Menu
SADER_FULL
segunda, 12 de abril de 2021
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
Brasil

Campanha do Desarmamento já recolheu 2.479 armas em MS

30 Set 2004 - 17h32
 

A Campanha do Desarmamento, iniciada em 15 de julho, recolheu até esta quinta-feira o total de 2.479 armas em Mato Grosso do Sul, sendo 1.336 somente na Capital. O segundo município em número de recolhimentos pela PF é Dourados, com 365 unidades, seguido de Corumbá Ponta Porã, com 171 armas cada. As delegacias da PF Três Lagoas e Naviraí respondem pelo recolhimento de 124 e 49 armas respectivamente.

Já as delegacias de Policia Civil de Cassilândia e Ivinhema recolheram 58 e 44 armas cada, incluindo os municípios da região. A delegacia de Policia Civil com maior número de recolhimentos é a de Paranaíba, com 161 armas. As recompensas variam de R$ 100 a R$ 300 reais conforme o tipo de arma. Segundo a PF, mais de metade das armas recolhidas já foram encaminhadas para o Exército, no Comando Militar do Oeste, em determinação do MJ (Ministério da Justiça), através da Estatuto do Desarmamento.


 
 
Mídia Max

Deixe seu Comentário

Leia Também

NOVO CÓDIGO DE TRANSITO
Novo Código de Trânsito entra em vigor na segunda-feira; veja mudanças
LOCKDOWN É A SOLUÇÃO?
Araraquara X Bauru: dois retratos do Brasil com e sem lockdown contra a covid-19
AGRICULTURA SUSTENTAVEL NO MUNDO
II Congresso Mundial de Integração Lavoura-Pecuária-Floresta deve receber 1 mil inscrições
MORTANDADE
Brasil bate marca de 4 mil mortes por Covid registradas em um dia pela 1ª vez
COPA LIBERTADORES
Santos vence o San Lorenzo na Argentina e abre vantagem por vaga nos grupos da Libertadores
FATALIDADE
Técnico de informática morre após levar choque a partir de fone de ouvido
CANALHA
Pai comete estupro e diz que filha precisa saber "como é ter um homem"
SOB INVESTIGAÇÃO
Cantor gospel e pastor é encontrado morto e amarrado em árvore
CONTAMINAÇÃO
Igrejas superam mercado e consultório médico em risco de transmissão de Covid-19, aponta estudo
CRISE NA PANDEMIA
Número de brasileiros que vivem na pobreza quase triplicou em seis meses, diz FGV