Menu
SADER_FULL
terça, 20 de abril de 2021
Busca
Brasil

Cerca de 25% dos alunos não têm lição de casa corrigida

6 Set 2004 - 07h44
Pesquisa feita com 26 mil alunos da rede pública de São Paulo e Santa Catarina mostra que ao menos 1/4 desses estudantes não têm a lição de casa corrigida regularmente pelos professores.

O levantamento foi feito pelo Instituto Gestão Educacional (da Fundação Lemann), em parceria com o Instituto Protagonistés, em escolas municipais paulistas e estaduais catarinenses. O projeto, chamado de Gestão para o Sucesso Escolar, visa identificar os problemas no ensino para, então, capacitar os 200 diretores de escola participantes.

Aos estudantes de 4ª e 8ª séries dessas instituições foi aplicado um questionário socioeconômico e uma prova de língua portuguesa (com questões objetivas e uma redação) em novembro do ano passado.

Na 4ª série, 2,23% dos alunos afirmaram que nunca ou quase nunca têm sua lição de casa corrigida; 16,94% de vez em quando; e 5,1% disseram que o professor nunca passa lição. Somando essas respostas, a porcentagem fica em 24,27%.

Já na 8ª série, 4,76% disseram que nunca ou quase nunca têm a lição de casa corrigida; 17,43% de vez em quando; e 7,85% afirmaram que não têm lição de casa --total de 30%.

A responsável pelo conteúdo do projeto, Rose Neubauer, ex-secretária estadual de Educação de São Paulo e diretora-presidente do Instituto Protagonistés, classificou como "significativos" os números.

"Principalmente porque a lição de casa é um reforço escolar. O aluno precisa saber que há uma sistemática desse reforço", afirmou.

Melhores notas

O cruzamento dessas informações com o resultado da prova de língua portuguesa mostrou que os alunos que têm a lição sempre corrigida tiveram notas melhores. Na 4ª série, estes estudantes ficaram com 25 de nota média, contra 17 dos que afirmaram não ter. O máximo era 40.

Neubauer afirmou que os diretores participantes do programa foram instruídos a estimular os professores a passarem e corrigirem a lição de casa. Ela sugere também que os alunos participem da correção.

"Chegar e dizer apenas que a resposta é '18 laranjas' não funciona. A correção é mais uma oportunidade de revisar o conteúdo. O professor deve perguntar como o aluno chegou ao resultado, porque usou tal operação...", sugere Neubauer.

A responsável pelo conteúdo do programa apresentou parte dos dados do estudo em um encontro dos diretores participantes, em Blumenau (SC), na semana passada. Durante o restante do ano, os dirigentes das escolas recebem um curso on-line. A conclusão do programa será em dezembro.

Checagem

Para a vice-presidente da Aprofem (Sindicato dos Professores e Funcionários Municipais de São Paulo), Margarida Prado Genofre, é importante que seja ao menos checado se o aluno fez a lição.

"Alguns exercícios não necessitam de correção, porque são apenas um treino, um reforço", afirma Genofre.

Para ela, se o professor ao menos conferir, incentiva o estudante a fazer a lição.
 
Folha Online

Deixe seu Comentário

Leia Também

BRUTALIDADE
Adolescente queimado por negar sexo com homens morre em hospital
VACINA RUSSA
Governador diz que consórcio vai adquirir 28 milhões da vacina Sputnik V
LUTO NA SAÚDE
Dias após perder os pais, médica de 36 anos morre de Covid-19
VITIMA DA COVID 19
Vídeo: enfermeiro que receitava cloroquina se passando por médico morre de Covid-19
OS AMORES DO REI
Roberto Carlos teve três casamentos, paixões secretas e perdas em seus 80 anos
JUVENTUDE EM ALERTA
Covid: Variante acelera intubação de jovens e SP orienta procurar ajuda no 1º dia de sintomas
ATAQUE CANINO
Pit bull mata criança de 2 anos e deixa o irmão dela ferido
VIDEO CAPIVARA NA IGREJA
Capivara invade igreja: 'acho que ela veio rezar conosco', brinca Padre
BEBEDEIRA
Idoso conhece mulher, leva para casa é atacado a facadas
ROUBO DE CARGA
Três mil pessoas roubam carga de carne após carreta tombar e provocam novo acidente