Menu
SADER_FULL
domingo, 16 de maio de 2021
Busca
Brasil

Brasil quer liderar exportação de álcool em 2005

3 Dez 2004 - 08h04
As perspectivas do setor de açúcar e do álcool estão em debate hoje no Itamaraty, em Brasília, por produtores, políticos e representantes do governo no seminário "O Brasil e a Energia do Século XXI: Açúcar e Etanol".

Maior produtor mundial de cana de açúcar, o Brasil também espera ser o líder na exportação de álcool em 2005 e aproveitar as oportunidades que se tornam potenciais com a aceitação pela maior parte dos países do Protocolo de Kyoto.

O protocolo, que deve entrar em vigor no dia 16 de fevereiro de 2005, é um acordo internacional com o objetivo de limitar a emissão pelos países desenvolvidos de gases responsáveis pelo aquecimento do planeta e que, por outro lado, pretende garantir um modelo de desenvolvimento sem poluição por parte dos países em desenvolvimento.

"O consumo de energia continuará aumentando e isso depende do adequado planejamento. Tanto dos poderes públicos, quanto da iniciativa privada", argumenta o deputado João Pizolatti (PP-SC), presidente da Comissão de Minas e Energia da Câmara dos Deputados.

Ele lembrou que o setor vem obtendo sucesso expressivo desde que começou com o Proálcool , em 1975, em resposta ao primeiro choque do petróleo, até a desregulamentação do setor, em 1990, sendo hoje um exemplo de autogestão.

Só neste ano, as exportações de açúcar e álcool devem render ao país cerca de US$ 3 bilhões - um crescimento de 32% na comparação com 2003. Especificamente no caso do álcool, as exportações devem alcançar 2,2 bilhões de litros.

Um recorde, nunca imaginado até pelos representantes do setor como o presidente da União da Agroindústria Canavieira de São Paulo, Eduardo Carvalho. "A história do setor nos últimos 30 anos é de enorme crescimento. E isso se dá porque nós somos os mais competitivos produtores de açúcar e de álcool do mundo. Nós só precisamos é desenvolver mercados.", diz.

Carvalho também não vê problemas quanto à infra-estrutura do país, que o governo tenta resolver com as PPPs (parcerias público-privadas). Segundo ele, há um esforço de todos para solucionar a questão dos "gargalos" e não há problemas quanto aos terminais de açúcar e sim para a estocagem de álcool.

Hoje, o Brasil é reconhecidamente um país de ponta quando se trata da eficiência na produção no setor sucroalcooleiro a ponto de sofrer constantemente a imposição de barreiras econômicas dos países mais desenvolvidos e blocos econômicos, como a União Européia.

"Esse setor é um no qual o país se orgulha muito por todos os benefícios que ele traz internamente e por todas as projeções que eles nos conferem em termos internacionais,", disse o embaixador Mario Vilalva , diretor do Departamento de Promoção Comercial do Ministério das Relações Exteriores.

Ele lembra que existem outras experiências sendo realizadas no mundo mas nenhuma chegou ao estágio em que está o etanol (álcool combustível) no Brasil.

Segundo números divulgados pelo embaixador, o Brasil é hoje o maior produtor mundial de cana e cerca de 50% são destinados ao etanol. Ele disse também que o país tem processado grande quantidade de cana e na safra 2003/2004 foram 357 milhões de toneladas, 28 milhões de toneladas de açúcar e 15 bilhões de litros de álcool.

Para a secretária de Petróleo, Gás Natural e Combustíveis Renováveis, Maria das Graças Foster, o Brasil, que já é respeitado quando se trata de exploração de petróleo em águas profundas e referência na produção e consumo de álcool, passará também a ser destaque no uso do biodiesel (óleo de origem vegetal e adicionado ao diesel, como o álcool é misturado hoje à gasolina).
 
 
Agência Brasil

Deixe seu Comentário

Leia Também

SONHO INTERROMPIDO
Agente educacional morta em ataque a creche em Saudades queria fazer intercâmbio no Canadá
PESQUISA PRESIDENCIAL
Datafolha mostra Lula disparado na corrida eleitoral
NOVA INFECÇÃO
Covid-19: após 3 semanas de queda, casos de coronavírus avançam no Brasil puxados por 9 Estados
TRISTEZA NA FAMILIA
Seis pessoas da mesma familia morrem vítimas da Covid-19
NOVAS REGRAS
WhatsApp: o que acontece se você não aceitar novas regras do aplicativo até 15 de maio
FAMOSIDADES
Pai da campeã do 'BBB 21' Juliette vive em casinha de barro na Paraíba
CACHAÇA
Jovem enfia garrafa no ânus durante bebedeira e vai parar no hospital
ESCALADA DA VIOLÊNCIA
Operação mais letal da história deixa 25 mortos no Jacarezinho
VITIMA DO MASSACRE
'Fiquei vendo costurarem os ferimentos. Chorava, orava e agradecia por ele estar vivo, diz mãe
FRIO - FÁTIMA DO SUL NOVA ONDA DE FRIO
Frio de origem polar começa a ser sentido novamente e terá geada