Menu
SADER_FULL
terça, 26 de maio de 2020
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
ÁGUAS DE BONITO
Brasil

Bioquímica é assassinada a golpes de facão em Dourados

2 Abr 2007 - 04h52
A servidora pública estadual Ana Lúcia Mendes, de 48 anos, que trabalhava como bioquímica no Hemocentro de Dourados, foi assassinada hoje com vários golpes de facão, na casa dela, na sitioca Campina Verde, localizada na saída para Caarapó. O crime teria ocorrido na madrugada, mas somente após o meio-dia a polícia foi acionada.

O principal acusado até o momento, segundo apurou o Dourados News, seria o ex-amásio dela, Jair Cantazine da Silva. O homem vinha se desentendendo com a mulher e teria prometido o crime, de acordo com as primeiras informações. Jair está foragido.

A bioquímica Ana Lúcia Mendes assassinada a golpes de facão possivelmente na madrugada de domingo, na casa dela, na sitioca Alvorada, teria sido casada com o deputado federal Waldemir Moka, do PMDB, segundo relato de algumas testemunhas que acompanham a perícia policial no local do crime. O principal suspeito, o ex-amásio Jair Cantazine da Silva, continua desaparecido.

Deixe seu Comentário

Leia Também

BONITO - MS - COVID-19
Pandemia faz empresas demitirem 29% dos funcionários do setor de turismo de Bonito (MS)
VITIMA DA COVID 19
'Mãe' de Jojo Todynho morre de Covid-19
FÁTIMA DO SUL - O BOTICÁRIO
Dia dos Namorados é no O Boticário, confira o catálogo digital, entrega em casa em Fátima do Sul
COVID-19
Dois integrantes da banda de Zezé Di Camargo e Luciano testam positivo para coronavírus
FEMINICIDIO
Filha de 12 anos faz homenagem para vítima de feminicídio: 'te amarei para sempre'
ELEIÇÕES 2020
Líderes municipalistas confirmam inviabilidade das eleições 2020
INACREDITÁVEL
Cadeirante mudo assalta joalheria com arma nos pés; assista ao vídeo
BRASIL - 22.666 MORTES
Brasil tem mais 653 mortes, e vítimas da covid-19 no país chegam a 22.6
EMOCIONANTE - VIDEO
Esposo toca sanfona para esposa no hospital após ela receber alta de covid-19
ELEIÇÕES 2020?
Talvez seja inevitável adiar eleições municipais, diz Barroso