Menu
SADER_FULL
domingo, 12 de julho de 2020
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
ÁGUAS DE BONITO
Brasil

Câmara aprova criação do Programa “Mãe Canguru” em Campo Grande

2 Jun 2010 - 15h52Por Fátima News com Assessoria

Por unanimidade do plenário, a Câmara Municipal de Campo Grande aprovou, em primeiro turno de votação, o Projeto de Lei nº 6.816/10 que prevê a criação do Programa Mãe Canguru, no atendimento ao recém nascido de baixo peso em todos os Hospitais e Maternidades pertencentes à rede Municipal de Saúde de Campo Grande, de autoria da líder do Partido da República, vereadora Grazielle Machado.

 

Em sua defesa, Grazielle Machado argumentou que a criação do Programa em âmbito municipal terá baixo custo ao Poder Público e, se refletirá de forma significativa as mães campo-grandenses. A republicana acrescentou que o Programa já em fase de implantação nos quatro hospitais que prestam assistência à gestação de alto risco no Estado deverá oferecer no período de 26 a 30 de julho de 2010, o curso “Método Canguru”, para 30 profissionais que prestam atendimentos ao recém nascido de baixo peso. A iniciativa do curso é uma parceria do Ministério da Saúde em conjunto com a Secretaria Estadual de Saúde e o Hospital Regional de Mato Grosso do Sul.

 

Uma emenda aditiva de autoria do vereador Dr. Loester (PDT), foi acoplada ao texto original determinando a implantação do método em Unidade Básicas de Saúde que oferecem o atendimento à população pelo SUS, o Sistema Único de Saúde.

 

O Método

 

 

O Método Mãe Canguru, criado em 1979 na cidade de Bogotá na Colômbia, é um tipo de assistência neonatal que implica em contato direto entre os pais e o recém-nascido de baixo peso, de forma crescente e pelo tempo que ambos entenderem ser suficiente, permitindo dessa forma uma participação maior dos pais no cuidado com o recém-nascido. Na prática, o programa é constituído por três etapas.

 

A primeira é realizada na unidade intensiva, dependendo das condições clínicas do recém-nascido, o mais cedo possível, é iniciado o contato pele a pele entre a mãe e a criança, progredindo até a colocação do bebê sobre o tórax da mãe ou do pai. Nesta etapa, os pais deverão ser orientados sobre as condições de saúde da criança, os procedimentos hospitalares, as vantagens do Método Canguru e o estímulo à amamentação.

 

Já na segunda etapa, o recém-nascido encontra-se estabilizado e poderá ficar com acompanhamento contínuo de sua mãe. Nesta etapa, após o período de adaptação e treinamento realizados na etapa anterior, a mãe e a criança estarão aptas a permanecer em enfermaria conjunta, onde a posição canguru será realizada pelo maior tempo possível.

 

 Na terceira etapa, a alta hospitalar com acompanhamento ambulatorial, só poderá ocorrer se a criança estiver com um peso mínimo de 1.600g, clinicamente estável e ganhando peso em aleitamento materno exclusivo.

 

Antes da regulamentação, o Projeto deverá voltar à pauta para votação em segundo turno.

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

MAIS UM
Vírus com potencial pandêmico é detectado pela Fiocruz no Paraná
VÍTIMAS DE COVID-19
Mãe de médico morre horas após o filho e dois dias após o pai, vítimas da covid
VÍTIMA DE COVID-19
Covid tira de cena um dos últimos montadores do carro brasileiro
CD TRIBUTO AO PADRE ZEZINHO
No ano em Padre Zezinho faz 79 anos, Manoel Caires lança seu primeiro CD 'Tributo ao Padre Zezinho'
PAGAMENTO DO AUXILIO
Confira o calendário para saque em dinheiro do auxílio emergencial
AUXILIO EMERGENCIAL
Governo vai liberar mais 1,5 milhão de auxílios. Saiba como reclamar se o seu for negado
NÚMEROS DA ÚLTIMAS 24H
Os números da covid-19 no Brasil, atualizados diariamente
RECUPERAÇÃO
Dinho Ouro Preto revela sequelas após covid-19, ele já teve gripe suína e dengue
SOS SAUDE
Em 24 horas, nove pessoas morrem em casa pela covid-19 sem atendimento médico
BORA PRA BONITO - MS???
Bonito (MS) irá operar com tarifa de baixa temporada até 18 de dezembro e descontos de até 60%