Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
sexta, 25 de setembro de 2020
SADER_FULL
Busca
ZANZI
Brasil

Brasil é o 76° colocado em ranking que avalia generosidade

8 Set 2010 - 09h26Por Agência Brasil

Em um ranking internacional de generosidade que avaliou o grau de envolvimento da população em ações de caridade, os brasileiros ocupam o 76º lugar. Na América Latina, o Brasil aparece atrás de 15 países, empatado com a Argentina e a Nicarágua. As informações são da agência BBC Brasil.

A liderança ficou com a Austrália e Nova Zelândia. Em segundo lugar, aparecem empatados o Canadá e a Irlanda, e em terceiro, a Suíça e os Estados Unidos. Foram analisados 153 países pela organização não governamental Charities Aid Foundation, que criou o World Giving Index (Índice da Generosidade Mundial, em tradução livre). Essas nações concentram 95% da população mundial.

Os entrevistados responderam a perguntas sobre doações para entidades beneficentes, tempo gasto em trabalho voluntário e ajuda a estranhos. Na relação dos países que integram o Bric (Brasil, Rússia, Índia e China), os brasileiros são os mais generosos. Depois vêm os indianos (134º lugar), russos (138º), e chineses (147º).

Os cincos últimos do ranking são a Grécia, Sérvia, Ucrânia, o Burundi e Madagascar. Em cada país, foram entrevistadas mil pessoas que vivem em centros urbanos. Em países mais populosos, como a China e Rússia, a amostragem foi feita com 2 mil entrevistados.

O índice leva em consideração três aspectos: doação de dinheiro para organizações, trabalho voluntário e ajuda a pessoas estranhas. No Brasil, quase metade dos entrevistados (49%) disse ter ajudado pessoas que não conheciam no último mês.

O índice no qual os brasileiros demonstram menos solidariedade é o de trabalho voluntário – 15% afirmaram ter se voluntariado em alguma organização no último mês. Em países que lideram o ranking, como a Austrália, Suíça e os Estados Unidos, o índice é mais do que o dobro do brasileiro.

No Haiti, país que atravessou crises políticas e foi atingido por um terremoto de grandes proporções em janeiro deste ano, 38% dos entrevistados disseram que fazem trabalho voluntário. Um em cada quatro entrevistados no Brasil afirmou que contribui com dinheiro para alguma organização, que inclui instituições de caridade, partidos políticos ou igrejas.

Na Austrália, país que lidera o ranking ao lado da Nova Zelândia, 70% das pessoas entrevistadas afirmaram que doam dinheiro para entidades sociais.

Segundo a Charities Aid Foundation, as ações caridosas variam muito entre os países devido a diferenças culturais. Cada nação tem conceitos diferentes sobre o que é ser generoso. No entanto, a pesquisa identificou um padrão global: quanto mais velhas as pessoas, mais generosas elas costumam ser. Segundo a entidade, isso tem relação com o melhor nível econômico dos mais velhos em cada país.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Motorista registrou a travessia de uma jiboia na avenida Ayrton Senna, na Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro. FORA DO HABITAT
VÍDEO: motorista flagra jiboia cruzando pista de avenida no RJ: 'olha isso'
Só queria que me entendessem sem preconceito! PRECONCEITO
Jovem é expulso de casa ao assumir namoro com mulher trans
Yan e um comparsa renderam mãe e filha na rua CRIMINOSO
Bandido morto pela PM arrancou família de carro e agrediu mulher uma semana antes
O diesel não sofreu reajuste. + ALTA
Gasolina sobe 4% nas refinarias, anuncia Petrobras
O total de mortes causadas por covid-19 chega a 138.108, um acréscimo de 0,6% sobre a soma de segunda Saúde
Covid-19: Brasil tem 33,5 mil novos casos e 836 mortes em 24 horas
HERANÇA PORTUGUESA
A herança portuguesa na vida cotidiana do Brasil
Os beneficiários nascidos em janeiro  3,9 milhões de pessoas  poderão sacar AJUDA FINANCEIRA
Caixa paga nova parcela do auxílio emergencial para 5,6 milhões de pessoas
o maior programa de assistência aos mais pobres no Brasil e talvez um dos maiores do mundo PRESIDENTE NA ONU
Bolsonaro diz que brasileiros receberam mil dólares de auxílio
Imagem: Reprodução/Balanço Geral Londrina FUGA EM MASSA
Presos fogem de cadeia após surto de Covid-19
Material estava dentro de uma bexiga e enrolado com fita isolante PROFUNDEZAS DO CRIME
8 celulares e outros materiais são retirados do ânus de preso