Menu
SADER_FULL
quarta, 3 de junho de 2020
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
ÁGUAS DE BONITO
Brasil

Cartões Magnéticos deverão substituir Cestas Básicas

8 Jul 2004 - 10h39

O deputado Roberto Orro (PDT), que atua intransigentemente pela via da ética, do pluralismo, do diálogo e do debate, cultivando a convivência das divergências, na busca de soluções para os grandes desafios contemporâneos, foi um dos autores da lei aprovada antes do recesso parlamentar de Julho, na Assembléia Legislava, e que estabelece prioridades, define competências e altera dispositivos do Programa de Segurança Alimentar e Nutricional do Governo do Estado de Mato Grosso do Sul.

A proposta, que está agora nas mãos do governador José Orcírio Miranda dos Santos para sanção, leva também a assinatura dos deputados Waldir Neves (PSDB) e Zé Teixeira (PFL) e introduz um elemento importante na polêmica questão da distribuição de alimentos pela administração estadual: o uso de cartões magnéticos. A análise correta do Editorial do Correio do Estado, página dois, do sábado 03 de julho de 2004, informa sobre como tudo fica mais simples: “valores predeterminados são magnetizados e os beneficiários poderão utilizar a rede credenciada para comprar gêneros alimentícios à sua livre escolha. Com isso, o processo de entrega de cestas básicas perde o caráter interpessoal, que, invariavelmente, termina se transformando numa relação de favor paternalista, no qual se opera sem disfarce o jogo sujo eleitoral”.

 O jornal Correio do Estado lembra, ainda que, “a médio prazo, esse mecanismo pode ajudar a desanuviar o ambiente eleitoral e não permitir que se espraiem pelo Estado casos lamentáveis como o ocorrido na sexta-feira (02.07.2004), no município de Bonito, em que a juíza Luciana Buriasco expediu mandado de prisão preventiva contra um candidato a vereador pelo PT acusado de coagir eleitores com ameaça de suspensão de cestas básicas”. E diz mais, “certamente a introdução de cartões magnéticos não evitará por completo o mau uso desse tipo de programa, mas contribuirá enormemente para a redução de abusos, reduzindo seu caráter eleitoreiro”.

O Editorial do Correio do Estado conclui dizendo que, “o governador José Orcírio a chance agora de mostrar o que pensa realmente dessa polêmica questão. Se vetar o projeto de lei, a indicação será mais do que clara. Se sancionar, estará demonstrando que pretende trilhar o caminho da racionalidade e impessoalidade na execução de políticas de combate à fome. A sociedade sul-mato-grossense deve acompanhar atentamente os próximos passos. Basta uma assinatura para mudar tudo. Ou sinalizar que o fornecimento de comida para a população carente foi feito para render votos”, conclui.

 

 

Assembléia Legislativa

Deixe seu Comentário

Leia Também

COVID-19
Brasil registra mais de 31 mil mortes por covid-19
COISA MEDONHA
Mulher é desenterrada e estuprada um dia após ser sepultada
DOURADOS - NOVO EPICENTRO COVID-19
Dourados é novo epicentro do coronavírus em MS com mais de 300 casos confirmados
AUXÍLIO EMERGENCIAL
Caixa LIBERA 2ª parcela do auxílio de R$ 600 em contas dos beneficiários, veja os meses
ABSURDO
Médica relata ter sofrido agressões por parte de frequentadores de 'festas de corona'
TRAGÉDIA NA FAMILIA
Menino de 9 anos, acidentalmente mata irmã de 7 anos com espingarda
TRAGEDIA NA RODOVIA
Mulher gravida e marido morrem e criança fica ferida em acidente trágico
PANDEMIA CORONAVIROS
Vai ser ''um massacre'', diz ex-diretor da Saúde sobre flexibilizar isolamento
BOA NOTICIA
Bolsonaro diz que auxilio emergencial pode ter quarta parcela, mas pagando menos
PRAZO MÁXIMO
Acordo prevê máximo de 20 dias para análise de auxílio emergencial