Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
sexta, 22 de janeiro de 2021
Busca
Brasil

BC deveria reduzir meta de inflação diz economista da FGV

17 Mar 2011 - 08h26Por

Em trajetória ascendente, a inflação vai superar o teto da meta do governo (6,5%) no acumulado em 12 meses nas próximas divulgações do IPCA, mas deve perder força e fechar o ano muito perto dos 5,9% de 2010, opina Salomão Quadros, coordenador de análises econômicas da FGV (Fundação Getulio Vargas). Em 12 meses, o índice do IBGE soma alta de 6,01% até fevereiro.

É que há, diz, a previsão de arrefecimento dos preços das commodities internacionais e os bens de consumo -- excluídos os alimentos -- devem registrar uma variação de preço muito baixa.

Para o economista, o governo, porém, já trabalha para que a inflação convirja para o centro (4,5%) da meta em 2012, e não mais neste ano. Quadros criticou, no entanto, a decisão do governo de manter a meta em 4,5% -- com intervalo de tolerância de dois pontos para cima ou para baixo. Em vigor desde 2005, o percentual já foi fixado como o objetivo central do governo até 2012.

O economista compara a situação brasileira à chilena. O Chile, diz, adotou o regime de metas nos anos 90 e desde o início dos anos 2000 estipulou a meta entre 2% e 4%. "E cumpriu o objetivo em 75% das vezes. Mas o Chile tem um Banco Central independente e isso faz diferença", disse Quadros, no Seminário de Análise Conjuntural do Ibre (Instituto Brasileiro de Economia da FGV).

Para Quadros, o sistema de metas no Brasil já perdura há mais de uma década e deveria perseguir índices menores de inflação -- que neste ano, apesar do repique de janeiro e fevereiro, sofrerá o efeito positivo das importações mais baratas por conta do câmbio.

Se os importados ajudam a conter os preços, eles ampliam o descompasso entre a indústria e o comércio -- que se beneficia com a venda de produtos mais baratos vindos do exterior.

Para Aloísio Campelo, economista da FGV, a expansão das importações é o principal motivo da distância entre as vendas do comércio e a produção da indústria. Nos últimos cinco anos (dezembro de 2005 a dezembro de 2010), o setor fabril cresceu 31% -- taxa próxima ao avanço de 31% das exportações brasileiras. Já o varejo viu suas vendas subirem 61% no período. O ritmo é inferior, mas mais próximo da expansão do volume de exportações -- 80%.

Em seus cálculos, economista usou dados do IBGE para indústria e comércio e indicadores de quantidades de exportações e importações.

Deixe seu Comentário

Leia Também

GANGUE DO TIJOLO
Menores entre 13 e 17 anos formam bando e fazem 'arrastão'; veja vídeo
LUZ DO DIA
Empresário é executado com três tiros dentro de carro
SELFIE DA MORTE
Professora tenta tirar selfie e morre afogada ao cair no mar
tratamento precoce prefeito curitiba 100 TRATAMENTO
"Estão no Cemitério", diz prefeito de Curitiba sobre pessoas que usaram tratamento precoce Covid-19
A CASA CAIU
Mulher invade casa e flagra namorado fazendo sexo com outra; veja vídeo
LINHA DE FRENTE
'Ele lutou até o final', diz irmã de médico de 28 anos, após quase um mês morreu de Covid-19
SEU BOLSO
Litro da gasolina sobe R$ 0,15 nas refinarias da Petrobras
ESTUPRO DE VULNERÁVEL
Na calada da noite, namorado da avó estupra criança de 12 anos e é espancado por vizinhos
CONCURSO PÚBLICO
Concurso da Aeronáutica somam com as 21 mil vagas em outros concursos que a semana oferece
DEU RUIM
Jovem é atingido por raio enquanto usava celular no banheiro