Menu
SADER_FULL
domingo, 24 de outubro de 2021
Busca
Brasil

Brasil é 86º em ranking de mortalidade infantil do Unicef

11 Dez 2006 - 13h36

O relatório anual Situação Mundial da Infância do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef), que será divulgado nesta segunda-feira (11), mostra que o Brasil avançou, mas perdeu posições para países mais pobres que melhoraram com mais rapidez as condições de vida de suas crianças.

O país está em 86º lugar numa lista de 190 nações preparada com base na mortalidade de crianças menores de 5 anos. É o quinto ano consecutivo que o Brasil cai no ranking. Desde 2003, já perdeu sete posições.

De acordo com o relatório, a cada grupo de mil crianças brasileiras nascidas vivas, 33 morrem antes de completar 5 anos de idade. No ranking anterior, o índice de mortalidade era de 34 para cada grupo de mil.

Pelos critérios definidos pelo Unicef, o país de melhor desempenho entre todos os aferidos, San Marino, figura na 190ª posição. No ano passado, o Brasil era o 88º colocado. Em 2003, era o 93º.

A comparação com os vizinhos da América Latina é dolorosa. Entre 21 países, o Brasil é o 15º. A maior economia da América Latina fica atrás de El Salvador e República Dominicana, e muito longe de Argentina, Uruguai e Chile.

A queda do país na classificação geral é explicada pelo avanço de dois pequenos países. Belize, na América Central, deu um salto surpreendente: aparecia atrás do Brasil, na 81ª posição, e pulou para a 125ª. As Ilhas Salomão, que hoje ocupam a posição que foi do Brasil três anos atrás, ainda eram o 70º no ano passado.

Para completar, o Egito, que ficava duas posições atrás no levantamento anterior, hoje já empata com o Brasil.

Lentidão no avanço
A baixa velocidade de avanços do país é uma constante nos estudos mundiais. Assim foi no Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) deste ano, também preparado pelas Nações Unidas. O país recuou uma posição, da 68ª para 69ª, embora seu índice tenha melhorado, de 0,788 para 0,792. O avanço, porém, não foi suficiente e o posto do Brasil no ranking foi ocupado pela Bielo-Rússia, que cresceu em ritmo mais rápido no último ano.

A coordenadora do Unicef no Brasil, Marie-Pierre Poitier, explica que é sempre mais fácil partir de um patamar muito alto de mortalidade infantil para um médio, como o Brasil já fez. Em dez anos, o país conseguiu reduzir 40% no seu índice. Mas desacelerou. “O Brasil está chegando no último desafio. O mais fácil se resolveu. Agora tem que se tocar na agenda que ainda não se resolveu. É preciso se preocupar com o desenvolvimento para todos”, diz Marie-Pierre.

O problema brasileiro é que os dados nacionais escondem realidades regionais muito díspares. O país tem índices melhores nos grandes centros e nas cidades médias dos Estados mais ricos, mas persistem bolsões de miséria nas regiões Nordeste e Norte e nas periferias das grandes cidades.

“Nas décadas de 80 e 90, houve uma grande mobilização e se conseguiu resultados impressionantes. Depois, talvez tenha se achado que já estava resolvido. Mas o Brasil é um país muito complexo e que tem condições de fazer melhor: 80% de um sucesso não é suficiente”, avalia Marie-Pierre.

Consultado sobre o relatório do Unicef, o Ministério da Saúde _que levanta os dados de mortalidade infantil e suas causas_ preferiu não se pronunciar. De acordo com a assessoria, o ministério vai esperar a divulgação oficial do documento.

 

 

G1

Leia Também

LIÇÕES DA BÍBLIA
Circuncidem seu coração
OLIMPÍADA 2024
Atletas de MS terão bolsas de até R$ 7 mil para competir nos jogos olímpicos
LIÇÕES DA BÍBLIA
Estudo adicional
VOLTOU A SUBIR
Covid-19: Brasil registra 15.609 casos e 373 mortes em 24 horas
ESTAVA DESAPARECIDO
Corpo de pescador é encontrado dentro de jacaré
LIÇÕES DA BÍBLIA
O principal mandamento
BAIXARAM A GUARDA
Covid-19: Brasil registra 390 mortes e 12,9 mil casos em 24 horas
LIÇÕES DA BÍBLIA
Se me amam, guardarão os Meus mandamentos
OPORTUNIDADE DE EMPREGO
Funtrab está com 655 vagas para indígenas interessados em trabalhar em lavouras de maçã em SC e RS
ALERTA TEMPORAIS
Chance de Tempestades (La Ninã) no final do ano é de 87%, aponta atualização do NOAA