Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
sábado, 31 de outubro de 2020
SADER_FULL
Busca
ZANZI
Brasil

Cachaça vira produto 'chique' e ganha mercado no exterior

13 Abr 2007 - 10h47

Considerada a prima pobre entre as grandes bebidas, a cachaça tem passado por uma "revolução". Com pesados investimentos em marketing e qualidade, o produto está se tornando um produto de grife e ganhando as prateleiras no exterior.

"O nome cachaça hoje é um toque de requinte. Cachaça hoje é uma coisa muito nobre, muito chique, muito elegante de beber", afirma César Rosa, presidente do Instituto Brasileiro da Cachaça.

O Brasil embarca hoje para o exterior 12 milhões de litros de cachaça por ano. Há sete anos, era exportada apenas metade desse volume. Diante da produção nacional, de 1 bilhão de litros, a exportação ainda é pequena, mas os empresários acreditam que esse é um mercado muito promissor.

 Investimentos

Para Maria das Vitórias Cavalcanti, diretora de relações internacionais da Pitu – uma das principais exportadoras de cachaça a granel do Brasil – a presença das garrafas da marca nas lojas de duty free da Europa é um passo importante para a expansão desse mercado. "É uma vitrine muito grande. Vendemos muito bem no exterior usando a própria marca – é assim que estamos abrindo novos mercados", afirma. A empresa engarrafa cachaça na Alemanha desde 1971.

Outra marca brasileira, a Sagatiba, também faz sucesso no exterior. A empresa, que exporta a cachaça já pronta para consumo, aposta no marketing para crescer. Uma das estratégias é a degustação diferenciada feita em supermercados. "Normalmente dão destilado puro para você degustar. A gente desenvolveu um formato novo onde a gente coloca o barman no supermercado fazendo", diz Lucas Rodas, diretor internacional da empresa. "Isso tem tido um resultado fenomenal".

Com o sucesso da exportação, outras empresas também estão se aventurando nesse ramo. Com cerca de 90 franquias no Brasil, a Cachaçaria Água Doce está acertando os detalhes para abrir a primeira loja no exterior. O alvo é a Argentina, mas a empresa já tem planos mais ambiciosos. "Mas nós estamos com três estudos prontos – Espanha, Itália e Portugal", comemora o empresário Delfino Golfeto.

 Regulamentação ainda é entrave

Os produtores brasileiros ainda reivindicam, junto à Organização Mundial do Comércio (OMC), a chamada DOC – denominação de origem controlada. O título transformaria a bebida em exclusividade brasileira – assim como a tequila é uma marca mexicana e a champagne é exclusiva da França.

Os fabricantes também negociam a mudança da classificação da bebida nos Estados Unidos - país que importa quase 2 milhões de litros de cachaça todos os anos. Segundo César Rosa, presidente do instituto brasileiro da cachaça, aquele país classifica a cachaça como rum, o que eleva a tributação incidente sobre o produto. "Isso tira nossa competitividade na geração de recursos para investimento", diz.

 

 

 

G1

Deixe seu Comentário

Leia Também

TENTATIVA DE ESTUPRO
Vídeo mostra empresário assediando jovem na entrevista de emprego
PANE EM AVIÃO
'Sobrevivemos só com a água chuva', diz cantor de MT que ficou 24 dias na mata
PANDEMIA AINDA NÃO ACABOU
Pandemia avança e MS registra 555 novos casos de Coronavírus em apenas 24h
INCÓGNITA
Governo ainda não definiu como será o 13º de quem teve corte salarial
ANTICORPOS
Bebê nasce com anticorpos contra covid-19
Vítima contou violência sexual para a tia ESTUPRO DE VULNERÁVEL
Idoso é denunciado por estuprar filha de amigos e a enteada
FENÔMENO DA NATUREZA
Evento raro: Lua Azul poderá ser vista no Dia das Bruxas
AUXILIO POPULAÇÃO
Caixa deposita auxílio emergencial nesta 5ª feira para nascidos em novembro
FOI MAL
Bolsonaro recua e revoga decreto que facilita privatização dos postos do SUS
90% RECUPERADOS
Brasil tem 158,4 mil mortes por covid-19 desde início da pandemia