUDA FINANCEIRA
Caixa paga nova parcela do auxílio emergencial para 5,6 milhões de pessoas
o maior programa de assistência aos mais pobres no Brasil e talvez um dos maiores do mundo PRESIDENTE NA ONU
Bolsonaro diz que brasileiros receberam mil dólares de auxílio
Imagem: Reprodução/Balanço Geral Londrina FUGA EM MASSA
Presos fogem de cadeia após surto de Covid-19
Material estava dentro de uma bexiga e enrolado com fita isolante PROFUNDEZAS DO CRIME
8 celulares e outros materiais são retirados do ânus de preso