Menu
SADER_FULL
sexta, 16 de abril de 2021
BANNER EMAGRECEDOR VICENTINA
Busca
Brasil

Caixa Econômica diz que greve dos bancários é abusiva

13 Out 2004 - 17h47
O dissídio coletivo da Caixa Econômica Federal será julgado até a próxima semana. Na audiência de conciliação realiza hoje, a direção do banco relutou em aceitar qualquer negociação proposta pela Confederação Nacional dos Trabalhadores das Empresas de Crédito (Contec). A direção do banco afirmou que alegará em sua defesa que a greve é abusiva.

A Contec – entidade que entrou com o pedido de dissídio coletivo - apresentou as mesmas propostas colocadas para os funcionários do Banco do Brasil: abono de R$ 2 mil, não descontar os dias parados e aumento de 1% nos índices de reajuste que variaram entre 8,5 a 12,5%, segundo o pré-acordo fechado entre bancários e Fenaban (Federação Nacional dos Bancários).

O presidente do Tribunal Superior de Trabalho, ministro Vantuil Abdala, encerrou a audiência pedindo que os funcionários retornem ao trabalho até o dia do julgamento. Vantuil também ofereceu dois dias de prazo para que os funcionários apresentem sua defesa.
 
 
Agência Brasil

Deixe seu Comentário

Leia Também

VIDEO
Orgia em casa alugada pelo AIRBNB é flagrada por câmeras e reclamação de locatária viraliza
VIDEO CAPIVARA NA IGREJA
Capivara invade igreja: 'acho que ela veio rezar conosco', brinca Padre
BEBEDEIRA
Idoso conhece mulher, leva para casa é atacado a facadas
ROUBO DE CARGA
Três mil pessoas roubam carga de carne após carreta tombar e provocam novo acidente
AUXILIO POPULAÇÃO
Caixa credita 1ª parcela do Auxílio Emergencial nesta quinta para nascidos em maio
mulher carro beltrao 1 VIDEO
Mulher cai e fica ferida após ser flagrada em cima de carro em movimento
DESESPERADOR
Covid-19: Brasil registra 3.808 mortes em 24 horas
EXEMPLAR
Cidade modelo que vacinou 64% da população vê casos de covid-19 caírem 78%.
NOVO CÓDIGO DE TRANSITO
Novo Código de Trânsito entra em vigor na segunda-feira; veja mudanças
LOCKDOWN É A SOLUÇÃO?
Araraquara X Bauru: dois retratos do Brasil com e sem lockdown contra a covid-19