Menu
SADER_FULL
quinta, 6 de agosto de 2020
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
BANNER ECO TOUR
Brasil

Clínica de aborto funciona abertamente em Campo Grande

11 Abr 2007 - 09h49
Uma clínica de aborto funciona normalmente em Campo Grande, atendendo sob a classificação de Clínica de Planejamento Familiar. Com uma micro-câmera, a produção da TV Morena entrou na clínica para descobrir como funciona o “procedimento”, que custa, em média, R$ 5 mil.
Por telefone, a atendente da clíncia não fornece detalhes sobre o trabalho na clínica, dizendo que é necessário que se consulte para tirar todas as dúvidas. A produção da TV Morena agenda uma consulta. No encontro com a primeira recepcionsita, é preenchida uma ficha,. Ela evita a falar abertamente em aborto. A mulher diz apenas que o valor do “procedimento” depende do período de gestação. O preço da consulta é de R$ 120,00.

Outra atendente recebe antecipadamente o valor da consulta e emite a nota fiscal. Depois de pagar, a produtora é recebida pela psicóloga, Simone Souza, que há um trabalha na Clínica de Planejamento Familiar. Segundo Simone, a função dela é dar orientação sexual, mas ela tenta convencer a produtora da simplicidade do procedimento, agora, abertamente chamado aborto.

“Dentro da clínica, você vai ficar três horas. É uma bolha do tamanho de uma ervilha de sangue que ali nem tá óvulo fecundado, tudo misturado. Não é nada ainda. É uma vida? É! Se você pega um feijãozinho bota ele na água com algodão e deixar ele aí, ele vai começar a brotar”.

Simone Souza também avalia a questão moral do aborto. “Muita gente é contra até o momento que vê a necessidade, por isso não dá pra pré-julgar ninguém. Preconceito é uma coisa terrível”, afirma.

A produção da TV Morena tentou agendar uma entrevista com Simone Souza, mas ela não quis gravar entrevista, alegando que não trabalhava mais na clíncia. O repórter Honório Jacometo foi recebido pela proprietária da Clínica de Planejamento Famliar, Neide Mota Machado, que admite fazer abortos há vinte anos e defende o trabalho, dizendo que é melhor do que arriscar de forma precária. “Por aí fazem da pior maneira possível, sem assistência médica”. Mesmo sabendo que é irregular, Neide Mota Machado defende-se. “Não é questão de deixar na ilegalidade que vai mudar o fato; o que tem de se fazer é legislar a favor”. (TV Morena)
 

Deixe seu Comentário

Leia Também

BRASIL - 96.326 MORTES
Brasil tem 2.817.473 casos de Covid-19, indica consórcio de veículos da imprensa em boletim das 13h
EXPLOSÃO EM BEIRUTE
Libanês se emociona e diz: Parecia uma bomba atômica, que acabou com tudo
BORA PRA BONITO - MS
Crie laços com a natureza em Bonito, MS!
LUTO NO CIRCO
Palhaço mais velho do Brasil morre aos 77 anos vítima de coronavírus
TRAGEDIA NA RODOVIA
Familia se despede de parentes mortos em acidente na BR-277
NA CASA DELE
Tio estupra criança de 4 anos e dá chocolate para ela não contar
BOCA DA ONÇA É NO MS
Maior cachoeira do MS, Boca da Onça retorna com muitas novidades, confira
ACIDENTE TRÁGICO
Vitimas do acidente na BR 177 são identificadas: 3 são da mesma familia
CORRUPÇÃO NA SAUDE
MP aponta 'vergonhosa fraude' e aciona prefeito a devolver R$ 4,136 milhões
BORA PRA BONITO - MS
O que é ecoturismo e porque Bonito, MS?