Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
segunda, 20 de setembro de 2021
Busca
Brasil

Boas práticas para o Judiciário são apresentadas no 1º workshop

18 Mar 2010 - 16h51Por CNJ
Os gestores do Poder Judiciário apresentaram na tarde de ontem quarta-feira (17/03) um conjunto de ações que devem auxiliar no cumprimento das metas prioritárias de 2010.

 Boas práticas adotadas pelos tribunais brasileiros foram apresentadas a um grupo de magistrados que discutiram a implementação dessas ideias em todos os estados.

Um dos exemplos ilustrados, durante o 1º Workshop de Gestores das Metas de 2010, foi o mapeamento de rotinas realizado pelo Tribunal de Justiça de Rondônia (TJRO).

O tribunal desenvolveu um método de padronização na tramitação dos processos que reduz custos e acelera o andamento das ações. De acordo com o juiz Francisco Borges Ferreira Neto, o modelo possibilita "simplificar os procedimentos e agilizar o atendimento ao público".

A juíza auxiliar da Corregedoria do CNJ, Salise Monteiro Sanchotene, ressaltou que a adoção das boas práticas fazem parte da política de modernização do Judiciário.

"Precisamos ao longo dos anos implementar essas práticas para conhecer o Judiciário", disse.

A magistrada do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Norte (TJRN), Patrícia Gondim, falou sobre a inovação adotada pelo tribunal no julgamento dos processos. "

Só são colocados em pauta os processos que estão com o voto pronto", declarou. De acordo com  a juíza, a medida produziu uma mudança de cultura e possibilitou a agilidade nos julgamentos.

Também no período da tarde foram apresentados exemplos já implantados por alguns tribunais no cumprimento das metas de 2010.

O juiz auxiliar da presidência do CNJ,  Paulo Cristóvão de Araújo Silva, apresentou aos gestores a meta 7, que prevê a divulgação da produtividade dos magistrados, e mostrou o sistema implementado na justiça de segundo grau do Tribunal Regional Federal da 4ªRegião, que traz dados detalhados das decisões de cada juiz. Segundo Paulo Cristóvão, a meta 7 vai deixar claro o nível de trabalho dos magistrados. "

Essa é uma grande preocupação do CNJ, pois os magistrados em geral trabalham e trabalham muito", ressaltou. Na avaliação do juiz, com o cumprimento da meta 7, o Judiciário dará transparência a essa produtividade.

A preocupação com a questão socioambiental também foi debatida pelos gestores dos tribunais. A diretora do Departamento de Pesquisas Judiciárias, Neide De Sordi, apresentou uma série de boas práticas já implementadas pelos tribunais nessa área.

Entre elas, estão o projeto do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios (TJDFT) que visa reduzir o impacto ambiental de suas ações em 5%, com a construção de um prédio sustentável, e a criação de Varas Ambientais na região da Amazônia Legal pelo Tribunal Regional Federal da 1ª Região.

Deixe seu Comentário

Leia Também

LUTO NA TV
Ator Luis Gustavo morre aos 87 anos, vítima de câncer
EM DECLINIO
Covid-19: Brasil registra 21,2 milhões de casos e 590,7 mil mortes
TSUNAMI NO BRASIL?
Brasil pode ser atingido por tsunami; entenda
SERPENTE
Rapaz de 18 anos é atacado por jararaca durante pescaria
TRIBUNAL DO CRIME
Traficantes enterram mulher viva para vingar denúncia
TEMPESTADE
Temporal derruba árvore sobre carros e deixa bairros no escuro
VOLTOU A SUBIR
Covid-19: ministério registra 34,4 mil casos e 643 mortes em 24 horas
COMOÇÃO E REVOLTA
Menina de 5 anos é morta com tiro na cabeça enquanto caminhava para comprar lanche
CEF de Fátima do Sul OPORTUNIDADE
Caixa abre concurso com salários de mais de R$ 3 mil; confira
QUASE 600 MIL MORTES
Covid-19: mortes sobem para 588,5 mil e casos, para 21,03 milhões