Menu
SADER_FULL
segunda, 24 de janeiro de 2022
Busca
Brasil

Brasil cresce 1,3% no 3º trimestre, diz IBGE

10 Dez 2009 - 09h58Por G1

A economia brasileira voltou a crescer no terceiro trimestre deste ano, intensificando a retomada do crescimento após seis meses de recessão influenciada pela crise mundial. De julho a setembro, o Produto Interno Bruto (PIB) teve alta de 1,3% na comparação com o trimestre anterior, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).  O crescimento ficou abaixo do esperado pelo mercado, entre 1,5% e 2,6%.

Em valores correntes, o PIB alcançou R$ 797 bilhões no terceiro trimestre. Em valores adicionados, a agropecuária foi responsável por R$ 40,1 bilhões e a indústria, por R$ 181,9 bilhões. A participação de serviços foi de R$ 465,2 bilhões.

A economia do país, no entanto, ainda não recuperou as perdas sofridas com a recessão registrada entre outubro do ano passado e março deste ano: na comparação com o mesmo trimestre de 2008, o PIB segue em baixa, de 1,2%. No acumulado de janeiro a setembro, a queda ficou em 1,7% frente ao mesmo período de 2008.

Revisão

O IBGE também revisou para baixo o crescimento do PIB no segundo trimestre deste ano. A alta divulgada anteriormente, de 1,9% na comparação com os primeiros três meses do ano, foi revista para 1,1%.

"Particularmente, esse terceiro trimestre reflete um momento de crise que fez com que essa série tenha uma instabilidade maior de números", explicou Roberto Olinto, coordenador de contas nacionais do IBGE.

A revisão, segundo o IBGE, leva em conta a incorporação dos resultados anuais de 2007, a re-estimação dos quatro trimestres de 2008, a partir do novo 2007, incorporando revisões nos dados primários e a PNAD, e a re-estimação dos dois primeiros trimestres de 2009, com novas ponderações de 2008 e revisões nos dados primários.

Foram revisadas também as variações de trimestres anteriores: no primeiro trimestre do ano, a queda foi revista para 0,9% (o dado inicial era de -1,0%); no quarto trimestre de 2008, a baixa ficou em -2,9% (ante dado original de -3,4%); e no terceiro trimestre de 2008 a alta foi revisada para 1,1% (a divulgação original apontava crescimento de 1,3%). 

Indústria foi destaque

Na comparação com o trimestre anterior, a indústria foi destaque de crescimento, com alta de 2,9%, seguida por serviços, com alta de 1,6%. Já a agropecuária teve queda acentuada, de 2,5%.

Frente ao terceiro trimestre de 2008, a retração do setor agrícola foi ainda maior, de 9,0%. A indústria também teve forte contração, de 6,9%. O setor de serviços foi o único a registrar alta nessa base de comparação, de 2,1%.

A queda na agropecuária, segundo o IBGE, “pode ser explicada pelo desempenho de alguns produtos que possuem safra relevante no trimestre. Com exceção da cana-de-açúcar, com estimativa de crescimento anual de 6,9%, as estimativas para 2009 do trigo em grão (-15,1%), do café em grão (-13,8%), da mandioca (-0,3%) e da laranja (-0,1%) apresentaram quedas em relação ao ano anterior”.

Já na indústria, a construção civil, com recuo de 8,4% frente ao terceiro trimestre de 2008, foi o destaque negativo, seguida pela indústria de transformação, que se contraiu em 7,9%. 

Consumo das famílias

Na comparação com o segundo trimestre, o consumo das famílias cresceu 2,0% e foi um dos pontos mais favoráveis em relação à demanda interna. O consumo da administração pública teve alta menor, de 0,5%. O maior destaque foi para a formação bruta de capital fixo (investimento), que cresceu 6,5% no período.

Frente ao mesmo trimestre de 2008, o consumo das famílias mostrou o 24º crescimento consecutivo nessa comparação, de 3,9%. “Um dos fatores que contribuíram para este resultado foi a elevação de 2,5% da massa salarial real, com aumento de ocupação e do rendimento médio real do trabalho”, diz o IBGE em nota.

Nessa base, o consumo da administração pública teve alta mais modesta, de 1,6%, enquanto a formação bruta de capital fixo mostrou queda de 12,5%, influenciada principalmente pela redução da produção interna e da importação de máquinas e equipamentos.

Essa queda na formação bruta de capital fixo influenciou na redução da taxa de investimento no terceiro trimestre, para 17,7%. De julho a setembro de 2008, essa porcentagem ficara em 20,1%.

Exportações e importações têm segundo trimestre de alta
Pelo lado do setor externo, as Exportações de Bens e Serviços apresentaram tiveram alta de 0,5% e as Importações de Bens e Serviços cresceram 1,8%, no segundo crescimento seguido na comparação com o trimestre anterior.

Frente ao 2008, no entanto, houve queda acentuada, de 10,1% nas exportações e de 15,8% nas importações.

Leia Também

Fábrica de placas solares  ENERGIA SOLAR
Brasil atinge 1 milhão de consumidores com geração própria de energia solar
BRASIL 622.205 MORTES
Com recorde de 204.854 novos casos, Brasil registra 350 óbitos em 24 horas
ALARMANTE
Brasil bate recorde de casos diários de covid-19 com 204,8 mil
OPORTUNIDADE DE EMPREGO
Funtrab ainda tem 916 vagas para indígenas trabalharem nas lavouras de maçãs em SC e RS
BAIXA RENDA
Auxílio Gás: governo libera o pagamento no valor de R$ 52
COVID NO BRASIL
Covid-19: Brasil tem um aumento e registra 351 mortes em 24 horas
OMICRON
Brasil dobra contágio nas 24h e registra 74,1 mil novos casos de covid-19 e 121 mortes
LIÇÕES DA BIBLIA
Carne e Sangue como nós
ABUSO SEXUAL
Meninas escutam mãe contando de abuso sexual e fazem relato chocante sobre tio-avô
COVID NO BRASIL
Em 24 horas, foram confirmados pelas autoridades sanitárias 24.934 novos casos de Covid-19