Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
quarta, 27 de janeiro de 2021
Busca
Brasil

Centrais ameaçam retaliar Dilma por mínimo

5 Fev 2011 - 08h52Por IG
Frustradas com a postura do governo federal, que até o momento não deu sinais de que está disposto a reajustar o salário mínimo além do acordo já estabelecido, as centrais sindicais ameaçam retaliar a gestão da presidenta Dilma Rousseff. Além de prometer mobilizar as lideranças em protestos nas ruas, os sindicatos preveem nova batalha no Congresso contra o reajuste proposto pelo governo.

Além do salário mínimo e da correção da tabela do Imposto de Renda, outros temas guiam as ameaças, como o fim do fator previdenciário, o reajuste das aposentadorias e a redução da jornada de trabalho semanal para 40 horas. A previsão é de que uma derrota das centrais nessa negociação resulte no endurecimento da postura nos debates sobre os demais temas.

O governo já sinalizou que o projeto para o salário mínimo de R$ 545 – as centrais pedem R$ 580 – será enviado ao Congresso com ou sem acordo com os sindicalistas. Nas eleições, os sindicatos ajudaram na mobilização em torno da campanha presidencial petista e ajudaram a levar Dilma ao Palácio do Planalto. Desde o início do governo, entretanto, as centrais passaram a subir progressivamente o tom.

A tendência ficou clara na saída da reunião entre as centrais e o governo, na sexta-feira. “Para implantar essa política de arrocho, vai ter que derrotar o movimento sindical. Essa é a batalha que nós vamos travar. Se for essa a política da presidenta Dilma, terão grandes manifestações nos próximos dias. Essa política é a do passado, que deu em desemprego, que deu em crise”, declarou o presidente da Força Sindical, Paulo Pereira da Silva (PDT-SP), o Paulinho da Força, na saída do encontro, onde os presidentes das seis centrais tentaram sem sucesso chegar a um acordo com os ministros Gilberto Carvalho (Secretaria Geral da Presidência), Guido Mantega (Fazenda) e Carlos Lupi (Trabalho).

O clima entre os dois lados pode ser medido pelo encontro de Guido Mantega com o líder da Força, deputado da base de apoio do governo federal. Na semana passada, Paulinho assinou nota ironizando uma declaração do ministro, segundo a qual o governo sequer estudava a correção na tabela do IR. O deputado, então, escreveu nota chamando o ministro de insensato e ironizou recente viagem feita por ele a Trancoso, na Bahia, freqüentada, nas palavras do sindicalista, “por parte da elite brasileira”.

Na sexta-feira, à saída da reunião com os ministros, Paulinho foi saudado pelo ministro: “Ouvi você falando de mim. Só falou coisas boas (na entrevista). Estou até com a orelha vermelha”, disse o ministro. Carlos Lupi, ministro do trabalho da cota do PDT que participou da reunião, nem sequer compareceu ao anúncio com os demais ministros para dizer que a negociação seguia emperrada.

Mesmo o tom da Central Única dos Trabalhadores (CUT), tradicionalmente ligada ao PT, tem aumentado nos últimos dias. Se antes a entidade costumava adotar um discurso mais ameno em relação ao governo, agora o presidente Artur Henrique descreve as ações da gestão de Dilma como algo “fora da realidade”.

Deixe seu Comentário

Leia Também

TURISMO 2021
Turismo 2021: O que esperar do Turismo Brasileiro no próximo ano?
SUA SAÚDE
Carnes de bichos selvagens podem transmitir parasitas, vírus e até matar
SEU BOLSO
Petrobras reajusta gasolina e diesel em 5% a partir desta quarta-feira
SONHOS INTERROMPIDOS
Pais perdem filho de 7 anos em tragédia na BR-376: "Passaram o dia montando a casa para receber ele"
AUXILIO POPULAÇÃO
Governo federal aprova auxílio emergencial para 196 mil pessoas
UTI LOTADAS
13 crianças com covid estão em estado grave em Cuiabá
ESTUPRO DE VULNERÁVEL
Mãe descobre estupro ao desconfiar que filha de 12 anos tinha ciúmes do padrasto
VIRUS A SOLTA
Caixão com corpo que tinha identificação de risco biológico por Covid é achado em estrada
TRAGEDIA NA RODOVIA
Jovem fez vídeo antes de morrer em acidente no Paraná: 'Devagar, motora'
FATALIDADE
Padre cai de pedra em cachoeira e corpo é encontrado em poço