Menu
SADER_FULL
sexta, 24 de setembro de 2021
Busca
Brasil

Bebê prematuro é mantido na barriga da mãe por falta de leito

26 Jan 2010 - 13h28Por TV Morena

A falta de leitos em UTIs neonatais na rede pública tem levado médicos a adiar partos de bebês prematuros, nos hospitais de Campo Grande. O secretário municipal de Saúde disse também que 15 leitos de UTI adulto devem ser inaugurados ainda este mês na Santa Casa.

Uma família espera a quase uma semana pela parto de um bebê prematuro. Na última quarta-feira, doa 19 de janeiro, uma dona de casa levou uma filha grávida ao Hospital Regional Rosa Pedrossian. Ela foi encaminhada pelos médicos de um posto de saúde e desde então está internada.

“Ela estava correndo risco de ganhar o bebê antes do tempo de sete meses. A gente trouxe ela para cá porque aqui seria o hospital mais próximo da minha casa e chegando aqui ele teve dilatação, e ficou internada. Ela tomou um remédio para segurar o neném na barriga”, disse Mari Regina Marques Neis, mãe da gestante.

Valdeci, o futuro pai, se desesperou quando soube que a cesariana marcada para o sábado (23), foi cancelada, por falta de leito para o bebê prematuro na UTI neonatal.

“Não tinha vaga no CTI para colocar meu filho e ai eu falei, vai acontecer o que? Eles disseram que não tinha líquido mais na placenta da minha esposa e meu filho podia pegar uma bactéria, estava sujeito à bactéria”, contou Valdeci Lopes Leite, marido da grávida.

De acordo com a direção do hospital, a cirurgia da mãe, Danielli Cristhina, que estava agendada para a manhã de sábado (23), foi cancelada porque dois bebês prematuros em situação de emergência chegaram ao hospital e ocuparam as vagas da UTI neonatal. Por isso, se o parto fosse feito não haveria leito disponível para a criança.

Ainda no sábado (23), os médicos do plantão tentaram transferir a paciente para outra unidade, mas não conseguiram vaga. No mesmo dia, o Hospital Regional que é referência para gravidez de risco, recebeu 15 pedidos de vagas para crianças na UTI. O diretor técnico afirma que a mãe e o bebê estão bem.

“A gestante está de 34 semanas, o feto viável,sem nenhuma complicação. Apenas ela tem um quadro de perda de líquido amniótico e isso causa um risco de ter infecção no neném, que pode ser tratada. O melhor lugar para o neném ficar é no útero da mãe. Não adianta tirar o neném do útero da mãe, a não ser por uma necessidade extrema e depois deixa-lo sem o respirador, sem todo o equipamento, que ele vai ter dificuldades”, declarou Alexandre Frizzo, diretor técnico do Hospital Regional.

Segundo o diretor, uma nova UTI neonatal está em construção e deve ter 40 novos leitos funcionando a partir de abril. Atualmente são 20. Além do Hospital Regional, outros três hospitais da Capital tem este serviço. Para o secretário de Saúde, a superlotação não é uma realidade constante.

“É sempre uma coisa pontual a UTI neonatal. O nosso problema hoje não é neonatal, o nosso problema é adulto, adulto sistematicamente tem tido falta de leito”, afirmou Luiz Henrique Mandetta.

Deixe seu Comentário

Leia Também

ROTA BIOCEÂNICA
Comissão mista homologa consórcio que vai construir ponte da Rota Bioceânica em MS
CASTELO DE AREIA
Idoso casa com prostituta 35 anos mais nova e flagra com outro
DOENÇA DO SÉCULO
Servidor público é encontrado pendurado em árvore
COVID-19
Ministra de Bolsonaro testa positivo para Covid e cancela agenda em Nova Andradina
ASSUSTADOR
Homem encontra boneca na parede com bilhete misterioso: "obrigada por me libertar"
VIDEOS VAZADOS
Torcedora do flamengo esquenta a web com vídeos íntimos
VOLTOU A SUBIR
Covid-19: Brasil registra em 24 horas 36.473 novos casos e 876 novas mortes
REVOLTANTE
Criança autista vítima de maus tratos é encontrada comendo fezes de cachorro para sobreviver
HOMICIDIO X SUICÍDIO
Marido mata esposa e tira própria vida; criança de 3 anos pede socorro a vizinho
NEGLIGÊNCIA
Criança de 2 anos ao volante mata prima de 3 anos atropelada