Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
domingo, 14 de agosto de 2022
BANNER IMPRESSORAS
Busca
Brasil

Brasileira é condenada à prisão nos Emirados Árabes por fazer sexo

12 Ago 2010 - 16h34Por Agência Brasil
O Ministério das Relações Exteriores e a Embaixada do Brasil nos Emirados Árabes informaram que estão à disposição para ajudar a família da brasileira, de 14 anos, condenada a seis meses de prisão por ter mantido relações sexuais com um homem - sem ser casada com ele. O paquistanês, de 25 anos, contou às autoridades policiais que tinha um relacionamento com a brasileira. As informações são da agência BBC Brasil e do Itamaraty.

O Itamaraty e a Embaixada do Brasil preservam a identidade da adolescente e os detalhes do processo para evitar o agravamento da sentença e eventuais prejuízos nos trâmites legais do caso. De acordo com diplomatas, a família da brasileira vai entrar com um recurso na tentativa de reverter a pena. A ideia é garantir que a adolescente aguarde em liberdade até o fim da ação.

Inicialmente, a adolescente disse que foi estuprada pelo paquistanês, que trabalhava como motorista de ônibus escolar. Depois, afirmou, segundo as autoridades dos Emirados Árabes, ter mantido relações sexuais consensuais com ele. O ato de manter relações sexuais, mesmo que consensuais, fora do casamento é considerado ilegal nos Emirados Árabes Unidos.

O ministro-conselheiro da embaixada brasileira, Arthur Nogueira, disse que a mãe da adolescente, uma brasileira, e seu padrasto, um alemão, estão muito tensos com a situação. Segundo o diplomata, a família mora há cerca de um ano em Abu Dhabi, nos Emirados Árabes Unidos, onde o padrasto da adolescente trabalha para uma empresa estrangeira.

“Tanto a mãe quanto o padrasto estão extremamente nervosos com a situação da filha, pois eles têm conhecimento das severas leis do país árabe”, revelou Nogueira.

O diplomata afirmou ainda que a adolescente está em casa na companhia da família e aguarda o processo em liberdade, mas que a situação pode mudar a qualquer momento. A expectativa é que o juiz responsável pelo processo, Saeed Abdul Bashir, decrete a prisão da adolescente a qualquer instante.

O diplomata afirmou que o processo foi julgado apenas em primeira instância, por isso é possível recorrer e até reverter a pena. “[A adolescente] foi condenada, em primeira instância, a seis meses de prisão seguido de deportação. Ela não foi presa ainda porque a sentença lida pelo juiz da Sharia [lei islâmica, vigente no país] ainda não foi publicada”, disse Nogueira. “O advogado entrou com um pedido de suspensão da aplicação da sentença até o desfecho do caso.”

Leia Também

ACIDENTE FATAL
Motociclista de 27 anos bate na traseira de trator e morre em vicinal
TRAGEDIA NA RODOVIA
Sete pessoas morrem e três ficam feridas em acidente entre caminhão e van
AUXILIO POPULAÇÃO
Governo libera empréstimo consignado para beneficiários do Auxílio Brasil
TRAGÉDIA
Carro explode durante abastecimento e amputa pernas de frentista
NOITE DE TERROR
Moradores relatam medo vivido em confronto com oito mortos
ACIDENTE DE TRABALHO FATAL
Trabalhador morre soterrado ao fazer limpeza em silo de grãos
AGRESSÃO NA ESCOLA
Mulher invade escola e espanca aluna a pauladas
COVID NO BRASIL
Covid-19: Brasil ultrapassa o número de 680 mil mortos pela doença
AUXÍLIO BRASIL AUXILIO POPULAÇÃO
Auxílio Brasil de R$ 600 e vale-gás saem hoje para mais um grupo
BRASIL + POBRE
Estudo mostra alta da pobreza em regiões metropolitanas