Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
quarta, 23 de junho de 2021
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
Brasil

Brasil cresce 1,3% no 3º trimestre, diz IBGE

10 Dez 2009 - 09h58Por G1

A economia brasileira voltou a crescer no terceiro trimestre deste ano, intensificando a retomada do crescimento após seis meses de recessão influenciada pela crise mundial. De julho a setembro, o Produto Interno Bruto (PIB) teve alta de 1,3% na comparação com o trimestre anterior, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).  O crescimento ficou abaixo do esperado pelo mercado, entre 1,5% e 2,6%.

Em valores correntes, o PIB alcançou R$ 797 bilhões no terceiro trimestre. Em valores adicionados, a agropecuária foi responsável por R$ 40,1 bilhões e a indústria, por R$ 181,9 bilhões. A participação de serviços foi de R$ 465,2 bilhões.

A economia do país, no entanto, ainda não recuperou as perdas sofridas com a recessão registrada entre outubro do ano passado e março deste ano: na comparação com o mesmo trimestre de 2008, o PIB segue em baixa, de 1,2%. No acumulado de janeiro a setembro, a queda ficou em 1,7% frente ao mesmo período de 2008.

Revisão

O IBGE também revisou para baixo o crescimento do PIB no segundo trimestre deste ano. A alta divulgada anteriormente, de 1,9% na comparação com os primeiros três meses do ano, foi revista para 1,1%.

"Particularmente, esse terceiro trimestre reflete um momento de crise que fez com que essa série tenha uma instabilidade maior de números", explicou Roberto Olinto, coordenador de contas nacionais do IBGE.

A revisão, segundo o IBGE, leva em conta a incorporação dos resultados anuais de 2007, a re-estimação dos quatro trimestres de 2008, a partir do novo 2007, incorporando revisões nos dados primários e a PNAD, e a re-estimação dos dois primeiros trimestres de 2009, com novas ponderações de 2008 e revisões nos dados primários.

Foram revisadas também as variações de trimestres anteriores: no primeiro trimestre do ano, a queda foi revista para 0,9% (o dado inicial era de -1,0%); no quarto trimestre de 2008, a baixa ficou em -2,9% (ante dado original de -3,4%); e no terceiro trimestre de 2008 a alta foi revisada para 1,1% (a divulgação original apontava crescimento de 1,3%). 

Indústria foi destaque

Na comparação com o trimestre anterior, a indústria foi destaque de crescimento, com alta de 2,9%, seguida por serviços, com alta de 1,6%. Já a agropecuária teve queda acentuada, de 2,5%.

Frente ao terceiro trimestre de 2008, a retração do setor agrícola foi ainda maior, de 9,0%. A indústria também teve forte contração, de 6,9%. O setor de serviços foi o único a registrar alta nessa base de comparação, de 2,1%.

A queda na agropecuária, segundo o IBGE, “pode ser explicada pelo desempenho de alguns produtos que possuem safra relevante no trimestre. Com exceção da cana-de-açúcar, com estimativa de crescimento anual de 6,9%, as estimativas para 2009 do trigo em grão (-15,1%), do café em grão (-13,8%), da mandioca (-0,3%) e da laranja (-0,1%) apresentaram quedas em relação ao ano anterior”.

Já na indústria, a construção civil, com recuo de 8,4% frente ao terceiro trimestre de 2008, foi o destaque negativo, seguida pela indústria de transformação, que se contraiu em 7,9%. 

Consumo das famílias

Na comparação com o segundo trimestre, o consumo das famílias cresceu 2,0% e foi um dos pontos mais favoráveis em relação à demanda interna. O consumo da administração pública teve alta menor, de 0,5%. O maior destaque foi para a formação bruta de capital fixo (investimento), que cresceu 6,5% no período.

Frente ao mesmo trimestre de 2008, o consumo das famílias mostrou o 24º crescimento consecutivo nessa comparação, de 3,9%. “Um dos fatores que contribuíram para este resultado foi a elevação de 2,5% da massa salarial real, com aumento de ocupação e do rendimento médio real do trabalho”, diz o IBGE em nota.

Nessa base, o consumo da administração pública teve alta mais modesta, de 1,6%, enquanto a formação bruta de capital fixo mostrou queda de 12,5%, influenciada principalmente pela redução da produção interna e da importação de máquinas e equipamentos.

Essa queda na formação bruta de capital fixo influenciou na redução da taxa de investimento no terceiro trimestre, para 17,7%. De julho a setembro de 2008, essa porcentagem ficara em 20,1%.

Exportações e importações têm segundo trimestre de alta
Pelo lado do setor externo, as Exportações de Bens e Serviços apresentaram tiveram alta de 0,5% e as Importações de Bens e Serviços cresceram 1,8%, no segundo crescimento seguido na comparação com o trimestre anterior.

Frente ao 2008, no entanto, houve queda acentuada, de 10,1% nas exportações e de 15,8% nas importações.

Deixe seu Comentário

Leia Também

JOGOS ONLINE
Expectativas para legalização de jogos de azar movimenta mercado internacional
Policial
Criança de 6 anos sofre trauma de crânio após cair de atração no Beto Carrero World
DOSE ÚNICA
Avião com 1,5 milhão de doses da Janssen chega amanhã, diz ministro
REAÇÃO CERTEIRA
Mulher flagra filha sofrendo estupro e esfaqueia pedófilo
VIOLENCIA DOMESTICA
Menina de 12 anos furta bisavô e leva 10 chibatadas da mãe por ordem do CV
MILIONÁRIO
Aposta única fatura prêmio de R$ 7 milhões da Mega-Sena
AUXILIO POPULAÇÃO
Caixa paga hoje 3ª parcela do auxílio emergencial para nascidos em março
LUTO NA MÚSICA
Cantora gospel que defendia tratamento precoce morre de Covid-19 após ter os pulmões comprometidos
VIDEO
Cliente carrega mangueira sem perceber e bomba pega fogo em posto de combustível de Foz do Iguaçu
AÇÕES DO GOVERNO MS
Reinaldo Azambuja propõe projeto com Itaipu para combater assoreamento nos rios Iguatemi e Amambai