Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
quarta, 19 de janeiro de 2022
Busca
Brasil

Brasil deve crescer em torno de 1,2% em 2009, diz Ipea

15 Out 2009 - 14h25

A economia brasileira deve ter crescimento em torno de 1,2% neste ano, prevê o Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada). Em entrevista nesta quinta-feira, após a divulgação da Carta de Conjuntura de setembro, os economistas do instituto João Sicsú e Roberto Messenberg afirmaram que a recuperação da economia vai continuar no 2º semestre, puxada pelo consumo interno.

 "Nós esperamos crescimento positivo em 2009, entre 0,2% e 1,2%, mais para 1,2%", disse Sicsú, diretor de Estudos e Políticas Macroeconômicos do Ipea.

"O consumo interno vai puxar a economia neste ano e o investimento virá como decorrência desse processo, e provavelmente no ano que vem teremos uma recuperação do nível do investimento."

Para 2010, a previsão dos economistas é de que a economia registre expansão de cerca de 5%. "Eu acredito que a economia brasileira possa se recuperar em 2010 para assumir a trajetória em que tinha caminhado em 2008", afirmou Sicsú. Messenberg, do Grupo de Análises e Previsões do instituto, alertou, porém, que o crescimento no próximo ano poderia ser maior, não fosse a contínua valorização do real frente ao dólar e uma possível elevação da taxa Selic pelo Banco Central. Para ele, esses dois fatores impactam diretamente os investimentos no país, e isso impede uma recuperação mais acelerada da indústria.

 "O crescimento baseado será em consumo, o nível de renda vai crescer. E então você tem a possibilidade de expansão da economia de uma demanda por um ganho de renda, que é um investimento especulativo, a meu ver. E isto não vai ser suficiente para ampliar o estoque de capital da economia a ponto de fazer com que ela possa crescer 5, 6% ao ano sem pressões inflacionárias", afirmou.

Quando isso acontecer, segundo ele, o BC vai voltar a subir o juro básico, atualmente em 8,75% ao ano, o patamar mais baixo da história. Sicsú ressaltou, no entanto, que o juro mais alto e o câmbio valorizado atrapalham, mas não impedem o crescimento do país.

 "A economia brasileira cresce mesmo com essas variáveis atrapalhando, mas o que nós estamos dizendo é que ela poderia crescer muito mais", disse.

Medidas

 O diretor do Ipea comentou ainda a retirada, segundo ele paulatina, das medidas de incentivo à economia do país. "Parece que o governo está sabendo sintonizar bem a inclusão e a exclusão de medidas ao longo desse período de crise e pós-crise", afirmou.

 Para ele, o governo deve mesmo prorrogar a redução do IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados) da linha branca para produtos como fogões, geladeiras e máquinas de lavar. Adotada para vigorar de abril a junho, com perda de R$ 264 milhões na arrecadação, a isenção do IPI dos produtos da linha branca foi prorrogada até o final deste mês.

 Entre janeiro e julho deste ano, os produtos da linha branca responderam por 11,3% das vendas de bens duráveis, ante 8,8% no mesmo período de 2008, de acordo com dados computados pela empresa de pesquisa GfK Brasil.

Leia Também

OMICRON
Brasil dobra contágio nas 24h e registra 74,1 mil novos casos de covid-19 e 121 mortes
LIÇÕES DA BIBLIA
Carne e Sangue como nós
ABUSO SEXUAL
Meninas escutam mãe contando de abuso sexual e fazem relato chocante sobre tio-avô
COVID NO BRASIL
Em 24 horas, foram confirmados pelas autoridades sanitárias 24.934 novos casos de Covid-19
TRAGÉDIA NA FAMILIA
Jovem morre após ser atingido por avião agrícola pilotado pelo pai
TEMPORAL - VIDEO
Forte chuva derruba árvores e deixa 23 mil pessoas sem energia
COVID NO BRASIL
Em 24 horas, as autoridades de saúde notificaram 175 novos óbitos, totalizando 620.971
TRAGÉDIA
Deslizamento de terra destroi casarão histórico em Ouro Preto MG
TRAGÉDIA NA FAMILIA
Pai, mãe e três filhas morrem em capotamento de caminhão
BIG BROTHER
Saiba quem foram os ex-BBBs que já morreram; 3 estiveram no BBB9