Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
quarta, 8 de julho de 2020
SADER_FULL
Busca
ÁGUAS DE BONITO
Brasil

Carga de tributos em MS é "pesada" e retorno é "pequeno"

29 Jun 2010 - 16h02Por Mídia Max

A alta carga tributária cobrada em Mato Grosso do Sul, faz com que muitos empresários sintam-se desmotivados e enfrente dificuldades de re-investimento, melhoria de salários e concessão de benefícios aos funcionários.

“Eu queria ganhar 10% de salário do que eu pago de imposto”, esse é o desabafo de um funcionário que prefere não se identificar por questões de segurança. Ele que tem indústria e comércio na área ambiental, acredita que uma carga tributária menor seria melhor para todos.

“A carga tributária que pagamos é pesadíssima. Pagamos alíquota entre 12% e 17% de ICMS, mais 9,25% em cima do PIS [Programa de Integração Social] e Confins [Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social] e no caso da indústria, o imposto é maior, pois ainda há a tributação de 5% de IPI [Imposto sobre Produto Industrializado], ou seja, pagamos muito imposto e o retorno é muito pequeno”, explica.

Ele acredita que se a tributação fosse menor, seria possível não só contratar mais mão de obra, como também ampliar a valorização do trabalhador. “Se eu pagasse menos imposto, com certeza poderia pagar um salário melhor".

O empresário Carlos Ishikao também entende dessa maneira. Ele que trabalha no ramo de alimentação, acredita que toda essa carga tributária acaba caindo para o consumidor final.

“São várias alíquotas pagas, nosso estado ainda não é auto-suficiente em abastecimento de hortifrutigranjeiros, por exemplo, eu tenho que trazer de fora e pago imposto que automaticamente é repassado para toda cadeia econômica”, reflete.

Para Ishikao a mudança tributária é um caminho que pode melhorar isso. “A mudança tributária é essencial para essa mudança. Pode melhorar toda a cadeia econômica e deixar o preço final mais atrativo. Essa é uma questão de interesse de toda comunidade”, afirma.

Trabalhador

Para o trabalhador, o pagamento de impostos também é oneroso. Uma família de quatro pessoas com renda per capta de um salário mínimo [total de R$ 2.040] e com patrimônio de R$ 50 mil reais, trabalha 156 dias por ano somente para pagar impostos.

Sobre o salário recebido, o trabalhador aqui ilustrado paga R$ 160,79 [7,88%]. Uma taxa que poderia ser considerada até baixa, porém, sobre o consumo geral de R$ 1.920 [despesas básicas e gerais], o Trabalhador pagou R$ 626,10 [30,69%] em impostos embutidos no preço final de produtos e serviços.

Por mês, em média, o Trabalhador da nossa matéria paga R$ 911,89 em impostos, o que representa 44,7% do salário recebido. E além do trabalhador, o empregador também paga imposto sobre o salário pago ao empregado.

No caso do nosso “Trabalhador”, o empregador dele pagou mais R$ 896,78, ou 43,96% do salário. Fazendo as contas, os dois juntos pagaram R$ 1.808,68 ou o equivalente a 88.66% do salário pago ao trabalhador que ganha quatro salários mínimos.

Quem quiser calcular o valor pago em impostos pode acessar a “calculadora do imposto” no http://www.ibpt.com.br/olhoImposto/

Deixe seu Comentário

Leia Também

SUSPEITOS COVID-19
Veja autoridades que se reuniram com Bolsonaro nos últimos dias, de acordo com a agenda oficial
ABSURDO
Indígena com Covid-19 sofre aborto espontâneo e recebe feto em garrafa de soro
VITIMA DA COVID 19
Após ficar 3 dias a espera de UTI Cacique xavante líder das causas indígenas morre com Covid-19
AUXILIO EMERGENCIAL
Caixa libera saques e transferências dos aprovados no terceiro lote nascidos em fevereiro
URGENTE - PRESIDENTE COM COVID-19
URGENTE: Bolsonaro testa positivo para coronavírus
PRESIDENTE NA LINHA
Bolsonaro está com sintomas de covid-19 e aguarda resultado de exame
CICLONE BOMBA
Efeitos do Ciclone: mais de 12 mil residências ainda estão sem energia elétrica
LIVE
Mulher de Porchat não foi a única: veja outros casos de nudez em lives
ECONOMIA
Nova gasolina a partir de agosto; combustível será mais caro, mas deixará veículos mais econômicos
SOS EDUCAÇÃO
Sem computador e sem dinheiro, alunos de baixa renda desistem do Enem