Menu
SADER_FULL
sexta, 18 de junho de 2021
Busca
Brasil

CNBB e governo discutem programa nacional no Brasil

4 Fev 2010 - 08h26Por CNBB

O secretário geral da CNBB, Dom Dimas Lara Barbosa, recebeu o ministro da Secretaria de Direitos Humanos, Paulo de Tarso Vannuchi, no final da tarde de terça-feira, 2.

Numa reunião que durou mais de duas horas, o ministro e o secretário conversaram sobre o Programa Nacional de Direitos Humanos (PNDH-3), divulgado pelo Governo no dia 21 de dezembro.

O ministro ressaltou a importância da Igreja Católica na luta pelos direitos humanos no Brasil. “Muitas vidas e, possivelmente a minha, foram salvas pela Igreja na época da ditadura”, recordou o ministro.

Vannuchi destacou o clima de serenidade da reunião que revelou a disposição do Governo e da Igreja em dialogar sobre os pontos de dissenso do PNDH-3.

Ele garantiu que, por ordem expressa do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o artigo que se refere ao aborto será mudado.

“O texto do aborto vai mudar. O texto do aborto é uma ordem expressa do presidente. Onde não há consenso é que vamos trabalhar para fazer a correção”, disse.

Dom Dimas também destacou o clima amigável da reunião e frisou que, de fato, o Programa é consensual em pelo menos 80% de suas propostas.

“Há muitas questões no Plano que são consenso, fruto de lutas históricas de vários parceiros”, disse Dom Dimas.

“Muitas propostas contidas no Plano já foram debatidas nas Semanas Sociais Brasileiras realizadas pela CNBB”, completou.

Segundo o secretário, as diferenças contidas no PNDH-3 se devem ao fato de a Igreja olhar os direitos humanos a partir de uma antropologia que considera a dignidade humana de toda pessoa desde sua concepção até sua morte natural.

O secretário da CNBB lembrou, ainda, as várias parcerias da Igreja com setores do Governo, como por exemplo, com a Secretaria de Direitos Humanos em projeto sobre os ciganos.

Ele afirmou que, naquilo que for comum, o Programa terá a parceria da Igreja. “Parceria não é apoio incondicional. O Plano é do Governo e não da Igreja”, frisou.

Tanto o ministro quanto o secretário da CNBB afirmaram que o Programa não tem força de lei, mas que é um conjunto de diretrizes. “

As críticas [ao Programa] são recebidas com respeito, mas não significa concordância”, destacou Vannuchi. “Nossa atitude é de serenidade e humildade nesta visita que fazemos para ouvir a CNBB”, completou.

Deixe seu Comentário

Leia Também

LUTO NA MÚSICA
Cantora gospel que defendia tratamento precoce morre de Covid-19 após ter os pulmões comprometidos
VIDEO
Cliente carrega mangueira sem perceber e bomba pega fogo em posto de combustível de Foz do Iguaçu
AÇÕES DO GOVERNO MS
Reinaldo Azambuja propõe projeto com Itaipu para combater assoreamento nos rios Iguatemi e Amambai
COPA X VIRUS
'Desse jeito, o vírus vai levantar a taça', diz deputado após 52 infectados na Copa América
FAMOSIDADES
Apresentador mostra fotos de viagens românticas com filha de Faustão e se declara
SEIS DIAS DE TERROR
Homem mata uma família e aterroriza moradores em seis dias de fuga deixando rastros de crimes
TRISTEZA E COMOÇÃO
Jovem engenheiro morre em acidente com moto e comove cidade
MUI AMIGO
Homem obriga mulher de amigo a fazer sexo oral e leva surra em delegacia
DOENÇA DO SÉCULO
Homem de 33 anos deixa carta de despedida e tenta pular de ponte
ABSURDO
Família registra boletim de ocorrência após vitima de covid ser sepultado em cemitério errado