Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
sexta, 7 de maio de 2021
Busca
Brasil

Brasileira é condenada à prisão nos Emirados Árabes por fazer sexo

12 Ago 2010 - 16h34Por Agência Brasil
O Ministério das Relações Exteriores e a Embaixada do Brasil nos Emirados Árabes informaram que estão à disposição para ajudar a família da brasileira, de 14 anos, condenada a seis meses de prisão por ter mantido relações sexuais com um homem - sem ser casada com ele. O paquistanês, de 25 anos, contou às autoridades policiais que tinha um relacionamento com a brasileira. As informações são da agência BBC Brasil e do Itamaraty.

O Itamaraty e a Embaixada do Brasil preservam a identidade da adolescente e os detalhes do processo para evitar o agravamento da sentença e eventuais prejuízos nos trâmites legais do caso. De acordo com diplomatas, a família da brasileira vai entrar com um recurso na tentativa de reverter a pena. A ideia é garantir que a adolescente aguarde em liberdade até o fim da ação.

Inicialmente, a adolescente disse que foi estuprada pelo paquistanês, que trabalhava como motorista de ônibus escolar. Depois, afirmou, segundo as autoridades dos Emirados Árabes, ter mantido relações sexuais consensuais com ele. O ato de manter relações sexuais, mesmo que consensuais, fora do casamento é considerado ilegal nos Emirados Árabes Unidos.

O ministro-conselheiro da embaixada brasileira, Arthur Nogueira, disse que a mãe da adolescente, uma brasileira, e seu padrasto, um alemão, estão muito tensos com a situação. Segundo o diplomata, a família mora há cerca de um ano em Abu Dhabi, nos Emirados Árabes Unidos, onde o padrasto da adolescente trabalha para uma empresa estrangeira.

“Tanto a mãe quanto o padrasto estão extremamente nervosos com a situação da filha, pois eles têm conhecimento das severas leis do país árabe”, revelou Nogueira.

O diplomata afirmou ainda que a adolescente está em casa na companhia da família e aguarda o processo em liberdade, mas que a situação pode mudar a qualquer momento. A expectativa é que o juiz responsável pelo processo, Saeed Abdul Bashir, decrete a prisão da adolescente a qualquer instante.

O diplomata afirmou que o processo foi julgado apenas em primeira instância, por isso é possível recorrer e até reverter a pena. “[A adolescente] foi condenada, em primeira instância, a seis meses de prisão seguido de deportação. Ela não foi presa ainda porque a sentença lida pelo juiz da Sharia [lei islâmica, vigente no país] ainda não foi publicada”, disse Nogueira. “O advogado entrou com um pedido de suspensão da aplicação da sentença até o desfecho do caso.”

Deixe seu Comentário

Leia Também

ESCALADA DA VIOLÊNCIA
Operação mais letal da história deixa 25 mortos no Jacarezinho
VITIMA DO MASSACRE
'Fiquei vendo costurarem os ferimentos. Chorava, orava e agradecia por ele estar vivo, diz mãe
FRIO - FÁTIMA DO SUL NOVA ONDA DE FRIO
Frio de origem polar começa a ser sentido novamente e terá geada
TERROR NA CRECHE
Sob forte emoção moradores de Saudades realizam velório coletivo das vítimas do ataque à creche
CHEGANDO FORTE
Frio chega com força e provoca geada no Sul
TERROR EM CRECHE
Jovem invade escola e mata três crianças e duas funcionárias
PÉSSIMA PROJEÇÃO
Covid-19: Brasil deve alcançar 575 mil mortes em 1º de agosto, diz instituto
SONHO INTERROMPIDO
Jovem perde noivo para a Covid-19 no dia do casamento: 'Nossos sonhos ficaram para trás'
PANDEMIA CORONAVIRUS
Triste número: Brasil ultrapassa 400 mil mortes por Covid-19
REVOLTA
Pastor zomba da fé dos indígenas Trukás que revoltados quebram templo em construção; veja o vídeo