Menu
SADER_FULL
quinta, 21 de outubro de 2021
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
Brasil

Bolívia negociará com índios para evitar corte de gás

21 Ago 2006 - 10h45
O governo boliviano deve realizar nesta segunda-feira uma reunião com representantes dos índios guaranis que ocupam desde a semana passada a Estação Operacional de Parapetí, da Transierra (empresa com participação da Petrobras), localizada no município de Charagua, no Departamento de Santa Cruz (leste do país).

A reunião deve ocorrer hoje, às 14h (em Brasília), entre o ministro do Desenvolvimento Rural, Hugo Salvatierra, representantes das secretarias de Meio Ambiente e Recursos Naturais e diretores da Transierra devem se encontrar com representantes de comunidades guaranis e da APG (Assembléia do Povo Guarani).

Os representantes da APG reforçaram a ameaça de fechar uma válvula de passagem do gasoduto --que serve para a exportação de gás natural da Bolívia para o Brasil desde 2004-- se não tiverem suas reivindicações atendidas, segundo o site do diário boliviano "El Deber".

O assessor de comunicação da Transierra, Hugo Muñoz, disse ao "El Deber", no entanto, que a empresa não recebeu nenhum convite oficial para participar da reunião. "Temos buscado em diversas oportunidades a abertura ao diálogo, através de cartas, mas não nos atenderam", disse.

O secretário de recursos ambientais da APG, Marcelo Claudio, disse que a Transierra dificulta, com entraves burocráticos, a liberação de recursos para a execução de obras em benefício das comunidades indígenas. "Queremos administrar de forma direta os recursos que a Transierra se comprometeu a nos entregar", disse Claudio. Segundo o diário boliviano, o montante a ser liberado chega a US$ 9 milhões.

"Parece que não somos donos desses fundos compensatórios pelo uso de nossas terras para transportar gás", acrescentou.

O coordenador de relações comunitárias da Transierra, Rafael Chávez, destacou que entre julho de 2005 e junho deste ano a empresa repassou cerca de US$ 256 mil para a execução de obras e disse que o convênio firmado com as comunidades indígenas estabelece que os recursos têm prazo de 20 anos para serem entregues.

O líder da APG (Assembléia do Povo Guarani), Wilson Changaray, disse que a entrada nas instalações da estação foi pacífica, e que "as válvulas e os outros equipamentos não foram tocados", segundo a agência de notícias Efe.

Os indígenas que ocupam a estação ergueram acampamentos perto da válvula de passagem do gasoduto para o Brasil. A Transierra alertou para o risco de acidentes no local.

Risco - Claudio disse que as famílias que estão no local foram instruídas a não acenderem fósforos nem realizarem atividades que possam apresentar risco nas proximidades da válvula.

Chávez, por sua vez, disse que as normas de segurança para a entrada na estação foram violadas com a ocupação pelos indígenas. "Basta apenas uma fagulha, e pode acontecer uma explosão que atingirá um raio de mais de um quilômetro."

A Transierra é uma sociedade formada pela Petrobras, pela Repsol YPF e pela francesa TotalFinaElf --a participação da Petrobras no grupo é de 44,5%. A Transierra administra o gasoduto Yacuiba-Rio Grande, de 432 quilômetros de extensão e capacidade de transportar de 11 milhões de metros cúbicos por dia.

Folha Online

Leia Também

VOLTOU A SUBIR
Covid-19: Brasil registra 15.609 casos e 373 mortes em 24 horas
ESTAVA DESAPARECIDO
Corpo de pescador é encontrado dentro de jacaré
LIÇÕES DA BÍBLIA
O principal mandamento
BAIXARAM A GUARDA
Covid-19: Brasil registra 390 mortes e 12,9 mil casos em 24 horas
LIÇÕES DA BÍBLIA
Se me amam, guardarão os Meus mandamentos
OPORTUNIDADE DE EMPREGO
Funtrab está com 655 vagas para indígenas interessados em trabalhar em lavouras de maçã em SC e RS
ALERTA TEMPORAIS
Chance de Tempestades (La Ninã) no final do ano é de 87%, aponta atualização do NOAA
LIÇÕES DA BÍBLIA
Ele nos amou primeiro
AUXILIO EMERGENCIAL
Presidente está de acordo a prorrogação do auxílio emergencial
TRAGICO ACIDENTE
Menino de 9 anos morre enforcado com corda de balanço