Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
terça, 19 de janeiro de 2021
Busca
Brasil

Brasil passa a ter 21 varas e 23 juizados especiais de violência contra a mulher

15 Mar 2011 - 06h02Por

O Brasil tem 21 varas especializadas em violência doméstica e familiar contra a mulher, com a instalação, na sexta-feira (11/03), no Espírito Santo, de mais uma, na comarca de Vila Velha.

Além das varas especializadas, o Brasil conta, atualmente, com 22 juizados especiais de violência contra a mulher – número que deverá ser ampliado até o final do ano. Tais juizados e varas começaram a ser instalados nos estados a partir da sanção da Lei Maria da Penha, em 2006.

O trabalho executado nestes locais, como a abertura e tramitação de processos e o número de sentenças conferidas, tem sido acompanhado de perto pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ).

Além do desempenho destas varas e juizados especiais, todo o processo de criação dos mesmos pelos tribunais de justiça e a eficácia da Lei Maria da Penha serão discutidos, no próximo dia 22 de março em Brasília, durante a realização da quinta edição da chamada Jornada Maria da Penha.

Evento que contará com a participação de magistrados, juristas e operadores de direito.

Conforme balanço parcial do CNJ, as unidades da federação que mais possuem juizados especiais de violência doméstica e familiar contra a mulher são, hoje, Rio de Janeiro e Distrito Federal.

Já em relação às varas especializadas, os estados que possuem maior número são Mato Grosso, Tocantins e Espírito Santo - cada um, três varas - seguidos da Bahia e Minas Gerais.

De um modo geral, desde que foi sancionada, a Lei Maria da Penha já foi responsável por quase 77 mil sentenças proferidas, mais de 330 mil processos, quase duas mil prisões preventivas e cerca de oito mil prisões em flagrante. O levantamento, porém, ainda não é completo, porque aguarda informações mais detalhadas das varas e juizados especiais.

Acompanhamento

O CNJ tem atuado, ao longo dos últimos cinco anos, na difusão do teor da Lei Maria da Penha entre a população - como forma de facilitar o acesso à Justiça por parte da mulher que sofre violência doméstica.

E, também, na implantação de iniciativas que envolvem ações diversas nos estados, tais como o acompanhamento dos juizados e das varas de violência doméstica contra a mulher, dos processos abertos e em tramitação e das sentenças concedidas.

Além disso, como parte da campanha de conscientização sobre a Lei Maria da Penha, o Conselho está veiculando, desde o dia 8 de março, campanha nacional sobre o tema.

A jornada Maria da Penha tem o propósito de discutir a legislação, bem como a instalação e funcionamento destes juizados e varas. Objetiva, ainda, abordar aspectos jurídicos do texto.(CNJ de Notícias)

Deixe seu Comentário

Leia Também

SEU BOLSO
Litro da gasolina sobe R$ 0,15 nas refinarias da Petrobras
ESTUPRO DE VULNERÁVEL
Na calada da noite, namorado da avó estupra criança de 12 anos e é espancado por vizinhos
CONCURSO PÚBLICO
Concurso da Aeronáutica somam com as 21 mil vagas em outros concursos que a semana oferece
DEU RUIM
Jovem é atingido por raio enquanto usava celular no banheiro
PROVA DO ENEM
Confira as medidas de segurança durante a prova do Enem
SAIU O EDITAL
Com salário de até R$ 23,6 mil, Polícia Federal abre inscrição em concurso no dia 22
DESESPERO EM MANAUS
Médicos e familiares de pacientes descrevem colapso com falta de oxigênio em Manaus; leia relatos
AUXILIO POPULAÇÃO
Caixa libera saque da última parcela do auxílio emergencial a aniversariantes em julho
HORROR NA NOITE
Crianças são encontradas chorando ao lado de corpos de pais assassinados
DOR E DESCASO
Filho é obrigado abrir cova para enterrar próprio pai por não encontrar coveiro em cemitério