Menu
SADER_FULL
domingo, 26 de setembro de 2021
Busca
Brasil

Censo identifica perfil de trabalhadores de laboratórios de vigilância

10 Jun 2010 - 14h33Por Anvisa

As mulheres são a grande maioria dos trabalhadores de laboratórios em vigilância sanitária. Juntas, elas representam aproximadamente 70% do contingente nacional. É o que revela o Censo Nacional dos Trabalhadores dos Laboratórios de Vigilância Sanitária.

 

 

A pesquisa, uma parceria da Anvisa com o Instituto de Saúde Coletiva da Universidade Federal da Bahia e o Instituto Nacional de Controle da Qualidade em Saúde da Fundação Oswaldo Cruz (INCQS/Fiocruz), foi realizada entre os meses de dezembro de 2008 e fevereiro de 2009. Além de retratar a força de trabalho laboratorial da vigilância sanitária, o levantamento buscou identificar o perfil profissional e as especificidades de cada região.

 

 

A região Sudeste, por exemplo, concentra o maior número de trabalhadores: 58%. Só no Rio de Janeiro estão 27,8% do pessoal e em São Paulo 21,9%.   A maioria dos profissionais do país tem curso superior completo, predominando as graduações em Farmácia, Biologia e Química. A esfera estadual é a que concentra a maior porcentagem de profissionais de nível superior (52,1%). A esfera federal possui 45,8%, enquanto os municípios têm 32,2%.

 

 

De acordo com a diretora da Anvisa, Maria Cecília Brito, a resposta à pesquisa superou as expectativas e mostrou que os laboratórios contam com um corpo de profissionais altamente especializados. “Este Censo é importante porque a vigilância sanitária começa a reconhecer os laboratórios de qualidade em saúde com entes estratégicos na garantia da saúde da população”, explica a diretora. Maria Cecília destaca que as informações levantadas também serão importantes para os estados e municípios planejarem as necessidades futuras dos laboratórios e a renovação da mão de obra que deve se aposentar nos próximos anos.

 

 

A pesquisa identificou ainda uma força de trabalho experiente: mais de 60% têm idade superior a 40 anos. Destes, 33,7% encontram-se na faixa etária entre 40 e 49 anos e 25,6% entre 50 e 59 anos.

 

 

Metodologia

 

 

A coleta de dados foi via web (utilizou o programa FORMSUS/DATASUS) e incluiu identificação, instrução, situação funcional, relação com o trabalho, saúde do trabalhador e aptidão analítica.

 

 

O levantamento abrangeu os integrantes do INCQS, dos Laboratórios Centrais de Saúde Pública (Lacen), suas unidades vinculadas e os profissionais dos laboratórios municipais. Foram identificados 72 laboratórios de saúde pública que atuam em vigilância sanitária, um federal, 27 estaduais, 36 regionais e oito municipais, abrangendo um total de 1777 trabalhadores. Destes, 89% participaram da pesquisa.

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

DESASTRE AÉREO
Diretor da UPA que sofreu acidente aéreo no Pantanal morre em hospital
COVID-19
Covid-19: Brasil tem 15,7 mil novos casos e 537 mortes em 24 horas
+ AUMENTO
Gasolina sobe pela 8ª semana seguida nos postos, aponta ANP
PAN AMERICANO JUNIOR
Atleta de MS carregará as cores do Brasil no vôlei de praia nos Jogos Pan-Americanos Júnior
LIÇÕES DA BÍBLIA
Prefácio de Deuteronômio
ROTA BIOCEÂNICA
Comissão mista homologa consórcio que vai construir ponte da Rota Bioceânica em MS
CASTELO DE AREIA
Idoso casa com prostituta 35 anos mais nova e flagra com outro
DOENÇA DO SÉCULO
Servidor público é encontrado pendurado em árvore
COVID-19
Ministra de Bolsonaro testa positivo para Covid e cancela agenda em Nova Andradina
ASSUSTADOR
Homem encontra boneca na parede com bilhete misterioso: "obrigada por me libertar"