Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
quarta, 3 de março de 2021
SADER_FULL
Busca
Brasil

Cenário favorável do país impõe novos desafios, diz economistas

26 Fev 2011 - 06h28Por Assessoria
Economia estabilizada e em crescimento, formalização crescente de trabalhadores autônomos, aumento do emprego, políticas sociais, nova classe média, ganhos de emprego, renda e do consumo. Essas são algumas das alavancas positivas deixadas pelos dois últimos governos brasileiros, segundo análise do diretor-estrategista da Quest Investimentos, o engenheiro e economista Luiz Carlos Mendonça de Barros. Para ele, esse cenário favorável representa o surgimento de novos desafios. “Administrar o sucesso é mais difícil que administrar o fracasso”, alerta.
 
De acordo com o especialista, o grande desafio para o Brasil em 2011 e 2012 será a estabilização da inflação, que começa a dar sinais de que está saindo do controle por pressão de demanda. “Para que esse objetivo seja alcançado, o ritmo de crescimento precisa ser reduzido, o governo deve acelerar a exploração de serviços públicos pelo setor privado, e o salário mínimo deve ter aumentos reais modestos nos próximos anos”, afirma.

O especialista defende ainda que o momento de discutir a carga tributária é agora. “A arrecadação de tributos encontra-se estabilizada em nível muito alto. Vamos mexer nesse sistema tributário porque atualmente o governo está arrecadando mais do que o necessário”, pondera. Segundo ele, nos próximos anos, o governo terá oportunidade única de reduzir sua participação na economia e viabilizar a tão esperada reforma tributária. “Com o crescimento da economia assegurado pelo consumo e investimentos privados, o governo pode usar parte do aumento dos impostos para reduzir a carga fiscal das empresas”.

Com base em um trabalho realizado por economistas do banco Itaú sobre a economia brasileira nos próximos dez anos, Mendonça citou que a renda média dos brasileiros irá dobrar em uma década, passando dos atuais US$ 10,8 mil estimados para 2010 para mais de US$ 22 mil em 2020. Essa renda per capita projetada mostra que o brasileiro passará a fazer parte de uma classe média alta. "A França tem hoje uma renda igual", ressalta.

Entraves - Na avaliação do economista, as forças que funcionaram como alavanca do crescimento no mandato do ex-presidente Lula vão perder intensidade nos próximos anos. Ele se refere, por exemplo, à expansão do crédito ao consumo e ao saldo comercial em queda pelo efeito do aumento das importações. Como limites futuros ao crescimento, Mendonça aponta os desequilíbrios macro econômicos crescentes, como  aumento dos gastos do governo e aumento continuado do déficit em conta corrente, o forte crescimento das despesas do INSS e taxa de desemprego muito baixa.

Luiz Carlos Mendonça de Barros foi o palestrante convidado da reunião dos presidentes dos Conselhos Deliberativos Estaduais do Sebrae, realizada nesta sexta-feira (25) em Brasília. O objetivo da palestra foi apresentar o atual cenário econômico do país e projeções para os próximos anos.

Deixe seu Comentário

Leia Também

ESTUPRO DE VULNERÁVEL
Filho de fazendeiro reclama de dor anal e mãe descobre estupro cometido por funcionário
BOA NOTICIA
Governo zera PIS e Cofins do diesel e do gás de cozinha
RIGOR DA LEI
Cidade vai multar em até R$ 60 mil quem descumprir decreto de combate ao Covid-19
PANDEMIA 100 FIM
Brasil tem 30.484 mortes por Covid-19 em fevereiro, 2º maior número em toda a pandemia
charge_gasolina 100 TRÉGUA
Facada: Petrobras anuncia novo aumento nos preços da gasolina e diesel
CARCERE PRIVADO
Homem é preso por cárcere privado e violência doméstica após mulher pedir socorro com foto nas redes
NOVO AUXILIO
Presidente afirma Auxílio emergencial deve voltar em março, com parcelas de R$ 250
ALERTA EPIDEMIOLÓGICO
Covid-19: Brasil registra 1.541 mortes em 24 horas
MUNDO DO CRIME
Após morrer de Covid-19 no mesmo dia, casal tem oficina invadida e furtada
TRISTEZA NA FAMILIA
Pai e filho morrem de Covid-19 com poucas horas de diferença