Menu
SADER_FULL
segunda, 12 de abril de 2021
Busca
Brasil

Brasileiros encaram russos, apostando no saque

21 Ago 2004 - 09h10
O próximo adversário da seleção brasileira masculina de vôlei nos Jogos Olímpicos de Atenas não é muito conhecido do time de Bernardinho. Sem disputar a última edição da Liga Mundial, a Rússia é vista com certa reserva pelo selecionado nacional. As duas equipes enfrentam-se neste sábado, às 15h30, no Ginásio Paz e Amizade.

A estratégia para o confronto já foi definida: investir pesado no saque. Para o técnico Bernardinho, essa será a chave do resultado. O objetivo é quebrar o ritmo dos adversários, colocando muita velocidade na ação brasileira.

"Tem que forçar mais o saque, quebrar o passe deles. Nosso jogo é velocidade acima de tudo. Tem que ter velocidade, botar pressão", destaca.

O Brasil lidera invicto o grupo B do torneio com seis pontos. Os russos estão em segundo lugar com uma derrota em três jogos. Esse será o penúltimo compromisso brasileiro antes das quartas-de-final. Na segunda-feira, os brasileiros encaram os Estados Unidos, fechando sua participação na primeira fase da competição.

 

 

Terra

Deixe seu Comentário

Leia Também

NOVO CÓDIGO DE TRANSITO
Novo Código de Trânsito entra em vigor na segunda-feira; veja mudanças
LOCKDOWN É A SOLUÇÃO?
Araraquara X Bauru: dois retratos do Brasil com e sem lockdown contra a covid-19
AGRICULTURA SUSTENTAVEL NO MUNDO
II Congresso Mundial de Integração Lavoura-Pecuária-Floresta deve receber 1 mil inscrições
MORTANDADE
Brasil bate marca de 4 mil mortes por Covid registradas em um dia pela 1ª vez
COPA LIBERTADORES
Santos vence o San Lorenzo na Argentina e abre vantagem por vaga nos grupos da Libertadores
FATALIDADE
Técnico de informática morre após levar choque a partir de fone de ouvido
CANALHA
Pai comete estupro e diz que filha precisa saber "como é ter um homem"
SOB INVESTIGAÇÃO
Cantor gospel e pastor é encontrado morto e amarrado em árvore
CONTAMINAÇÃO
Igrejas superam mercado e consultório médico em risco de transmissão de Covid-19, aponta estudo
CRISE NA PANDEMIA
Número de brasileiros que vivem na pobreza quase triplicou em seis meses, diz FGV