Menu
SADER_FULL
domingo, 16 de maio de 2021
Busca
Brasil

Brasil é 3° em mortalidade infantil, diz Unicef

9 Dez 2004 - 17h45
A taxa de mortalidade infantil no Brasil é a terceira mais alta da América do Sul, segundo o relatório Situação Mundial da Infância 2005 - Infância Ameaçada, divulgado hoje pelo Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef). Para cada mil nascidos vivos no país, 33 morreram antes de completar um ano de vida, em 2003.

Em relação aos países vizinhos, a situação brasileira só é pior que a da Guiana e da Bolívia, que possuem taxas de mortalidade infantil de 52 e 53 óbitos para cada mil nascidos vivos, respectivamente.

O relatório também menciona números mais recentes divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), que calculou 27,5 mortes por mil nascidos vivos.

Para o Unicef, os números são muito altos para um país como o Brasil, apesar das reduções na taxa de mortalidade infantil verificadas nas duas últimas décadas. Em 1980, por exemplo, quase 290 mil crianças morreram antes de completar o primeiro aniversário.

Se for considerado o número de mortes de crianças menores de cinco anos, o Brasil tem uma taxa de mortalidade de 35 óbitos para cada mil nascidos vivos, ocupando a 90ª posição no ranking mundial. Nessa lista, países como Vietnã, cuja taxa de mortalidade infantil é de 23 óbitos para cada grupo de mil crianças, e o México, onde morrem 28 a cada mil nascidos vivos, estão mais bem colocados que o Brasil.

O relatório aponta as dificuldades que tornam as crianças brasileiras mais vulneráveis à mortalidade infantil. Meninos e meninas que vivem em famílias de baixa renda têm duas vezes menos chances de completar o primeiro aniversário do que aqueles que são de famílias com maior renda.

A escolaridade da mãe também é outro fator de peso: crianças cujas mães estudaram até três anos têm quase o dobro de risco de morrer antes de completar um ano de vida do que crianças com mães que têm oito anos ou mais de estudo.

Segundo a a representante do Unicef no Brasil, Marie Pierre Poirier, a mortalidade infantil também está relacionada à falta de acesso à saneamento básico e à água potável.

"Crianças que vivem em famílias pobres não tem acesso à água potável como crianças que vivem em famílias ricas. 35% das famílias pobres não têm acesso à água potável, quando só 0,5% das famílias mais ricas têm esse problema", destaca Marie Pierre.

Em relação a sanemanto, ela salienta que 64% da população pobre não tem acesso à tratamento de esgoto, problema que atinge 8,4% da população mais rica.

 

Agência Brasil

Deixe seu Comentário

Leia Também

SONHO INTERROMPIDO
Agente educacional morta em ataque a creche em Saudades queria fazer intercâmbio no Canadá
PESQUISA PRESIDENCIAL
Datafolha mostra Lula disparado na corrida eleitoral
NOVA INFECÇÃO
Covid-19: após 3 semanas de queda, casos de coronavírus avançam no Brasil puxados por 9 Estados
TRISTEZA NA FAMILIA
Seis pessoas da mesma familia morrem vítimas da Covid-19
NOVAS REGRAS
WhatsApp: o que acontece se você não aceitar novas regras do aplicativo até 15 de maio
FAMOSIDADES
Pai da campeã do 'BBB 21' Juliette vive em casinha de barro na Paraíba
CACHAÇA
Jovem enfia garrafa no ânus durante bebedeira e vai parar no hospital
ESCALADA DA VIOLÊNCIA
Operação mais letal da história deixa 25 mortos no Jacarezinho
VITIMA DO MASSACRE
'Fiquei vendo costurarem os ferimentos. Chorava, orava e agradecia por ele estar vivo, diz mãe
FRIO - FÁTIMA DO SUL NOVA ONDA DE FRIO
Frio de origem polar começa a ser sentido novamente e terá geada