Menu
SADER_FULL
quarta, 19 de janeiro de 2022
Busca
Brasil

Brasil deve criar mais de 2 milhões de empregos este ano

5 Fev 2010 - 16h37Por Agência Brasil

 
O Brasil deve criar mais de 2 milhões de empregos este ano, a estimativa é do chefe da Divisão de Estudos Econômicos da Federação das Indústrias do Rio de Janeiro (Firjan), Guilherme Mercês.

Segundo ele, a tendência é que haja um dinamismo ainda maior do emprego este ano do que ocorreu em 2009. “Com certeza.

A demanda interna aquecida delineia perspectivas muito favoráveis para 2010, muito acima das de 2009”. Ele lembrou que as estimativas são de criação de mais de dois milhões de empregos formais em todo o país, este ano.

A Firjan informou ontem (4) por meio de uma nota técnica, que apesar da crise internacional, foram criados no ano passado, no Rio de Janeiro, mais de 88 mil empregos.

Guilherme Mercês disse à Agência Brasil que no primeiro semestre o estado do Rio sofreu o impacto da crise de forma mais intensa.

Mas, no segundo semestre, “diante do aquecimento da demanda interna e de expectativas otimistas, o estado retomou os patamares de geração do pré-crise e criou 73.708 empregos formais”.

Isso significa, segundo ele, 4,8 vezes a mais do que o semestre anterior. “Dessa forma, a economia fluminense conseguiu registrar a criação de 88.875 empregos formais no ano passado”, disse.

A maior parte desses novos postos de trabalho (51.540 empregos) foi gerada na capital fluminense. “Mas o cenário de recuperação no segundo semestre se espalhou por todas as regiões do estado”, observou Mercês.

De acordo com a nota técnica da Firjan, elaborada com base nos dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério do Trabalho, a região leste foi a segunda maior contratante no ano passado, com 13.162 novas vagas, seguida da Baixada Fluminense, com 11.208 empregos.

O setor de serviços concentrou a maioria dos empregos criados no estado (54.591). A indústria gerou 7.033 empregos. Mercês destacou que esse é um fato muito importante, principalmente diante de um primeiro semestre de retração do emprego.

Explicou que pela sua própria essência, o setor de serviços é mais intensivo em mão de obra do que a indústria, “que carrega mais tecnologia e valor agregado nos seus bens”.

Leia Também

BAIXA RENDA
Auxílio Gás: governo libera o pagamento no valor de R$ 52
COVID NO BRASIL
Covid-19: Brasil tem um aumento e registra 351 mortes em 24 horas
OMICRON
Brasil dobra contágio nas 24h e registra 74,1 mil novos casos de covid-19 e 121 mortes
LIÇÕES DA BIBLIA
Carne e Sangue como nós
ABUSO SEXUAL
Meninas escutam mãe contando de abuso sexual e fazem relato chocante sobre tio-avô
COVID NO BRASIL
Em 24 horas, foram confirmados pelas autoridades sanitárias 24.934 novos casos de Covid-19
TRAGÉDIA NA FAMILIA
Jovem morre após ser atingido por avião agrícola pilotado pelo pai
TEMPORAL - VIDEO
Forte chuva derruba árvores e deixa 23 mil pessoas sem energia
COVID NO BRASIL
Em 24 horas, as autoridades de saúde notificaram 175 novos óbitos, totalizando 620.971
TRAGÉDIA
Deslizamento de terra destroi casarão histórico em Ouro Preto MG