Menu
SADER_FULL
sábado, 25 de setembro de 2021
Busca
Brasil

Barcelona e Real Madrid polarizam eleição do melhor do mundo

21 Dez 2009 - 11h00Por G1

A eterna rivalidade entre Real Madrid e Barcelona marca a edição 2009 do prêmio “Fifa Gala”, eleição do melhor jogador do mundo organizada pela entidade, e que premia os vencedores nesta segunda-feira, a partir das 17h (de Brasília). Dos cinco finalistas, três são do Barcelona (Lionel Messi, Andrés Iniesta e Xavi Hernandéz) e dois do Real Madrid (Cristiano Ronaldo e Kaká). Há uma diferença: os craques merengues não vão a Zurique para concorrer pelo futebol apresentado em Madri, e sim pelos respectivos ex-clubes (Manchester United e Milan) e seleções.

Muitas rivalidades têm suas particularidades. Separadas por cores, elas dividem cidades e viram o centro das atenções por ao menos 90 minutos. Pode-se dizer que Barcelona e Real Madrid estão a alguns passos de distância. Motivado pela ditadura de Francisco Franco, o “El Clásico” mexeu com a Espanha a partir da Segunda Guerra Mundial, quando eclodiu o ódio entre Catalunha e Castela.

O tempo e as sequentes gerações só fizeram o clássico ganhar maiores proporções e atingir o mundo, com torcedores presentes também na Ásia, Oceania e Américas. Tudo para apreciar as estrelas da bola como Romário, Ronaldo, Rivaldo, Figo, Zidane, Ronaldinho Gaúcho, Messi...

– Os jornais falam todos os dias de Real Madrid e Barcelona, parece que o Campeonato Espanhol é disputado só entre eles – disse o lateral-esquerdo Marcelo, que defende o clube merengue desde 2006. 

O Barcelona levou vantagem sobre o Real e, em 1994, já na quarta edição do prêmio, teve um jogador eleito melhor do mundo antes do arquirrival: Romário. Desde então, mais três atletas do time catalão conquistaram o título em seis oportunidades: Ronaldo, Rivaldo e Ronaldinho Gaúcho. Somente o Fenômeno jogou em outros clubes durante o mesmo ano – PSV, em 1996, e Inter de Milão, em 1997 (confira a tabela com todos os vencedores abaixo).

 

Confira os melhores do mundo ano a ano
 2008 - Cristiano Ronaldo (Portugal, Manchester United-ING)  1999 - Rivaldo (Brasil, Barcelona-ESP)
 2007 - Kaká (Brasil, Milan-ITA)  1998 - Zinedine Zidane (França, Juventus-ITA)
 2006 - Fabio Cannavaro (Itália, Juventus-ITA e Real Madrid-ESP)  1997 - Ronaldo (Brasil, Inter de Milão-ITA)
 2005 - Ronaldinho Gaúcho (Brasil, Barcelona-ESP)  1996 - Ronaldo (Brasil, Barcelona-ESP)
 2004 - Ronaldinho Gaúcho (Brasil, Barcelona-ESP)  1995 - George Weah (Libéria, Milan-ITA)
 2003 - Zinedine Zidane (França, Real Madrid-ESP)  1994 - Romário (Brasil, Barcelona-ESP)
 2002 - Ronaldo (Brasil, Inter de Milão-ITA e Real Madrid-ESP)  1993 - Roberto Baggio (Itália, Juventus-ITA)
 2001 - Luis Figo (Portugal, Real Madrid-ESP)  1992 - Marco Van Basten (Holanda, Milan-ITA)
 2000 - Zinedine Zidane (França, Juventus-ITA)  1991 - Lothar Matthäus (Alemanha, Inter de Milão-ITA)

No Real Madrid, foram quatro títulos com quatro atletas diferentes: Luis Figo, Ronaldo, Zidane e Cannavaro, embora o Fenômeno e o zagueiro italiano tenham se notabilizado mais pelas atuações nas Copas do Mundo de 2002 e 2006, respectivamente. Enquanto o craque francês chegou a Madri com dois prêmios na bagagem.

– O Barcelona tem uma preocupação maior com as divisões de base, levam muitos jovens para lá, tem paciência, e o Real faz justamente o contrário. Tanto que o Raúl, hoje na casa dos 30 anos, foi a última grande revelação do clube (além do goleiro Casillas). Eles têm a necessidade de ganhar sempre, e por isso fazem grandes contratações – resumiu Evaristo de Macedo, ídolo pelo Barcelona e Real Madrid nas décadas de 50 e 60.

No Barça desde os 13 anos de idade, Lionel Messi é o franco favorito para a conquista do título de melhor jogador do ano, ainda que a votação tenha se encerrado semanas antes do Mundial de Clubes da Fifa, quando o craque argentino decidiu a favor dos catalães em mais uma competição – também levantou os troféus das Supercopas da Espanha e Europa, Campeonato Espanhol, Copa do Rei, Liga dos Campeões e a Bola de Ouro, organizada pela France Football. Técnicos e capitães de todas as seleções do mundo estavam habilitados para o voto. Não foi permitido eleger jogadores da mesma seleção.

A noite de gala da Fifa também premiará as mulheres. Atual tricampeã, a brasileira Marta concorre com outras quatro candidatas. As alemãs Brigit Prinz, também campeã por três vezes, e Inka Grings, a brasileira Cristiane e a inglesa Kelly Smith.

Outros prêmios estão previstos, como o Fifa/FIFPro World XI, que elegerá o time do ano, em um modelo idêntico à eleição dos jogadores. Cerca de 50.000 atletas de todo o planeta votaram no melhor de casa posição. O Troféu Puskas, em homenagem ao húngaro, será para o autor do gol mais belo da temporada. Os brasileiros Nilmar e Grafite concorrem.

Por fim, o Prêmio Presidencial, para a pessoa ou entidade que tenha mais contribuído com o futebol, o Fair-Play, para times, torcida ou seleções, e o Desenvolvimento, que premiou a Palestina em sua única eleição, em 2008.

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

ROTA BIOCEÂNICA
Comissão mista homologa consórcio que vai construir ponte da Rota Bioceânica em MS
CASTELO DE AREIA
Idoso casa com prostituta 35 anos mais nova e flagra com outro
DOENÇA DO SÉCULO
Servidor público é encontrado pendurado em árvore
COVID-19
Ministra de Bolsonaro testa positivo para Covid e cancela agenda em Nova Andradina
ASSUSTADOR
Homem encontra boneca na parede com bilhete misterioso: "obrigada por me libertar"
VIDEOS VAZADOS
Torcedora do flamengo esquenta a web com vídeos íntimos
VOLTOU A SUBIR
Covid-19: Brasil registra em 24 horas 36.473 novos casos e 876 novas mortes
REVOLTANTE
Criança autista vítima de maus tratos é encontrada comendo fezes de cachorro para sobreviver
HOMICIDIO X SUICÍDIO
Marido mata esposa e tira própria vida; criança de 3 anos pede socorro a vizinho
NEGLIGÊNCIA
Criança de 2 anos ao volante mata prima de 3 anos atropelada