Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
quinta, 2 de dezembro de 2021
ASSEMBLEIA DEZEMBRO 2021
Busca
Brasil

Cestas básicas apodrecem na Funai em Dourados

18 Dez 2009 - 10h38Por Conjuntura

Cestas básicas estão apodrecendo na sede da Funai (Fundação Nacional do Índio), conforme denúncia de indígenas. Eles contabilizam 6.630 pacotes de arroz estragado, o que totaliza 33 toneladas do alimento. A fome e falta de segurança nas aldeias resultou em ocupação do prédio da Funai, na manhã de ontem.

Além do arroz, os indígenas também mostraram pequenas quantidades  de leite em pó estragado, fubá e açúcar com marcas de que foram “atacados” por ratos.

Enquanto o grupo reclama de falta de material para produção nas reservas, eles denunciam que há arados de tração animal novos e que não teriam sido distribuídos.

De acordo com o líder indígena Taquara Taperendy, o estopim do protesto, foi o descaso da direção da Funai para com os indígenas do Conesul com relação a falta de alimentos.

Ele conta que há cinco meses não recebe alimentos na aldeia onde mora. Por outro lado, denuncia que caminhões carregados estariam saindo do local, sem que eles saibam o destino das cestas.

O grupo acredita que com a saída da administradora, Margarida Nicoletti, problemas como a falta de segurança e incentivos à agricultura serão resolvidos.

Segundo eles, em 40 dias seis indígenas morreram vítimas da violência que corre solta nas aldeias, segundo eles. Outra reclamação gira em torno de incentivos. "Nos tratam como inconsequentes e não disponibilizam maquinários. Eles apodrecem sem uso, mas a Funai não nos disponibiliza", dizem eles.

As lideranças dizem que os mais de 13 mil índios só não estão passando fome porque recebem cesta básica do governo do estado. "Não tem como plantar. A Funai é omissa nesta questão, o que revolta a comunidade", explicaram.

No início do ano, oito toneladas de alimentos estragaram na Funai. Na época, a direção informou que a Funai de Dourados informou que os alimentos que estão na sede da Fundação, são de “varreduras”, ou seja, produtos que chegaram abertos e acabaram caindo no chão, sendo recolhidos porteriormente para serem encaminhados a Conab, que redistribui a setores ligados a alimentação animal.

O Douradosagora tentaram contato com a administradora. Ela não foi localizada durante todo o dia de ontem. A desocupação do prédio aconteceu às 17h50 de ontem, após o grupo receber garantias da exoneração de Margarida no dia 1º de janeiro.

Até lá, eles permanecem acampados em frente a Funai, na Praça do Cinquentenário.

Leia Também

DOENTIO
Mulher descongela geladeira e encontra corpo de bebê escondido em sacola
PONTE BIOCEÂNICA
Ponte Bioceânica vai ganhar nova data de lançamento; Bolsonaro e Marito participam
AÇÕES DO GOVERNO MS
Com estados da região Sul, Azambuja quer integração ferroviária e união para redução de carbono
PIX SAQUE
Pix Saque começa hoje:comércio vê nova ferramenta como chamariz para clientes,mas teme por segurança
TRAGÉDIA NA LINHA DO TREM
vítima comemorou aniversário do marido um dia antes de morrer com a filha em acidente com trem
COVID NO BRASIL
Covid-19: Brasil registra 229 óbitos e 9,2 mil novos casos
# PREVENIR É O REMÉDIO
Covid-19: Brasil registra 303 mortes e 12.126 casos em 24 horas
DESESPERO
Vídeo: veja momento em que calçada cede e pessoas caem em rio
PÂNICO NO AEROPORTO
Vídeo mostra passageiros gritando e muito desespero em avião da Azul; veja
EMBOSCADA
Jovem morre após ser atingida por tiro na cabeça