Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
quarta, 21 de abril de 2021
Busca
Brasil

Brasil enfrenta Austrália em busca da final no basquete

27 Ago 2004 - 08h56
O Brasil reencontra nesta sexta-feira seu pior algoz desde que ascendeu à elite do basquete, com o título do Mundial feminino de 1994. A Austrália, rival na semifinal do torneio olímpico, às 10h45, tem sido a pedra no caminho da seleção.

Nenhum time enfrentou mais o Brasil nos últimos dez anos em Mundiais e Olimpíadas. Pior: as australianas foram quem mais vezes ganharam das brasileiras no período. Mais até que os EUA.

Foram seis duelos com o país da Oceania, com só uma vitória. Houve três confrontos com as americanas, com duas derrotas.

No Mundial da Alemanha-98, o Brasil perdeu duas vezes para seu carrasco. Na última delas, na luta pelo bronze, ficou fora do pódio.

Dois anos depois, o Brasil bisou o mau retrospecto diante das australianas. O time do técnico Antonio Carlos Barbosa caiu duas vezes: na fase de classificação e na semifinal. Teve que se contentar com o terceiro lugar, após bater a Coréia do Sul na prorrogação.

Nem quando derrotou o time da terra do canguru, o Brasil se deu bem. No Mundial da China, em 2002, a equipe obteve uma vitória apertada por 75 a 74. Depois, porém, caiu diante de Coréia do Sul e China, e ficou fora de uma semifinal de Mundial ou Olimpíada pela primeira vez desde 1992.

"A campanha na China foi uma aberração. Montamos o time às pressas e não tivemos tempo de treino", afirma Barbosa.

Em Atenas, a derrota para a Austrália foi estratégica. Para evitar os EUA na semifinal, o Brasil teria que vencer por 15 pontos de diferença ou perder o duelo.

A equipe optou pela segunda alternativa, e Barbosa escalou as reservas para atuarem a maior parte do segundo tempo. "Aquele jogo não serve de parâmetro. Fomos muito mal. Agora temos que jogar intensamente se quisermos vencer", disse a ala-armadora Iziane.

Para chegar a essa fase, a Austrália fez uma campanha perfeita. Após seis jogos, é o único invicto, ao lado dos EUA, que pegam na sexta a Rússia, na outra semifinal. Apesar da boa vitória sobre o Brasil na primeira fase, a Austrália não usará o discurso da Espanha, cujo técnico subestimou as brasileiras.

"É um time muito forte, com grandes jogadoras como Alessandra e Janeth. Queremos jogar a decisão, mas estamos focadas na semifinal", disse a ala Lauren Jackson, destaque da Austrália.
 
Folha Online

Deixe seu Comentário

Leia Também

BRUTALIDADE
Adolescente queimado por negar sexo com homens morre em hospital
VACINA RUSSA
Governador diz que consórcio vai adquirir 28 milhões da vacina Sputnik V
LUTO NA SAÚDE
Dias após perder os pais, médica de 36 anos morre de Covid-19
VITIMA DA COVID 19
Vídeo: enfermeiro que receitava cloroquina se passando por médico morre de Covid-19
OS AMORES DO REI
Roberto Carlos teve três casamentos, paixões secretas e perdas em seus 80 anos
JUVENTUDE EM ALERTA
Covid: Variante acelera intubação de jovens e SP orienta procurar ajuda no 1º dia de sintomas
ATAQUE CANINO
Pit bull mata criança de 2 anos e deixa o irmão dela ferido
VIDEO CAPIVARA NA IGREJA
Capivara invade igreja: 'acho que ela veio rezar conosco', brinca Padre
BEBEDEIRA
Idoso conhece mulher, leva para casa é atacado a facadas
ROUBO DE CARGA
Três mil pessoas roubam carga de carne após carreta tombar e provocam novo acidente