Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
quarta, 22 de setembro de 2021
Busca
Brasil

Caem 27% o total de novos casos de Hanseníase

27 Jan 2011 - 14h38Por Maxpress

Comemorado em 30 de janeiro, o Dia mundial da Luta Contra a Hanseníase desse ano traz a notícia de que houve redução de 27% no total de casos novos, segundo levantamento feito pelo Ministério da Saúde entre o período de 2003 e 2009.

O País já havia superado, em 2009, a meta prevista para 2011 do indicador do coeficiente de detecção da doença em menores de 15 anos, incluída no Programa de Aceleração do Crescimento – PAC Mais Saúde. Esse indicador permite monitorar o índice de transmissão da doença, utilizando como base crianças e adolescentes. Ele foi adotado como principal indicador de monitoramento da doença.

Levantamento inédito do Ministério da Saúde revela a redução de 27,5% no total de casos novos entre 2003 e 2009. Passaram de 51.941 casos em 2003 para 37.610 em 2010. No mesmo período, o número de serviços com pacientes em tratamento de hanseníase aumentou em 45,9%. Nos últimos dez anos houve avanço das ações de controle da hanseníase no País. Foi alcançada em 2010, a inclusão de cerca de 90% dos serviços de saúde.

SUS oferece tratamento gratuito e diagnóstico precoce evita avanço da doença

A hanseníase é infecciosa e atinge a pele e os nervos dos braços, mãos, pernas, pés, rosto, orelhas, olhos e nariz. O comportamento da doença é desigual nas diferentes regiões do País. O tempo entre o contágio e o aparecimento dos sintomas é longo e varia de dois a cinco anos. Os principais sintomas e sinais da hanseníase são: manchas esbranquiçadas, avermelhadas ou amarronzadas em qualquer parte do corpo e áreas da pele que não coçam, mas formigam e ficam dormentes, com diminuição ou ausência de dor, da sensibilidade ao calor, ao frio e ao toque.

É importante que ao perceber algum sinal, a pessoa com suspeita da doença não se automedique e procure imediatamente o serviço de saúde mais próximo. A hanseníase tem tratamento e cura. A doença pode causar deformidades físicas, evitadas com o diagnóstico precoce e o tratamento imediato, disponíveis no Sistema Único de Saúde (SUS). O tratamento pode durar de seis a doze meses, se seguido corretamente.

Política nacional estabelece ações

A Política Nacional de Controle da Hanseníase (PNCH) tem como objetivo oferecer que as pessoas portadoras da doença sejam atendidas nas suas necessidades e direitos. É responsabilidade dos órgãos competentes promover o controle, com o diagnóstico precoce, o tratamento e a cura. O PNCH também estabelece as ações a serem desenvolvidas: incentivar a garantia de acesso, o acolhimento e o atendimento de qualidade aos usuários.

Outras medidas a serem tomadas são melhoria do ambiente e das condições de trabalho, a ampliação e o aprimoramento da rede de serviços da atenção primária, especializada ambulatorial e hospitalar, construção e implementação das linhas de cuidado. As ações do Plano organizam-se em cinco áreas: vigilância epidemiológica; gestão; atenção integral; comunicação e educação e pesquisa.

Deixe seu Comentário

Leia Também

REVOLTANTE
Criança autista vítima de maus tratos é encontrada comendo fezes de cachorro para sobreviver
HOMICIDIO X SUICÍDIO
Marido mata esposa e tira própria vida; criança de 3 anos pede socorro a vizinho
NEGLIGÊNCIA
Criança de 2 anos ao volante mata prima de 3 anos atropelada
CARROS SEMINOVOS
Como fazer uma boa escolha de veículos seminovos
LUTO NA TV
Ator Luis Gustavo morre aos 87 anos, vítima de câncer
EM DECLINIO
Covid-19: Brasil registra 21,2 milhões de casos e 590,7 mil mortes
TSUNAMI NO BRASIL?
Brasil pode ser atingido por tsunami; entenda
SERPENTE
Rapaz de 18 anos é atacado por jararaca durante pescaria
TRIBUNAL DO CRIME
Traficantes enterram mulher viva para vingar denúncia
TEMPESTADE
Temporal derruba árvore sobre carros e deixa bairros no escuro