Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
quarta, 27 de janeiro de 2021
Busca
Brasil

Cesta básica tem acréscimo de 2,92% em fevereiro na Capital

4 Mar 2011 - 08h26Por

O custo da Cesta Básica Alimentar Individual em Campo Grande registrou um acréscimo de 2,92% em fevereiro em relação ao mês anterior. Levantamento divulgado hoje pela Semac (Secretaria de Estado de Meio Ambiente, do Planejamento, da Ciência e Tecnologia ) revela um custo de R$ 247,81, enquanto em janeiro esse valor foi de R$ 240,78. A pesquisa avalia o poder de compra do salário mínimo na aquisição de alimentos necessários à manutenção de um indivíduo-padrão. As variações acumuladas registraram percentuais positivos: 15,06% nos últimos 12 meses; 16,10% nos últimos seis meses; e 3,71% no acumulado de 2011. No mês de fevereiro/11 a pesquisa assinalou que dos 15 produtos que compõem a Cesta Básica Alimentar, seis tiveram alta: tomate, 22,11%; alface, 13,97%; laranja, 5,77%; açúcar, 4,09%; sal, 2,56%; e óleo, 1,68%. Os produtos que acusaram queda de preço foram: batata, 8,38%; feijão, 8,26%; arroz, 4,55%; banana, 2,14%; macarrão, 0,64%, e carne, 0,55%. Pão, margarina e leite mantiveram seu preço inalterado. O volume de chuva no período além do esperado prejudicou a produtividade do tomate e da alface, provocando a elevação nos preços. Já entre as principais reduções, a boa safra da batata fez diminuir o preço, quando comparado ao mês anterior. Os estoques no mercado interno do feijão estão elevados devido à concentração da colheita que aumentou seu volume, ocorrendo assim queda de preço. Acumulado do semestre Nos últimos seis meses, os produtos que apresentaram maiores altas foram: tomate, açúcar cristal, alface, óleo e laranja-pera. Entre os produtos com preço em queda no período, se destacam batata, feijão, arroz e leite. “A boa notícia é que o arroz e o feijão estão entre os produtos de maiores quedas, uma vez que os mesmos obtêm o maior peso de consumo nos hábitos alimentares dos brasileiros”, avalia o estudo da Semac. Quanto à renda mensal, a pesquisa constatou no mês em questão que o trabalhador que recebe um salário mínimo de R$ 540,00 comprometeu 45,89% do seu salário em fevereiro/11 para aquisição da Cesta Alimentar. Cesta Familiar A Semac também pesquisa a Cesta Básica Familiar, recomendada para uma família de cinco pessoas. No mês de fevereiro/11, o custo dessa cesta registrou a importância de R$ 1.060,79. No levantamento anterior, foi um pouco menor, de R$ 1.052,09. A variação positiva equivale a 0,83%. Acumulados Quanto à variação acumulada nos últimos doze meses, a Cesta Familiar registrou alta de 8,05%. Se forem considerados os últimos seis meses, a elevação foi de 8,78%. Nesses dois primeiros meses de 2011, acumula alta de 2,01%. Dentre os 44 produtos pesquisados que compõem a Cesta Familiar, 21 apresentaram alta, oito apresentaram queda de preço, e 15 produtos mantiveram seu preço inalterado. No grupo Alimentação (32 produtos), a pesquisa constatou a alta de 0,82% com os principais produtos em alta: tomate 22,10%; cenoura 19,16%; alface 13,97%; abobrinha 9,06%; laranja 5,70%; açúcar 4,22%; manteiga 2,56%; café 2,25%; sal 2,03% e óleo 1,93%. Os produtos em queda foram: batata 8,42%; feijão 8,26%; mamão 6,31%; arroz 4,69%; trigo 3,33%; frango 2,76%; banana 2,13%; alho 1,94% e mandioca 1,74%. Os produtos que não registraram alteração de preços foram: pão francês, pão doce, doces, leite, couve, margarina e peixe. Análise A colheita da cenoura 19,16% e da abobrinha 9,06% foi prejudicada com menor oferta devido às chuvas em excesso ocorridas no período com menor abastecimento no mercado interno, aumentando seus preços. As altas temperaturas e as chuvas do verão aceleram o amadurecimento do mamão, elevando sua produção, o que ocasiona aumento do volume ofertado com consequente queda de preço 6,31%. Já o arroz está no período de safra o que eleva sua oferta pressionando seu preço para baixo 4,69%. O grupo Higiene Pessoal (cinco produtos), registrou uma variação positiva de 1,66%. Os produtos que colaboraram para esta alta foram: dentifrício 3,85%, lâmina de barbear 1,79%, sabonete 1,52%, absorvente 1,08% e papel higiênico 0,48%. No grupo Limpeza Doméstica (sete produtos), a pesquisa assinala uma alta de 0,41%, destacando os seguintes produtos: cera em pasta 4,28%; sabão em barra 1,54%; água sanitária 1,36% e desinfetante 0,50%. Os produtos que registraram queda foram: esponja de (aço) 2,92% e sabão (pó) 0,86%. Detergente não registrou alteração de preço. Em termos de renda versus salário-mínimo, houve um comprometimento de 39,29% do valor total da renda familiar, considerando cinco salários mínimos (R$ 2.700,00), para atender uma família composta por cinco membros. No mês anterior foram registrados 38,97% de comprometimento.

Deixe seu Comentário

Leia Também

TURISMO 2021
Turismo 2021: O que esperar do Turismo Brasileiro no próximo ano?
SUA SAÚDE
Carnes de bichos selvagens podem transmitir parasitas, vírus e até matar
SEU BOLSO
Petrobras reajusta gasolina e diesel em 5% a partir desta quarta-feira
SONHOS INTERROMPIDOS
Pais perdem filho de 7 anos em tragédia na BR-376: "Passaram o dia montando a casa para receber ele"
AUXILIO POPULAÇÃO
Governo federal aprova auxílio emergencial para 196 mil pessoas
UTI LOTADAS
13 crianças com covid estão em estado grave em Cuiabá
ESTUPRO DE VULNERÁVEL
Mãe descobre estupro ao desconfiar que filha de 12 anos tinha ciúmes do padrasto
VIRUS A SOLTA
Caixão com corpo que tinha identificação de risco biológico por Covid é achado em estrada
TRAGEDIA NA RODOVIA
Jovem fez vídeo antes de morrer em acidente no Paraná: 'Devagar, motora'
FATALIDADE
Padre cai de pedra em cachoeira e corpo é encontrado em poço