Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
sexta, 25 de setembro de 2020
SADER_FULL
Busca
ZANZI
Brasil

Cartilha do MS incentiva luta contra violência sexual infanto-juvenil

10 Ago 2010 - 11h06Por www.mobilizadores.org

Informar a população sobre o que fazer diante da constatação de um caso de violência sexual e como abordar a criança ou o adolescente violentado.

Este é o objetivo da cartilha “Impacto da Violência na Saúde das Crianças e Adolescentes – Prevenção de Violências e Promoção da Cultura de Paz”, disponibilizada no site do Ministério da Saúde.

Elaborado por técnicos das áreas de Saúde da Criança, do Adolescente e da Mulher, o texto traz informações sobre as formas de violência sexual, rede de serviços disponíveis nos estados e municípios, além de dicas de como perceber os sinais da violência sexual.

O documento faz parte do trabalho realizado nos municípios com o objetivo de acabar com o abuso e a exploração infantil.Entre as dicas apontadas estão: promover ações de sensibilização e mobilização na defesa da causa; conversar com crianças e adolescentes orientando-os sobre os riscos da violência no cotidiano e suas formas de prevenção; adotar posturas proativas frente a qualquer situação de violência; debater o assunto nas escolas, comunidades, família, serviços de saúde, dentre outros setores da sociedade.

Segundo técnicos do Ministério da Saúde, a ameaça aos direitos garantidos pelo Estatuto da Criança e do Adolescente causa grande impacto na saúde da população e acarreta altos custos econômicos e sociais para o Estado e para as famílias. Com a violência, crianças e adolescentes acabam perdendo anos potenciais de vida.

Em 2006, os acidentes e as violências foram responsáveis por 124.935 óbitos, representando 13,7% do total de mortes por causas definidas, configurando-se como a primeira causa de morte entre os adolescentes e crianças a partir de 1 ano de idade no Brasil.

De acordo com dados coletados no período de 2006 e 2007 pelo sistema de Vigilância de Violências e Acidentes (Viva), a principal causa de atendimentos nos serviços de referência por violências, de crianças de 0 a 9 anos, foi a sexual. Dos 1.939 casos registrados, 44% foram por este motivo.

A cartilha ainda indica que, entre adolescentes de 10 a 19 anos, as violências (52,9%), seguidas pelos acidentes de transporte (25,9%) e afogamentos (9,0%), são as principais causas de óbito.

O perfil se repete nos adolescentes de 15 a 19 anos, dos quais 58,7% dos óbitos foram por violências.

O documento também aborda os motivos pelos quais as violências contra crianças e adolescentes são encobertas.

Entre as causas, encontram-se: medo de denunciar; aceitação social da violência contra crianças e adolescentes utilizada como justificativa de “educar”; e invisibilidade da violência quando os serviços de escuta não estão preparados para o acolhimento e atendimento da criança e do adolescente.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Motorista registrou a travessia de uma jiboia na avenida Ayrton Senna, na Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro. FORA DO HABITAT
VÍDEO: motorista flagra jiboia cruzando pista de avenida no RJ: 'olha isso'
Só queria que me entendessem sem preconceito! PRECONCEITO
Jovem é expulso de casa ao assumir namoro com mulher trans
Yan e um comparsa renderam mãe e filha na rua CRIMINOSO
Bandido morto pela PM arrancou família de carro e agrediu mulher uma semana antes
O diesel não sofreu reajuste. + ALTA
Gasolina sobe 4% nas refinarias, anuncia Petrobras
O total de mortes causadas por covid-19 chega a 138.108, um acréscimo de 0,6% sobre a soma de segunda Saúde
Covid-19: Brasil tem 33,5 mil novos casos e 836 mortes em 24 horas
HERANÇA PORTUGUESA
A herança portuguesa na vida cotidiana do Brasil
Os beneficiários nascidos em janeiro  3,9 milhões de pessoas  poderão sacar AJUDA FINANCEIRA
Caixa paga nova parcela do auxílio emergencial para 5,6 milhões de pessoas
o maior programa de assistência aos mais pobres no Brasil e talvez um dos maiores do mundo PRESIDENTE NA ONU
Bolsonaro diz que brasileiros receberam mil dólares de auxílio
Imagem: Reprodução/Balanço Geral Londrina FUGA EM MASSA
Presos fogem de cadeia após surto de Covid-19
Material estava dentro de uma bexiga e enrolado com fita isolante PROFUNDEZAS DO CRIME
8 celulares e outros materiais são retirados do ânus de preso