Menu
SADER_FULL
domingo, 24 de outubro de 2021
SADER_FULL
Busca
Brasil

Carlito Dutra critica suposto acordo entre PMDB e PT

31 Jul 2006 - 10h36

O candidato do PSOL ao governo de Mato Grosso do Sul, Carlito Dutra, criticou no fim-de-semana, suposto acordo entre PT e PMDB para facilitar a eleição de André Puccinelli governador em 2007.

“Acho que esta campanha está parada porque há um distanciamento entre os nanicos e as candidaturas grandes e há este acordo, a gente não tem prova, mas há essa movimentação, há esse descompasso entre as campanhas”, declarou, durante corpo-a-corpo sábado na avenida Afonso Pena, em Campo Grande.

O acordo a que o candidato do PSOL se refere, além da eleição de André Puccinelli, garantiria ainda a indicação de Delcídio do Amaral (PT) para um ministério, na eventualidade de um segundo mandato de Lula, e a eleição de Zeca do PT à prefeitura da Capital e a de Nelsinho Trad (PMDB) ao Senado em 2008.

Carlito Dutra enfrenta na campanha eleitoral deste ano, além de André Puccinelli e Delcídio,  os candidatos do PSDC, Elizeu Amarilha, e do PV, Tito Lívio.

Apesar disso, analistas políticos acham pouco provável esse entendimento, por entender que Nelsinho Trad não iria ficar fora do poder à espera da disputa pela vaga de senador após o término de seu mandato em 2008.

Carlito Dutra também avaliou que André e Delcídio, apesar de fazerem parte de partidos que têm ideologias bastante diversas, não tem defendido propostas muito diferentes para Mato Grosso do Sul.

O candidato do PSOL enfatizou, inclusive, que seus dois adversários não têm mostrado o combate ideológico e partidário esperado por toda a população do Estado na campanha eleitoral deste ano.

“Eu estive com o Tito e com o Amarilha e conversamos sobre isso. No Sebrae, eles estiveram juntos, eles defendem as mesmas idéias sobre o pólo siderúrgico, e faixa de fronteira e outros assuntos, na verdade eles têm as mesmas propostas”, acrescentou.

O candidato do PSOL prevê maior movimentação da campanha somente na reta final. “Acho que a campanha só vai aparecer nos últimos 45 dias, com toda a massa e os milhões que eles têm”, afirmou.

À exemplo da candidata do partido à Presidência da República, a senadora alagoana Heloísa Helena,  ele aponta uma desvalorização da classe política, com raras exceções, devido as constantes denúncias de corrupção que eclodiram no cenário nacional e em algumas unidades da federação.

 

 

“Há um descrédito quanto à política, que se tornou irrelevante, o que manda no governo hoje é a economia, mas o PSOL chegou para fazer a diferença, porque combatemos o capital, queremos mudar esse sistema que está aí”, sugeriu.

Leia Também

LIÇÕES DA BÍBLIA
Circuncidem seu coração
OLIMPÍADA 2024
Atletas de MS terão bolsas de até R$ 7 mil para competir nos jogos olímpicos
LIÇÕES DA BÍBLIA
Estudo adicional
VOLTOU A SUBIR
Covid-19: Brasil registra 15.609 casos e 373 mortes em 24 horas
ESTAVA DESAPARECIDO
Corpo de pescador é encontrado dentro de jacaré
LIÇÕES DA BÍBLIA
O principal mandamento
BAIXARAM A GUARDA
Covid-19: Brasil registra 390 mortes e 12,9 mil casos em 24 horas
LIÇÕES DA BÍBLIA
Se me amam, guardarão os Meus mandamentos
OPORTUNIDADE DE EMPREGO
Funtrab está com 655 vagas para indígenas interessados em trabalhar em lavouras de maçã em SC e RS
ALERTA TEMPORAIS
Chance de Tempestades (La Ninã) no final do ano é de 87%, aponta atualização do NOAA